...
Alesc Ana Blasi Ângela Albino Carlos Moisés da Silva Comércio de Blumenau Dário Berger Esperidião Amin Gean Loureiro Gelson Merisio Jair Bolsonaro Jorginho Mello MDB Região Metropolitana de Joinville TRF4

Jorginho e Amin já tem o desenho da chapa; Moisés confidencia a lideranças que o MDB está com ele; Ângela Albino pode virar opção da esquerda entre outros destaques

  Agora estamos nas redes sociais. Segue lá!
 
Instagram: @scempauta
 
Twitter:  @scempauta
 
https://www.facebook.com/scempauta

Para receber a coluna via WhatsApp, favor enviar mensagem com o seu nome e cidade e salvar o número: 49 98504.8148. Faça parte da lista de transmissão do site que todo mundo lê. Você também pode ativar as notificações no “Alerta do Google” e receber as nossas informações.

O governador Carlos Moisés da Silva (Republicanos) confidenciou para algumas lideranças políticas, que o MDB está fechado com ele. Segundo Moisés, o seu vice deve ser o presidente da Assembleia Legislativa, Moacir Sopelsa (MDB), enquanto que a vaga na chapa ao Senado, será do deputado federal, Carlos Chiodini. Inclusive, essa é uma das condições de Antídio Lunelli (MDB) para declinar de sua pré-candidatura ao governo.

Nos bastidores, os nomes dos deputados estaduais, Valdir Cobalchini e Mauro De Nadal, também aparecem como possibilidade de disputar como vice. Chiodini também chegou a ser sondado, porém, conforme já escrevi há algumas semanas, ele acredita que a eleição ao Senado é uma aposta mais segura.

O ex-prefeito de Joinville, Udo Döhler, que também foi convidado pelo governador para compor como vice na chapa, está inviabilizado por causa da vontade de Chiodini, de disputar ao Senado. Neste caso, ficariam dois da mesma região na chapa.

Outra questão que tem sido muito discutida na Casa D’Agronômica, é quanto ao posicionamento do governador, em relação a eleição federal. A ideia é não se envolver, pois o entendimento é que se Moisés chegar no segundo turno, precisará de votos da direita e da esquerda, por isso, não deverá anunciar apoio nem ao presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), tampouco para o ex-presidente Lula (PT).

ALERTA!!

É expressamente proibida a cópia dos textos do SCemPauta para o compartilhamento sem dar o devido crédito. É PERMITIDO compartilhar, somente através do link! Quem compartilhar o texto sem o devido crédito ao SCemPauta, responderá judicialmente pelo uso indevido de nossos conteúdos!

Próximos de um acordo

Fontes me informaram que o Partido Liberal e o Progressistas estão muito próximos de um acordo. O desenho da chapa já está feito e, deverá ser batido o martelo no almoço que acontecerá entre os próximos dias 13 e 15, conforme escrevi ontem, que reunirá em Florianópolis os senadores Jorginho Mello (PL) e Esperidião Amin (Progressistas). De acordo com a fonte ligada a um dos partidos, a chapa deve ser formada com Jorginho Mello ao Governo do Estado, tendo como vice, Ângela Amin (Progressistas), e ao Senado, Jorge Seif (PL). Neste caso, o deputado estadual, João Amin (Progressistas), disputará uma vaga à Câmara dos Deputados, enquanto que o ex-vereador de Florianópolis, Pedro Silvestre, o Pedrão (Progressistas), disputará uma cadeira na Assembleia Legislativa. Ainda será tentado um acordo para que o deputado estadual, Kennedy Nunes (PTB), se una ao projeto disputando ao Senado em chapa avulsa.

Ângela Albino

Há um bom tempo fora da política, a ex-deputada estadual, Ângela Albino (PCdoB), pode surgir no cenário da esquerda, inclusive sendo apresentada como uma possível vice de Décio Lima (PT), caso o PSB se afaste dos petistas, fazendo com que a centro-esquerda saia menor do que começou.

Sobre o Merisio

Uma fonte da esquerda me disse ontem que o nome de Gelson Merisio (Solidariedade) não tem entrado no debate, a exemplo do senador Dário Berger (PSB), pelo fato de que Merisio não disputará a eleição, ou seja, os partidos não consideram o ex-deputado um candidato. Mas a liderança me disse algo surpreendente: “O Merisio não é candidato. O Merisio foi para São Paulo com o Décio (Lima), o Décio faz uma publicação com o Lula e ele, onde diz que o candidato é ele (Décio), a cara do Merisio está lá. A diferença é que o Dário quer impor uma candidatura ao Governo do Estado e, o Merisio até aqui, o que parece né, diz que não é candidato e que pode ser qualquer coisa se precisar, é uma postura diferente. Nós não somos contra a candidatura do Merisio, porque o Merisio não é candidato”, afirmou.  

É claro que é

Gelson Merisio (Solidariedade) sonha em ser candidato sim. A esquerda, ou está fechando os olhos para isso, ou, por algum motivo vê vantagem em um nome sem base. Há tempos, Merisio tenta tirar o lugar do senador Dário Berger (PSB). Primeiro tentou se infiltrar no PSB e, agora, forçou o presidente de seu partido, Osvaldo Mafra, a barrar a candidatura de Berger ao Governo do Estado pela frente de centro-esquerda. Antes disso, decidiu ir para o Solidariedade quando viu que Geraldo Alckmin se reuniu com Paulinho da Força e, quase se filiou ao partido, ao invés do PSB. Na cabeça de Merisio, se Alckmin tivesse ido para o Solidariedade, o seu nome seria imposto de cima para baixo, como vice ou cabeça de chapa. E mesmo com todo esse malabarismo, a esquerda se esconde atrás da “educação” de um Merisio que ao contrário de 2018 não impõe, apenas conspira.

Catarinense no TRF4

Há alguns anos o Rio Grande do Sul não tem respeitado muito os acordos de paridade com Santa Catarina e Paraná, quanto a nomeação de novos desembargadores para o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4). Agora, o nosso estado tem a oportunidade de nomear uma catarinense que é a advogada, Ana Blasi, que está na lista tríplice que será apresentada ao presidente da República, Jair Bolsonaro (PL). É o momento dos parlamentares catarinenses ligados ao presidente, fazerem valer a sua força. Não adianta aparecer depois dizendo que ajudou, tem que provar que apoiou.

Blumenau e o comércio

É no mínimo descabida a proposta do líder do governo na Câmara de Vereadores de Blumenau, Jovino Cardoso (Solidariedade), de proibir a abertura do comércio aos domingos. O prefeito Mário Hildebrandt (Podemos) deve pensar seriamente na substituição de seu líder, caso contrário poderá ser apontado como conivente de uma proposta tão fora da realidade. Se depender de Cardoso, shopping, lojas e supermercados não poderão abrir, ou seja, vai querer parar a cidade em pleno domingo, quando muita gente sai para passear com a família, ajudando a economia local a girar. Esse é o tipo de proposta que deve ser excluída da pauta já nas comissões. Lamentável!

Apoie o SCemPauta

Fazer jornalismo de qualidade, com notícias exclusivas dos bastidores da política não é fácil. Por isso, faço um convite a vocês para que anunciem as suas empresas no SCemPauta. Apoie o nosso trabalho para que ele seja cada vez mais forte. Além de nos apoiar, você terá a sua marca sendo divulgada para todas as regiões do estado e, o melhor, em um site que tem credibilidade junto ao público. Entre em contato pelo nosso WhatsApp: (49) 98504.8148. Contamos com você!

Região Metropolitana de Joinville

O secretário de Desenvolvimento de Curitiba, Leverci Filho, esteve ontem em Joinville, onde participou de um painel a respeito da criação da Região Metropolitana. Participaram o prefeito anfitrião, Adriano Silva (Novo), e de Araquari, Clenilton Pereira (PSDB), além de outras lideranças. O vereador de Joinville, Lucas Souza (PDT), foi o mediador. Os presentes no auditório da Univille, consideraram o debate enriquecedor, sobretudo pela experiência de Curitiba que há anos teve criada a sua região. Balneário Barra do Sul, Campo Alegre, Garuva, ltapoá, São Francisco do Sul, Rio Negrinho e São Bento do Sul, integram a área de expansão.

Para receber a coluna via WhatsApp, favor enviar mensagem com o seu nome e cidade e salvar o número: 49 98504.8148. Faça parte da lista de transmissão do site que todo mundo lê. Você também pode ativar as notificações no “Alerta do Google” e receber as nossas informações.

  Agora estamos nas redes sociais. Segue lá!
 
Instagram: @scempauta
 
Twitter:  @scempauta
 
https://www.facebook.com/scempauta