...

Adepol envia nota de apoio ao trabalho da Polícia Civil de Santa Catarina na operação O2

A Associação dos Delegados de Polícia Civil do Estado de Santa Catarina (ADEPOL-SC), por ocasião da deflagração da operação Oxigênio (O2), vem a público se manifestar no sentido de afirmar que a Polícia Civil, instituição cuja atribuição constitucional é apurar infrações penais sob a coordenação de Delegados de Polícia, jamais colocará os interesses pessoais ou particulares de quem quer que seja à frente dos interesses públicos.

Desta forma, de maneira nenhuma realizará a proteção de qualquer cidadão ou agente público das consequências de atos que tenham sido praticados de maneira ilícita, sobretudo em se tratando de crimes contra a administração pública.

Colocar sob suspeição o trabalho da Polícia Civil, em qualquer esfera, é desmerecer uma instituição bicentenária que se mostra imparcial e destituída de interesses outros que não estejam comprometidos com a verdade dos fatos.

As declarações veiculadas na imprensa e nas redes sociais, em tom de suspeição acerca da lisura das investigações levadas a efeito pela Polícia Civil através da Diretoria Estadual de Investigações Criminais (DEIC), atingem não apenas a moral dos Delegados de Polícia, como também da própria Polícia Civil Catarinense.

A ADEPOL-SC repudia veementemente manifestações desta natureza e reforça o compromisso de Delegados e Delegadas da Polícia Civil Catarinense, ombreados por suas valorosas equipes, de continuar a desempenhar suas atividades em prol da busca da verdade, sempre respeitando os pilares democráticos e levando em consideração a investigação técnica e imparcial, atribuição que é constitucionalmente assegurada a esse órgão.

Os Delegados de Polícia jamais se intimidarão por eventuais manifestações na mídia ou político-partidárias que busquem desqualificar a atuação ou a imagem da Polícia Civil. Diante de todo o exposto, a ADEPOL-SC reitera sua confiança na competência e lisura das autoridades policiais e demais integrantes da força-tarefa, assim como parabeniza a todos os policiais civis e demais servidores envolvidos na Operação O2 (Oxigênio), a qual já apresenta excelentes resultados em prol da moralidade pública e da sociedade catarinense” – Rodrigo Falck Bortolini – Presidente da ADEPOL-SC

 

Nota do SCemPauta

Não posso aqui falar sobre qualquer manifestação contra a Polícia Civil, seja nos veículos de imprensa, ou nas redes sociais. Porém, sei que houve uma insatisfação em relação ao SCemPauta, devido a uma nota que escrevi durante o final de semana sobre uma reunião do colegiado do Governo do Estado, com o governador Carlos Moisés da Silva (PSL), logo após a operação Oxigênio. Através de uma fonte, soube da participação de integrantes do primeiro escalão e, que o delegado geral da Polícia Civil, Paulo Koerich, havia conversado com o governador, mas, não citei detalhes por não ter tido acesso a essa informação. De forma alguma fiz qualquer ilação e, nem tive a intenção de colocar em suspeição o trabalho dele, ou de qualquer um da Polícia Civil.

Sabendo da insatisfação que foi grande da parte de Koerich, publiquei uma nota em que ele negava veementemente ter passado qualquer informação para proteger A ou B, segundo me disse um interlocutor, por isso me surpreendi com a nota a qual publico agora.

O que é fato

Em tempos como esse ao qual passamos, os ânimos ficam a flor da pele, agora, não é razoável encontrar problema onde não existe. Em momento algum, fiz qualquer ilação ou levantei qualquer suspeita em relação ao trabalho da Polícia Civil. Onde está o texto, onde eu teria dito que houve a proteção a interesses particulares, antes do que realmente importa, que é o interesse público?

Não vão encontrar, pelo seguinte motivo: O SCemPauta é um dos sites mais lidos de Santa Catarina e, já temos bons número de acessos de outros estados também. Isso somente reforça um sentimento que sempre norteou o meu trabalho, que é o da responsabilidade, então, eu nunca seria leviano ao ponto de levantar ilações contra uma pessoa ou qualquer instituição.

Também é preciso dizer, que tenho muitos bons amigos tanto na Polícia Militar, Civil e Federal e, eu sei muito bem da seriedade das três esferas policiais. Falo de pessoas sérias, de conduta ilibada e que se entregam ao trabalho que é uma verdadeira missão. Inclusive, conheço alguns que infelizmente já foram prejudicados por questões políticas, da parte de quem não respeita a importância dessas instituições.

Sempre fui um defensor do trabalho das policiais, sempre. Sempre estive ao lado da segurança pública e, desafio qualquer um a provar o contrário. Sempre apoiei as pautas dos policiais, sejam delegados, oficiais, ou não, inclusive, na discussão da reforma da previdência estadual. Na esteira disso, sempre apoiei que os policiais sejam mais valorizados, tenham melhores condições de trabalho e, mais, sempre pedi e continuarei a pedir, que a sociedade apoie o trabalho do setor de segurança pública.

Portanto, meus caros, afirmo com a consciência tranquila, que é desproporcional o sentimento gerado por uma simples nota, que em momento algum atribuiu qualquer ilegalidade da parte do delegado Paulo Koerich, ou de qualquer outro integrante da Polícia. Ninguém me imputará essa pecha, de atacar o importante trabalho policial e, muito menos, o exagero de dizer que coloquei em suspeição, que desmereci, ou que tentei intimidar o trabalho sério que realizam. Qual seria a explicação lógica para que eu cometesse tal absurdo?

Portanto, como puderam ver, a nota da Adepol está publicada, pois é um direito de todos se manifestar. Por outro lado, fica o meu protesto pela criação de uma celeuma que em momento algum, tive a intenção de criar.

Vida longa às policiais que atuam em Santa Catarina, pois é de instituições sérias como vocês que a sociedade precisa, sobretudo no importante trabalho que realizam há muitos anos.