...
Carlos Moisés da Silva Conservadores Fábio Schiochet Fiesc Gean Loureiro Jair Bolsonaro Jayana Nicaretta da Silva João Rodrigues Jorginho Mello Kennedy Nunes Menezes Niebuhr Advogados Associados Miami - Floripa Ricardo Anderle

Partidos se unem a Jorginho para futura aliança conservadora; PT estuda o posicionamento em relação a Moisés; Governador entre dois partidos e mais destaques

Para seguir recebendo a coluna via WhatsApp, favor salvar o número: 49 98504.8148. Para quem ainda não recebe, favor enviar mensagem para o mesmo número.   FAZER JORNALISMO COM INDEPENDÊNCIA CUSTA CARO. ANUNCIE NO SCEMPAUTA E APOIE A CONTINUIDADE DE NOSSO TRABALHO!

Conforme divulguei ontem em primeira mão, em reunião da executiva estadual do PSL, o presidente do partido, Fábio Schiochet, revelou que os pesselistas devem apoiar o senador Jorginho Mello (PL) que é pré-candidato a governador.

O encontro foi logo após uma conversa que Schiochet teve com Jorginho. É claro que muita coisa ainda acontecerá no cenário, mas começa a se formar em torno do senador, uma chapa formada por liberais e conservadores. Muito embora o conservadorismo e o liberalismo clássico sejam antagônicos, mas a questão estadual irá se sobrepor a isso, dando a Jorginho além do apoio do PSL, também do PTB que deverá ter no deputado estadual, Kennedy Nunes, que está de saída do PSD, o seu candidato a senador.

Um ponto em comum entre esses partidos, é de que todos já definiram que darão palanque ao presidente da República, Jair Bolsonaro (sem partido), que tentará a reeleição. A expectativa das lideranças é de que o presidente chegará bem avaliado no pleito, o que poderá catapultar as candidaturas da chapa. Para isso, eles apostam que até lá, toda a população estará vacinada.

Antes de intensificar as conversas com o PSL e o PTB, Jorginho foi a Jaraguá do Sul propor ao prefeito emedebista, Antídio Lunelli, que disputasse como seu vice. Entre os argumentos de Jorginho, a abertura de espaço para a ex-primeira-dama do Estado, Ivete Appel da Silveira, que assumiria definitivamente no Senado, caso ele fosse eleito, além de mais uma vaga na chapa para uma candidatura emedebista à Câmara Alta.

Ao ser consultado sobre a proposta, um cacique do MDB me disse que Jorginho está oferecendo cheque pré-datado, em alusão a situação de Ivete, já que somente seria dado a ela o mandato se o senador se elegesse ao Governo do Estado. Além disso, a liderança emedebista me disse que obrigatoriamente o partido lançará uma candidatura na majoritária e, que não se encaixaria em um projeto conservador, o que foge da tradição do MDB.

Tem um, porém…

Parece que o prefeito de Chapecó João Rodrigues (PSD) se empolgou e encarnou o conservadorismo pró-Bolsonaro. Rodrigues tem gravado vídeos com pautas conservadoras, tem insistido na defesa do chamado tratamento precoce contra o Coronavírus, e elogiado o presidente, incluindo a defesa de Bolsonaro, que ontem mais uma vez compartilhou uma publicação do prefeito. Será que Rodrigues pode entrar na briga para se tornar o candidato do Bolsonaro no estado?

Cuidado

Ao mesmo tempo em que acreditam no potencial do prefeito de Chapecó, João Rodrigues (PSD), algumas lideranças já comentam que o prefeito precisa cuidar para não passar do ponto nas exposições.

Sem Moisés

Ao contrário do que disse ao SCemPauta no início da semana, o presidente estadual do PSL, deputado Fábio Schiochet, afirmou ontem durante a reunião da executiva pesselista, que o partido não estará com o governador, Carlos Moisés da Silva (PSL), na próxima eleição. Assim, passa a ser uma questão de tempo para Moisés consolidar o que já desejava há algum tempo, que é sair do partido. Além disso, o mais emblemático nessa afirmação relatada por uma fonte que esteve no encontro, é que Schiochet havia dito que o PSL somente teria candidato a governador se Moisés ficasse, portanto, é mais um sinal de que o partido abrirá mão de uma candidatura para apoiar Jorginho Mello (PL).  

Moisés analisa

O governador Carlos Moisés da Silva (PSL) tem conversado com o Progressistas e com o Republicanos, sobre a possibilidade de filiação. Mas nenhuma hipótese está descartada. Nos bastidores também se fala no MDB, porém, essa situação é a mais remota.

Nova colunista

A partir de quarta-feira da próxima semana, o SCemPauta terá mais uma colunista. Para se juntar a Maria Helena no time feminino, teremos a estreia de Jayana Nicaretta da Silva. Atualmente com 26 anos de idade, ela já foi a vereadora mais jovem de Santa Catarina quando se elegeu no município de União do Oeste, além de ter sido a primeira secretária Nacional da Juventude do governo de Jair Bolsonaro (sem partido). Engenheira do Petróleo, Jayana trará todas as quartas-feiras a sua visão conservadora dos fatos.

Posicionamento do PT

A bancada do PT na Assembleia Legislativa tem conversado sobre o seu posicionamento em relação ao governo de Carlos Moisés da Silva (PSL). Acontece que os quatro deputados estaduais têm uma boa relação com Moisés, porém, há uma pressão interna no partido de algumas lideranças, que defendem que os parlamentares atuem como oposição. Essa situação incomodou os deputados que não aceitam pressão. Um parlamentar com quem conversei me disse que defende a ideia de se manter uma boa relação com o governo, mas atuando com independência. O que também facilitaria uma aproximação, segundo a liderança, seria a desfiliação de Moisés do PSL, o que lhe permitiria formar um governo de coalizão.

Encontro com as bancadas

Ontem o governador Carlos Moisés da Silva (PSL) receberia a bancada estadual do MDB na Casa D’Agronômica para um café da manhã e, a do PT para um almoço. Os encontros foram adiados por conta do falecimento do ex-governador e senador, Casildo Maldaner.

Paulinha no MDB?

Há uma divisão dentro do MDB sobre aceitar, ou não a filiação da deputada estadual, Ana Paula da Silva, a Paulinha. Enquanto o deputado federal, Carlos Chiodini, afirma que o partido tem interesse, já na bancada estadual há um ruído. Acontece que alguns parlamentares com quem conversei, reclamaram do fato de que Paulinha falou com Brasília, mas não conversou com Santa Catarina. Isso não quer dizer que o partido esteja fechado para a deputada, mas a filiação não tem sido vista com muita simpatia. “Ela é uma liderança importante, mas não pode se deslumbrar”, me disse um dos deputados da bancada.

Longe do governo

Ex-líder do governo de Carlos Moisés da Silva (PSL) na Assembleia Legislativa, a deputada estadual Ana Paula da Silva, a Paulinha (PDT), se vê em busca de um grupo para chamar de seu. Em litígio com o PDT, Paulinha tem ido a Brasília falar com os partidos sobre a possibilidade de filiação, situação que tem incomodado lideranças estaduais. Agora o que mais tem afetado a parlamentar é o distanciamento tomado por Moisés, devido a aproximação que ela teve com a interina Daniela Reinehr (sem partido) durante o processo de impeachment, gesto visto na Agronômica como traição. “Se perdeu a confiança nela”, me disse uma fonte.

Laércio sumiu

Ninguém sabe, ninguém vê. Deputados relataram que Laércio Schuster (PSB) não tem sido visto na Assembleia Legislativa. O parlamentar estaria mais recolhido após o resultado do processo de impeachment do governador Carlos Moisés da Silva (PSL), que voltou ao cargo. Schuster andou almoçando com o ex-deputado Gelson Merisio (PSDB) e, é dito nos bastidores que a sua atuação no parlamento será guiada pelo tucano e, pelo ex-deputado Paulinho Bornhausen, liderança do Podemos, partido ao qual Schuster deve se filiar na janela do próximo ano.   

Adiantando a vacinação

O prefeito de Florianópolis Gean Loureiro (DEM) foi às redes sociais pedir ao Governo do Estado e à Comissão Intergestores Bipartite (CIB), a autorização para iniciar o próximo grupo de vacina contra o Coronavírus, imediatamente. Os profissionais da educação fazem parte do próximo grupo. Segundo Loureiro as pessoas com comorbidades foram praticamente todas vacinadas e, as equipes de saúde não podem ficar ociosas aguardando a liberação. O município de Blumenau apresentou o mesmo pedido.

Bancada do Oeste

O governador Carlos Moisés da Silva (PSL) propôs novas medidas de enfrentamento à estiagem que atinge o Grande Oeste, após uma reunião no fim da tarde de ontem com a bancada que representa a região na Assembleia Legislativa. Duas ações necessitarão da chancela do Parlamento para avançar. O governador informou que enviará, na próxima semana, um Projeto de Lei para destinar R$ 100 milhões ao enfrentamento da crise hídrica e também uma Proposta de Emenda Constitucional, para facilitar a transferência de recursos aos municípios, por meio de repasses fundo a fundo. Também foi proposta a criação de um Grupo de Trabalho para debater soluções perenes para a questão. O encontro na Casa d’Agronômica também teve a participação de prefeitos do Meio-Oeste, Oeste e Extremo Oeste, além de representantes da agricultura familiar.

Estiagem

Durante a reunião, o secretário de Estado da Agricultura e Pesca, Altair Silva, falou das ações já em andamento do Governo do Estado contra a estiagem. Estão sendo investidos R$ 243,5 milhões. Ele acrescentou ainda que a proposta do Executivo é de investir R$ 1,7 bilhão em medidas de planejamento hídrico, até o fim de 2022.

Transparência

Criciúma é a cidade mais transparente de Santa Catarina e está entre as 10 mais transparentes do Brasil, de acordo com a Controladoria Geral da União. Segundo a CGU, a gestão municipal coloca à disposição todas as informações necessárias sobre onde e como o dinheiro público está sendo investido.

Exclusão do ICMS

Repercutindo a decisão do STF de excluir o ICMS da base de cálculo do PIS e da Cofins, o advogado tributarista, Ricardo Anderle, sócio da Menezes Niebuhr Advogados Associados, considera a decisão relevante para os contribuintes. O ICMS que será retirado da base de cálculo é o tributo destacado em nota. Anderle destaca que a decisão é muito relevante e os impactos são significativos na economia, porém, alguns pontos relativos à modulação de efeitos ainda podem gerar questionamentos, em especial, para as ações já transitadas em julgado. Considerado o maior processo tributário do país, o julgamento passou a ser chamado de “tese do século” devido ao impacto potencial, tanto para a União, quanto para as empresas, pois irá reduzir a base sobre a qual os tributos federais são cobrados.

Miami – Floripa

Em reunião virtual organizada ontem pelo Conselho Estratégico para Infraestrutura e Transporte e a Logística Catarinense e, pela Câmara de Transporte e Logística da Federação das Indústrias do Estado (Fiesc), a Latam Cargo fez uma prestação de contas da rota de carga que liga a capital aos Estados Unidos semanalmente. Ao todo já foram 41 voos que transportaram 450 toneladas. Até o momento, foram transportados R$ 525 milhões em mercadorias. O presidente da Fiesc, Mário Cezar de Aguiar, destacou a importância das empresas de Santa Catarina utilizarem a rota para as suas exportações. Atualmente os voos tem trazido produtos de informática de Hong Kong para Santa Catarina.

Cabo eleitoral de peso

O advogado Diogo Pitsica, candidato a entrar pelo quinto constitucional no Tribunal de Justiça do Estado, conta com um apoiador inusitado. Ralf Zimmer Júnior, autor do primeiro processo de impeachment e crítico ferrenho do governador Carlos Moisés da Silva (PSL) nas redes sociais. Ele trabalha para que o advogado de Florianópolis seja Desembargador. O que chama atenção é que o governador tem que sancionar esta indicação. Será que Moisés vai aprovar o candidato de Ralf?

Clonagem

Ontem o ex-governador Leonel Pavan (PSDB) enviou mensagens nos grupos de WhatsApp, informando que foi vítima de um golpe e que clonaram o seu WhatsApp. Ele pede para que as pessoas não depositem dinheiro se forem abordadas pelos golpistas. Algumas pessoas relataram terem sido abordadas.

ATENÇÃO!!

Devido a um problema de memória do telefone, alguns contatos de pessoas que pediram para receber a coluna e demais informações foram perdidos. Se você pediu para receber via WhatsApp, mas não está recebendo, favor informar novamente o número. Obrigado!

Para seguir recebendo a coluna via WhatsApp, favor salvar o número: 49 98504.8148. Para quem ainda não recebe, favor enviar mensagem para o mesmo número.   FAZER JORNALISMO COM INDEPENDÊNCIA CUSTA CARO. ANUNCIE NO SCEMPAUTA E APOIE A CONTINUIDADE DE NOSSO TRABALHO!