...
Carlos Moisés da Silva Daniela Reinehr Gelson Merisio Geovânia de Sá Jorginho Mello Paulinho Bornhausen

Deputados garantem apoio político a Moisés; A briga pela tutela de Daniela; Carmen Zanotto responde hoje se assume a Saúde entre outros destaques

Para seguir recebendo a coluna via WhatsApp, favor salvar o número: 49 98504.8148. Para quem ainda não recebe, favor enviar mensagem para o mesmo número.

 

FAZER JORNALISMO COM INDEPENDÊNCIA CUSTA CARO. ASSINE O SCEMPAUTA E APOIE A CONTINUIDADE DE NOSSO TRABALHO!

Os vários atos que ocorreram ontem na Casa D’Agronômica atraíram cerca de 25 deputados, além de outras lideranças. Segundo uma fonte, para evitar aglomerações, os atos foram divididos por hora. Vale destacar a presença em momentos distintos, dos quatro deputados que votaram contrário ao prosseguimento do processo de impeachment contra o governador, Carlos Moisés da Silva (PSL), no caso, Marcos Vieira (PSDB), Valdir Cobalchini (MDB), Fabiano da Luz (PT) e José Milton Scheffer (Progressistas), que é o líder do governo no parlamento.

Moisés que será afastado hoje por até 120 dias, assinou a prorrogação da gratificação aos servidores da Saúde, também a Medida Provisória do Auxílio Emergencial que subsidiará empresas de pequeno porte e MEIs, além do anúncio de obras. Ao final, um pacote de segurança no valor de R$ 350 milhões também foi anunciado, o que inclui a compra de viaturas e armas.

Tão destacado quanto os anúncios, foi a demonstração de apoio político a Moisés. O presidente da Assembleia Legislativa Mauro De Nadal (MDB) sentou ao lado do hoje governador afastado. O prefeito de Chapecó, João Rodrigues (PSD), que é da mesma região de Daniela, fez questão de passar e dar um abraço em Moisés em sinal de apoio, enquanto os demais parlamentares foram a Casa D’Agronômica e não fizeram a mínima questão de esconder que ali estavam, afinal, a ida foi mais do que um prestigio aos atos, foi a garantia de que no campo político, Moisés tem apoio.

 

A guerra pela tutela

O meio político sabe que a hoje governadora interina, Daniela Reinehr (sem partido), não tem a mínima condição de governar Santa Catarina. Isso motivou uma briga nos bastidores pela tutela de Daniela, que parece disposta a tudo, até mesmo ser mandada, desde que possa desfilar como governadora. O ex-deputado estadual Gelson Merisio (PSD) ajudou nas articulações, inclusive com a movimentação que garantiu o voto do deputado, Laércio Schuster (PSB), que culminou com o afastamento de Carlos Moisés da Silva (PSL). Ontem, o senador Jorginho Mello (PL) a levou até o presidente Jair Bolsonaro (sem partido), e trabalha para ter o comando do governo. Ambos tem apresentado indicações no primeiro escalão.  Publicamente todos negam, mas o fato é que há muitos interesses no entorno da fraqueza de Daniela.

 

MDB independente

A bancada do MDB na Assembleia Legislativa não deve se aproximar da governadora interina, Daniela Reinehr (sem partido). Dois deputados me relataram que a ideia é ajudar o Estado dando governabilidade, mas sem qualquer apoio direto a ela. A explicação é que o MDB precisa pensar em seu projeto para o próximo ano, além de que apoiar Daniela, significa fortalecer o projeto de Gelson Merisio (PSDB), ou de Jorginho Mello (PL).

 

Geovania com Daniela

Em Brasília, a deputada federal Geovania de Sá (PSDB) aproveitou a presença de Daniela Reinehr (sem partido), que assume o Governo do Estado interinamente no dia de hoje, para fazer um pedido. A deputada sugeriu que Daniela estude a possibilidade de uma maior flexibilização para restaurantes e igrejas nos períodos noturnos e, aos finais de semana. Na foto, elas estão com a ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves. Questionada, Geovania negou qualquer aproximação com Daniela, dizendo que a conversa se limitou as pautas.

 

Tucanos X Bolsonaristas

A deputada federal Geovania de Sá, que é presidente estadual do PSDB, me disse que questionou o pré-candidato a governador do partido, Gelson Merisio, se ele realmente estava ajudando Daniela Reinehr (sem partido). Ele negou, mas o clima no ninho tucano é de descontentamento com as informações de aproximação entre Merisio e Daniela. Acontece que o PSDB catarinense aposta no projeto nacional do partido à Presidência da República, enquanto Daniela é Bolsonarista.

 

Bornhausen no jogo

O ex-deputado federal Paulinho Bornhausen (Podemos) agora nega, mas o fato é que ao lado de Gelson Merisio (PSDB), também atuou nos bastidores pró-Daniela Reinehr (sem partido) no processo de impeachment. Uma fonte ligada ao seu partido na condição de anonimato, me confirmou a informação. Paulinho estaria até mesmo, indicando nomes para o governo interino.

 

Zanotto na saúde

Conforme escrevi ontem, a deputada federal Carmen Zanotto (Cidadania) é cotada para assumir a Secretaria de Estado da Saúde. A possibilidade movimentou o cenário político e, a grande dúvida, é se Carmen aceitará um desafio que tem grande chance de não dar certo. Primeiro que o governo de Daniela Reinehr (sem partido) é interino e, pelos votos no julgamento da admissibilidade, Carlos Moisés da Silva (PSL) deve reassumir o Governo do Estado. Segundo, que as pautas ideológicas a exemplo do tratamento precoce contra o Coronavírus, teriam que ser adotadas, sendo que de acordo com a ciência, os medicamentos usados a exemplo da Cloroquina e da Ivermectina não funcionam. Vale lembrar que Carmen nunca foi a favor e, se aceitar, tem grande chance de manchar o seu respeitado currículo.

 

Reações

Após a informação que divulguei ontem sobre a possibilidade da deputada federal, Carmen Zanotto (Cidadania), assumir a Secretaria de Estado da Saúde, um integrante do Cidadania e assessor de Carmen deu a seguinte resposta ao ser questionado: “Especulação de uma certa imprensa motivada por um deputado lunático que é esse Jessé Lopes, estes bolsonaristas são uns doidos. É uma indelicadeza, não temos nenhuma relação com este sujeito”, escreveu via WhatsApp. Já a assessora de comunicação da parlamentar, Denise Lacerda, me disse que não conseguiu conversar com Carmen, porém, admitiu que houve o convite. “Acredito que a deputada deve estar pensando para se pronunciar amanhã”, informou. Pelo visto, a possibilidade de a deputada assumir o cargo no governo interino de Daniela, não é bem visto em seu partido.

 

Zanatta convidada

Quem também foi convidada a assumir cargo no governo interino de Daniela Reinehr (sem partido), foi a ex-candidata a prefeita de Criciúma, Júlia Zanatta (PL). Bolsonarista e amiga intima da família do presidente da República, Júlia teria sido sondada pela advogada Karina Kufa, que é próxima de Daniela. Foram duas hipóteses, uma para a Articulação Nacional e, outra para a Comunicação. Júlia não teria aceitado para se preparar para a eleição do próximo ano, já que é pré-candidata a deputada estadual, ou a federal.

 

Indicação

O ex-diretor de Comunicação da Câmara de Vereadores de Florianópolis, Thiago Santaella, teria voltado a trabalhar para o ex-deputado estadual, Gelson Merisio (PSDB). Eles se conheceram quando Santaella integrou a comunicação da Assembleia Legislativa, quando Merisio foi presidente. Corre nos bastidores que Thiago pode ser indicado para a Comunicação do governo interino.

 

Lima quer indicar

Corre nos bastidores sem uma confirmação oficial, que o deputado estadual Sargento Lima (PL), quer indicar o novo comandante da Polícia Militar. As conversas seguem e o grande empecilho seria a não aceitação dos oficiais, de que a indicação seja feita por um praça.

 

​Esmeraldino sai

O secretário da Articulação Nacional, Lucas Esmeraldino, colocou ontem o seu cargo à disposição do hoje governador afastado, Carlos Moisés da Silva (PSL). Esmeraldino não aceitou ficar no governo interino de Daniela, muito embora, ele sabia que seria exonerado e se antecipou.

 

Buligon fica

O secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico, Luciano Buligon, permanecerá no cargo. Ontem ele conversou com o agora governador afastado, Carlos Moisés da Silva (PSL), que sugeriu a Buligon que fique no cargo para ajudar na governabilidade.

 

Crédito

O governador Carlos Moisés da Silva (PSL) autorizou a criação de linhas de auxílio emergencial a micro e pequenos empreendedores impactados pela pandemia de Covid-19. Os financiamentos ocorrerão por meio do Badesc e do BRDE. Ao todo, o montante disponibilizado será de R$ 1,5 bilhão. O Governo do Estado arcará com as taxas de juros, em um investimento de aproximadamente R$ 250 milhões. De forma prática, os empreendedores poderão aderir aos financiamentos com uma carência de 12 meses para pagamento, juro zero e, 36 meses para amortização. Os microempreendedores individuais (MEIs) poderão solicitar até R$ 10 mil, enquanto os micro e pequenos empreendedores terão direito a até R$ 100 mil. Como contrapartida ao auxílio, os empresários precisarão manter os atuais níveis de emprego em seus estabelecimentos durante o período de carência.

 

Fórum parlamentar

A governadora interina, Daniela Reinehr (sem partido), participou em Brasília, de reunião do Fórum Parlamentar Catarinense com o presidente Jair Bolsonaro (sem partido). Além dos senadores e deputados federais, o encontro realizado no Palácio do Planalto contou com a participação do novo ministro da Saúde, Marcelo Queiroga. O encontro foi pautado por dois pilares principais: saúde e infraestrutura. Para o coordenador do Fórum, deputado federal Daniel Freitas (PSL), a reunião foi importante para manter o alinhamento da bancada no foco destas duas áreas elencadas como prioritárias.

Para seguir recebendo a coluna via WhatsApp, favor salvar o número: 49 98504.8148. Para quem ainda não recebe, favor enviar mensagem para o mesmo número.

 

FAZER JORNALISMO COM INDEPENDÊNCIA CUSTA CARO. ASSINE O SCEMPAUTA E APOIE A CONTINUIDADE DE NOSSO TRABALHO!