...
Carlos Moisés da Silva Daniela Reinehr Eduardo Zimmermann Napoleão Bernardes

O vale tudo de Daniela para ficar no poder; Executiva do MDB quer o afastamento do Governo do Estado; Paulo Eli deve deixar a Fazenda entre outros destaques

Para seguir recebendo a coluna via WhatsApp, favor salvar o número: 49 98504.8148. Para quem ainda não recebe, favor enviar mensagem para o mesmo número. FAZER JORNALISMO COM INDEPENDÊNCIA CUSTA CARO. ASSINE O SCEMPAUTA E APOIE A CONTINUIDADE DE NOSSO TRABALHO! 

A interina Daniela Reinehr (sem partido) está para negócio. Uma fonte me relatou que grupos e partidos que quiserem se encostar pedindo espaço, que terão os seus pleitos atendidos, mas, somente até o processo de impeachment, pois a contrapartida é ajudá-la a ficar no cargo.

A questão é o depois, o day after do julgamento caso ela saia vencedora. Uso a palavra “vencedora”, pelo fato de que Daniela deseja muito isso, tanto, que vendeu a alma para assumir o governo, pois o que vale é o seu desejo de posar como governadora, mesmo que interina. Ela ligou para deputados integrantes do Tribunal Misto do Impeachment como forma de constrangê-los, um dia antes do julgamento. Muda todo um governo com uma voracidade que chama a atenção, sendo que não sabe se permanecerá, ou seja, não pensou em momento algum na estabilidade do Estado.

Vale informar a quem está para negócio, que antes é necessário ouvir algumas lideranças que a ajudaram no primeiro processo de impeachment, pessoas que foram procuradas e descartadas ficando no caminho e sem o atendimento das promessas que foram feitas por ela. “Ela nem atende as ligações”, relatou uma dessas fontes. Só ficou com Daniela, quem ainda teria condição de ajudá-la a atender a sua ganância.

Eleita por um acidente da história como vice-governadora, sem receber votos diretamente, a interina Daniela não tem força para se eleger à vereadora em sua terra natal, em Maravilha. Como uma alpinista social, viu a chance de se agarrar a lideranças para assumir o Governo do Estado, mesmo que o preço seja, o de se tornar uma marionete.

Até as pedras sabem que Daniela não tem a mínima condição de fazer a gestão do Estado e, caso permaneça a frente do cargo, tem de tudo para levar Santa Catarina a um verdadeiro desastre. Quem a acaricia e a domina agora, são os mesmos que farão dar errado lá na frente, já que é importante que esse governo falhe para ter discurso em 2022. Mas será a história, lá na frente, que se encarregará de apontar o dedo para os responsáveis, ou melhor, irresponsáveis por “ajudar” a uma pessoa que não está à altura do cargo, apenas por interesses próprios.

Mesmo assim, tem quem defenda a permanência da interina Daniela Reinehr a frente do governo, por pura ideologia ou afinidade particular. São os mesmos que bradam por uma política honesta e sem fisiologismo, mas, então, o que dizem de Daniela ter se entregado ao que chamam de “velha política”, tendo filho de mensaleiro do PT em seu governo, investigado na Operação Chabu e alvo de CPI em Joinville? A prática precisa ser condizente com os atos, portanto, quem defende à boca pequena essas negociatas e, por outro lado, grita a favor da honestidade, deveria se envergonhar da hipocrisia que poderá levar Santa Catarina ao desastre e, quem pagará a conta mais uma vez por culpa das presepadas do meio político, será o setor produtivo, os comerciantes, os empresários, os industriais e toda a população.

Volto a lembrar que sempre fui um crítico do governo de Carlos Moisés da Silva (PSL), muito embora, os acertos também tenham sido apontados. O fato, é que se com Moisés não temos o governo ideal, nas mãos de Daniela tem tudo para ser muito pior.

Mornos

Alguns poucos deputados estaduais que não votam no processo de impeachment, não perdem tempo. Onde tem poder, lá se encostam. Deveriam ter a decência de se posicionar, seja para o lado que for, ao invés de ficarem em cima do muro, onde acreditam que possam se beneficiar. Esse tipo de atitude está lá em Apocalipse, último livro da Bíblia, mais exatamente no capítulo 3, versículos 15 e 16: “Conheço tuas obras: não és frio nem quente. Oxalá fosses frio ou quente! Mas, porque és morno, nem frio nem quente, estou para vomitar-te de minha boca”.

Merisio e Geovania

O pré-candidato do PSDB ao Governo do Estado, Gelson Merisio, fez uma visita a uma Igreja Evangélica acompanhado da presidente estadual de seu partido, a deputada federal Geovania de Sá. Uma fonte relatou que Merisio tem buscado através da líder tucana, aproximar o PSDB do governo interino de Daniela Reinehr (sem partido). O ex-vereador de Joinville, Rodrigo Fachini (PSDB), está sendo cotado para assumir a Secretaria de Estado da Assistência Social. Próximo a Geovania e do prefeito de Araquari, Clenilton Pereira (PSDB), atual presidente da Federação Catarinense de Municípios (Fecam), a nomeação de Fachini seria um gesto de Merisio em troca de apoio a Daniela. O atual secretário da pasta, Claudinei Marques, que renunciou ao mandato de vereador de Florianópolis para assumir o cargo, me disse ontem que não foi informada a sua saída.

A menina dos olhos

Se depender da governadora interina, Daniela Reinehr (sem partido), e de Gelson Merisio (PSDB), Paulo Eli não ficará à frente da Secretaria de Estado da Fazenda. Um nome cotado é o de Augusto Piazza, servidor de carreira do setor e, que inclusive, já foi o auditor geral do Estado. Ele é da total confiança de Merisio.

Caso Zimmermann

Ontem eu recebi a ligação do deputado federal, Coronel Armando (PSL), negando que teria apoiado o nome de Eduardo Zimmermann para o cargo de secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável. Armando disse que Zimmermann chegou a pedir o seu apoio na eleição à Prefeitura de Joinville, mas que declinou por entender que ele não estava preparado para o desafio. O deputado também me disse que se tivesse que indicar alguém para a SDS, que primeiro falaria com a ACIJ.

Reações

O caso Eduardo Zimmermann mostra que os bolsonaristas de Joinville estão pulverizados. Tem o grupo do deputado federal, Coronel Armando, o grupo do deputado estadual, Sargento Lima, além de um grupo mais independente, o que apoiou o nome de Zimmermann, inclusive, se manifestando após o anúncio de que ele estava cotado. Já integrantes da ACIJ se incomodaram com a possibilidade e chegaram a ligar para Armando pedindo uma explicação. “Me questionaram se eu havia apoiado a indicação do Eduardo”, me disse o parlamentar.

Napoleão na estrada

O ex-prefeito de Blumenau, Napoleão Bernardes (PSD), pré-candidato ao Governo do Estado, cumpre a partir de hoje uma agenda de uma semana no Oeste. Ao todo ele deve visitar 25 municípios. Napoleão foi incentivado por outros dois pré-candidatos do partido, o deputado Milton Hobus, e o ex-governador Raimundo Colombo. Em almoço na semana passada, mais uma vez ficou definido que o partido terá candidato ao Governo.

MDB

Na semana passada a executiva estadual do MDB se reuniu, para discutir o posicionamento do partido frente ao Governo do Estado, e também sobre a eleição. Tanto o senador Dário Berger, quanto o prefeito de Jaraguá do Sul, Antídio Lunelli, reforçaram que manterão as suas pré-candidaturas ao Governo do Estado. Ambos pediram uma posição mais forte do partido, para que a bancada estadual se afaste do governo interino de Daniela Reinehr, e também de Carlos Moisés da Silva (PSL) que poderá reassumir. O argumento é de que o partido precisa se tornar independente para construir o seu próprio projeto. A resposta dos deputados é de que seguirá tudo como está até o momento.

Não atendeu

A governadora interina Daniela Reinehr (sem partido) deixou os representantes da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), sem o devido atendimento. Os representantes do setor foram recebidos pelo chefe de gabinete e, somente foram informados de que havia ocorrido uma emergência que provocou a saída de Daniela. Vale destacar que emergência alguma foi registrada. O presidente da Abrasel, Raphael Dabdab, lamentou o fato, já que diversas ações seriam apresentadas para uma maior segurança aos clientes, durante o funcionamento do comércio, além de ações para a reparação financeira do setor.

Também não atendeu

A divulgação pela Assessoria de Imprensa da governadora interina, Daniela Reinehr (sem partido), de que ela recebeu no Centro Administrativo a Diretoria dos Oficiais Militares, revoltou os grupos dos praças. Daniela, que foi praça, ainda não marcou agenda com a Diretoria da Aprasc. Nos grupos de WhatsApp da associação, ao longo do final de semana, o clima ficou inflamado.

Vacinação fica mais lenta

O início do governo interino de Daniela Reinehr (sem partido) reduziu o ritmo da vacinação em Santa Catarina, mesmo com o Ministério da Saúde fazendo os maiores envios desde o início da campanha. A lentidão fez o estado cair de 9º para 12º lugar no ranking de percentual da população vacinada. O período de sete dias encerrado na última sexta-feira (10), teve uma média diária de 24,6 mil doses aplicadas, pouco acima da semana anterior que foi de 23,8. Mesmo assim, ainda está muito abaixo das 30,1 mil por dia aplicadas anteriormente.

Vacina da Influenza

A secretária de Estado da Saúde, Carmen Zanotto, e o presidente do Conselho de Secretários Municipais de Saúde de Santa Catarina (COSEMS), Daisson Trevisol, lançam hoje, a 23ª edição da Campanha de Vacinação contra a Gripe no estado. O ato está marcado para 9h, no Posto de Saúde Oficinas 1, em Tubarão. A campanha será realizada em todos os municípios catarinenses até o dia 9 de julho e, é importante para conscientizar a população a também se vacinar contra as gripes sazonais nesse momento de pandemia. Informações de bastidores é de que a escolha por Tubarão foi um gesto para tentar se aproximar do prefeito, Joares Ponticelli (Progressistas).

ATENÇÃO!!

Devido a um problema de memória do telefone, alguns contatos de pessoas que pediram para receber a coluna e demais informações foram perdidos. Se você pediu para receber via WhatsApp, mas não está recebendo, favor informar novamente o número. Obrigado!

Para seguir recebendo a coluna via WhatsApp, favor salvar o número: 49 98504.8148. Para quem ainda não recebe, favor enviar mensagem para o mesmo número.FAZER JORNALISMO COM INDEPENDÊNCIA CUSTA CARO. ASSINE O SCEMPAUTA E APOIE A CONTINUIDADE DE NOSSO TRABALHO!