...
Alesc Carlos Moisés da Silva Dário Berger Esperidião Amin Jair Bolsonaro João Rodrigues Jorginho Mello Luciano Hang

Possível aliança de João e Hang teve a bênção de Bolsonaro; Tensão entre deputados e governador; Os apoiados por Gean entre outros destaques

  Agora estamos nas redes sociais. Segue lá!
 
Instagram: @scempauta
 
Twitter:  @scempauta
 
https://www.facebook.com/scempauta

Para receber a coluna via WhatsApp, favor enviar mensagem com o seu nome e cidade e salvar o número: 49 98504.8148. Faça parte da lista de transmissão do site que todo mundo lê.

Bolsonaro e Amin construíram a ida de Hang para o Progressistas

Mesmo com o não, do prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro (PSDB), o prefeito de Chapecó, João Rodrigues (PSD), segue como um possível pré-candidato ao Governo do Estado. Ontem uma conversa com o empresário Luciano Hang e outros telefonemas, fizeram o prefeito manter o nome no cenário.

Amanhã Rodrigues estará em Florianópolis a convite de algumas lideranças políticas, que apresentaram opções para vice, sendo que um desses nomes que está sendo guardado à sete chaves, seria o que fontes definiram como “muito forte”. Se realmente é, somente saberemos se, ou quando for anunciado.

Por sua vez, Luciano Hang deve chegar ao Brasil amanhã de sua viagem familiar à Itália. As apostas informais se dividem entre a manutenção do dono da Havan no cenário, e os que não acreditam na sua candidatura. Acontece que um bastidor revela que pelo menos a intenção é real, pois, o projeto da superaliança teve a bênção do presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), em um movimento que começou com o senador, Esperidião Amin, que ofereceu o Progressistas para Hang se filiar e disputar ao Senado.

As fontes com quem conversei afirmam que não se trata de qualquer traição de Bolsonaro a Jorginho, com quem tem boa relação e reconhece o apoio que tem recebido do catarinense no Senado, mas, o fato é que o presidente gostou da ideia de ter um palanque ampliado em Santa Catarina, que contaria com mais partidos e que seria liderado por duas pessoas em que confia, no caso, Luciano Hang e João Rodrigues. Bolsonaro chegou a falar com o presidente de fato do Progressistas, Ciro Nogueira, atual ministro chefe da Casa Civil, pedindo para que ele abrisse as portas do partido para Hang, como forma de viabilizar o projeto. E assim começou o desenho da dita superaliança.

Decepção

Algumas lideranças tucanas se disseram decepcionadas com o não do prefeito de Criciúma, Clésio Salvaro (PSDB), ao projeto estadual com o prefeito de Chapecó, João Rodrigues (PSD). Um dos maiores questionamentos foi quanto ao fato de Salvaro ter ido até Chapecó, mesmo já decidido a não disputar a eleição. “Ele tentou valorizar, poderia ter saído desde o início e dado apoio. Gerou uma expectativa, apenas”, afirmou.

Reunião

A reunião estadual do PSDB que aconteceu ontem, durou cerca de quatro horas, foi tensa e, não teve nenhum encaminhamento. O partido segue com Vinícius Lummertz e o ex-governador, Leonel Pavan, como pré-candidatos ao Governo do Estado. Enquanto Pavan deseja ser vice do PSD com uma chapa com Raimundo Colombo, Lummertz defende que os tucanos tenham candidatura própria e que, se tiverem que se unir a algum projeto, que seja no segundo turno.

Virada de mesa

Lideranças que participaram da reunião, relataram que a deputada federal, Geovânia de Sá, fez uma clara defesa à uma virada de mesa no PSDB nacional. Segundo os relatos, Geovânia teria detonado as prévias, dizendo que o jogo tem que recomeçar do zero. O fato é que apoiar a tentativa de Eduardo Leite de jogar fora das regras já acertadas para o jogo, demonstra que o PSDB não pode ser considerado um partido tão democrático assim, caso aceite o que poderia ser chamado de golpe, sem contar o gasto com as tais prévias que, por causa de um erro amador, contribuiu para a má gastança com dinheiro público.

Tensão na Alesc

Há uma grande insatisfação na Assembleia Legislativa com o governador, Carlos Moisés da Silva (Republicanos). A reclamação é que ele se amarrou com os prefeitos através do Plano 1000 e, trancou a liberação de recursos via os deputados. Um parlamentar chegou a acusar o secretário de Estado da Fazenda, Paulo Eli, de tirar 40 dias de férias de propósito para brecar os pagamentos. Para retalhar o governo, os deputados devem derrubar os vetos em relação ao ICMS. O único item que não tem a garantia de ser derrubado, é quanto ao imposto das bebidas que interessa aos bares e restaurantes, por falta de consenso na Alesc. A bancada do MDB é uma que, a princípio, deve votar pela manutenção do veto. “A Assembleia somente vai derrubar se quiser dar o troco no Moisés, por causa dos pagamentos”, me confidenciou uma fonte. A votação acontece hoje.

Apoiados por Gean

O prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (UB), realizou uma reunião ontem à noite no Lira Tênis Clube, com os comissionados. Gean agradeceu e se despediu de todos, já que renunciará amanhã por ser pré-candidato a governador. Durante a sua fala, Gean anunciou que os nomes apoiados pelo governo municipal para a Câmara dos Deputados serão o do secretário, Ed Pereira, além de Paulinho Bornhausen e da secretária adjunta de Turismo, Roseli Pereira. Para estadual, o deputado estadual Júlio Garcia (PSD), e o atual secretário da Fazenda, Constâncio Maciel. A campanha de Paulinho será coordenada pelo secretário Ronaldo Freire, enquanto a de Garcia deve ter a coordenação do ex-vereador, Fábio Braga. Uma informação que corre nos bastidores é que Cintia Loureiro (UB) pode vir a ser anunciada a estadual, no lugar de Constâncio, porém, nada ainda confirmado oficialmente.

Gesto ao MDB

O senador, Jorginho Mello (PL), deverá abrir espaço no próximo mês para Ivete Appel da Silveira (MDB). A informação é que ela aproveitará para anunciar o seu apoio a Jorginho na eleição ao Governo do Estado. O senador quer chamar a atenção do MDB para fugir do isolamento e, mostrar que se os emedebistas o ajudarem a se eleger, ganharão uma cadeira no Senado.

Desburocratizando

Com aprovação do seu Conselho Pleno, a OAB/SC lançou uma campanha para conscientizar órgãos públicos no Estado sobre a prerrogativa da fé pública que a advocacia detém, o que desobriga a necessidade de reconhecimento de firma ou de apresentação de procuração pública para o exercício profissional e acesso a autos administrativos ou judiciais. A campanha “Procuração na mão, reconhecimento de firma não! ” foi elaborada com base em previsão do Estatuto da Advocacia (Lei 8.906/94, artigo 5°). A presidente da OAB/SC, Cláudia Prudêncio, destaca que é cotidiano o impedimento de profissionais nestas situações, o que prejudica a cidadania e a representação de cidadãos. A OAB/SC também aguarda a sanção de projeto de lei estadual aprovado pela Assembleia que confere poderes aos advogados constituídos para autenticar cópias reprográficas de documentos em processos administrativos em repartições estaduais, desburocratizando os processos.

Para receber a coluna via WhatsApp, favor enviar mensagem com o seu nome e cidade e salvar o número: 49 98504.8148. Faça parte da lista de transmissão do site que todo mundo lê.

  Agora estamos nas redes sociais. Segue lá!
 
Instagram: @scempauta
 
Twitter:  @scempauta
 
https://www.facebook.com/scempauta