...

O descontentamento da ala militar de Moisés com as vaias; MDB preocupado com a falta de candidatos; Arrecadação de SC teve crescimento real de 6,7% entre outros destaques

  Agora estamos nas redes sociais. Segue lá!
 
Instagram: @scempauta
 
Twitter:  @scempauta
 
https://www.facebook.com/scempauta

Para receber a coluna via WhatsApp, favor enviar mensagem com o seu nome e cidade e salvar o número: 49 98504.8148. Faça parte da lista de transmissão do site que todo mundo lê.

O MDB segue com a sua sequência de movimentos visando a eleição de outubro. O seu pré-candidato a governador, Antídio Lunelli, busca se viabilizar através da construção de uma aliança que torne o seu projeto viável e, tire os emedebistas do isolamento. Para chegar ao objetivo, ele acompanhado do presidente estadual do MDB, deputado Celso Maldaner, se reuniu com o também pré-candidato ao Governo do Estado, prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (UB).

Conforme relatou o colega Upiara Bosch, o encontro teve como motivação o acordo nacional firmado pelo MDB com a União Brasil e o PSDB, porém, a situação não empolgou às demais lideranças emedebistas. O próprio Gean, que está aberto ao diálogo, segundo pessoas próximas, não estaria disposto a ser vice de Antídio, pois ele deseja liderar o processo.

O fato é que Antídio Lunelli segue trabalhando por um projeto em que poderá estar só. Não publicamente, mas de fato, pois, muitas lideranças de seu partido devem se dedicar aos seus projetos de eleição e reeleição, deixando a majoritária para segundo plano. Hoje mais que a eleição ao Governo, a proporcional se tornou uma preocupação real dentro do MDB, pela falta de nomes de peso para a disputa a deputado federal e estadual, situação que pode atrapalhar quem busca a reeleição.

Em falar na bancada, uma informação não confirmada oficialmente é de que os deputados estaduais do MDB, pediram uma reunião com o governador, Carlos Moisés da Silva (Republicanos), para o dia de hoje. Além de falarem sobre o cenário, os parlamentares poderão apresentar a insatisfação que estão sentindo em relação a deputada estadual, Ana Paula da Silva, a Paulinha (sem partido). Acontece que segundo fontes emedebistas, ela estaria cooptando prefeitos do MDB através de recursos aos municípios. A irritação é tão grande, que os deputados rechaçam qualquer possibilidade de Paulinha vir a se filiar ao partido, sob a acusação de que ela desagregaria o grupo. Outro partido que também não abrirá as portas para a deputada, é o Podemos.

O Jogo do Poder

Hoje o senador, Dário Berger, será um dos entrevistados do programa O Jogo do Poder, nas rádios Jovem Pan News de Florianópolis 103,3 FM, e Jovem Pan News de Criciúma 101,5 FM. O programa começa às 16h. Além de ouvir pelo rádio, você também pode assistir pela Panflix, ou pelo perfil Jovem Pan Floripa no Youtube.

Não pegou bem

Lideranças do PSD não viram com bons olhos a aproximação do prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (UB), com o MDB. A cobrança se deve ao fato de que Loureiro tem um projeto desenhado com o PSD, a União Brasil e alguns outros partidos. Se quiser manter os pessedistas por perto, Gean terá que dar boas explicações.

Ala militar contrariada

Após as vaias ao governador, Carlos Moisés da Silva (Republicanos), que constrangeram todo o Governo do Estado, integrantes da ala militar se mostraram nos bastidores, contrariados com a deputada estadual, Ana Paula da Silva, a Paulinha (sem partido). A leitura feita é que Moisés foi iludido de que seria ovacionado pela população presente, porém, o que se viu foi totalmente diferente, vaias, cobranças em relação aos R$ 33 milhões da Veigamed e xingamentos. Nos próximos dias o governador deverá receber alguns apelos para que Paulinha não assuma a liderança do governo na Assembleia Legislativa. “O núcleo do governo tem resistência de falar para Moisés, mas desconfiam dos movimentos da Paulinha que trabalha só para ela, não para o grupo”, relatou uma fonte. Além disso, também foi motivo de descontentamento o silêncio de Paulinha, possível futura líder, em relação as críticas do deputado, Bruno Souza (Novo), em relação ao uso de um avião por Moisés para ir a Brasília.

Quem mandará

Após a saída de Eron Giordani do cargo de chefe da Casa Civil, o seu adjunto, Juliano Chiodelli, deverá ser alçado ao comando da secretaria. Acontece que ficará nas mãos de Chiodelli a parte burocrática, pois as ordens partirão do coronel, Márcio Ferreira, lá do gabinete do governador, Carlos Moisés da Silva (Republicanos).

Bronca com Paulinho

Após ter deixado o Podemos, Paulinho Bornhausen se filiará ao PSD para disputar uma vaga à Câmara dos Deputados. Acontece que a saída de Paulinho, do Podemos, deixou marcas, sobretudo na direção nacional. A presidente do partido, Renata Abreu, a pedido de Paulinho, não aceitou receber o governador Carlos Moisés da Silva (Republicanos) na sigla. Moisés chegou a pedir a Renata para se filiar, mas ela segurou para agradar a Bornhausen, que levará para a União Brasil o grupo que o acompanhava no Podemos.

Décio responde a Jorginho

O senador Jorginho Mello (PL) recomendou ao ex-presidente, Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que não venha a Santa Catarina, pois não será bem recebido. O presidente estadual do PT, Décio Lima, gravou um vídeo respondendo ao senador, afirmando que “Santa Catarina não tem dono”. Lima disse que Lula virá ao estado e que será bem recebido, pois, segundo Décio, aqui a democracia é respeitada.

Formando chapa

Quem anda trabalhando nos bastidores é o ex-deputado estadual, Gelson Merisio (sem partido). Ele quer eleger pelo menos, dois deputados estaduais pelo Solidariedade. Uma fonte destacou que Merisio não irá economizar, injetará força nos nomes os quais deseja eleger.

Arrecadação

Santa Catarina arrecadou R$ 4,03 bilhões entre 1º e 28 de fevereiro, repetindo praticamente o mesmo desempenho registrado em janeiro. Descontada a inflação de 10% (IPCA) e cerca de R$ 700 milhões de ICMS, postergados no ano passado que entraram no caixa estadual em fevereiro passado, houve crescimento real de 6,7% na comparação com fevereiro de 2021. Analisando somente os números do ICMS, o Estado arrecadou R$ 3,28 bilhões, superando a inflação em 10%. “A economia de Santa Catarina é hoje uma das mais saudáveis do País, o que é resultado da aplicação de políticas tributárias coerentes num processo conduzido pelo Fisco há duas décadas”, analisa o auditor fiscal José Antônio Farenzena, presidente do Sindicato dos Fiscais da Fazenda do Estado de Santa Catarina (Sindifisco/SC).

Efeitos da guerra

A análise do Sindifisco/SC mostra que a tendência é de que a arrecadação média do ICMS se mantenha em R$ 2,6 bilhões mensais ao longo do ano, com tendência positiva. Já a arrecadação total, que considera os repasses da União e impostos como o IPVA e o ITCMD, deve se manter na casa dos R$ 3,6 bilhões mensais. “Este cenário pode mudar com a guerra da Rússia com a Ucrânia, o que é motivo de preocupação para o mundo inteiro”, alerta o diretor de Políticas e Ações Sindicais do Sindifisco/SC, auditor fiscal Sérgio Pinetti.

Angela preside

A deputada federal, Angela Amin, assumiu o diretório do Progressistas em Florianópolis. A escolha ocorreu por aclamação em convenção realizada na capital e, marcou a primeira posse de uma mulher no cargo.  “Com muita dedicação vou trabalhar pelo fortalecimento do partido na cidade. Sei que nosso alinhamento será fundamental para o bom resultado no pleito estadual e, estou confiante de que estaremos fortes e unidos”, afirmou Angela.

Ed em São Paulo

O vereador licenciado de Florianópolis e atual secretário de Cultura da Capital, Ed Pereira, esteve em São Paulo onde se encontrou com o presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab. A entrevista que o prefeito Gean Loureiro (UB) me concedeu acendeu a luz de alerta para Pereira, que é pré-candidato a deputado federal e busca um partido para um projeto viável. Mesmo com a conversa com Kassab, Pereira jura fidelidade total à Loureiro.

Portos

O setor empresarial catarinense defende a concessão do Porto de Itajaí, conforme previsto pelo Governo Federal. O posicionamento foi definido na manhã de ontem pelas entidades integrantes do Conselho das Federações Empresariais de Santa Catarina (COFEM), no caso, a Federação das Associações Empresariais (FACISC), Federação das Indústrias (FIESC), do Comércio (FECOMÉRCIO), da Agricultura (FAESC), dos Transportes (FETRANCESC), das Câmaras de Dirigentes Lojistas (FCDL), das Micro e Pequenas Empresas (FAMPESC), além do Sebrae-SC. A manifestação das entidades empresariais será enviada ao ministro dos Transportes, Tarcísio de Freitas, com o objetivo de mostrar apoio ao projeto de desestatização, que está em fase de consulta pública.

Concessão é fundamental

As entidades poderiam aproveitar e fazer o mesmo movimento de desestatização do Porto de São Francisco do Sul. Sobre Itajaí, os representantes das entidades que formam o COFEM, consideram que a concessão é fundamental para garantir a competitividade do porto, ao incorporar boas práticas, experiência e novas ideias, com redução de custos, aumento da eficiência e segurança na movimentação de cargas, sem as quais o porto perderá participação de mercado.

Para receber a coluna via WhatsApp, favor enviar mensagem com o seu nome e cidade e salvar o número: 49 98504.8148. Faça parte da lista de transmissão do site que todo mundo lê.

  Agora estamos nas redes sociais. Segue lá!
 
Instagram: @scempauta
 
Twitter:  @scempauta
 
https://www.facebook.com/scempauta

XX