Antídio Lunelli Carlos Moisés da Silva Dário Berger Décio Lima Esperidião Amin João Rodrigues Jorginho Mello Luciano Hang Pesquisa do SCemPauta Pesquisa do site SC em Pauta Pesquisa eleitoral em Santa Catarina Raimundo Colombo SC em Pauta SCemPauta

Pesquisa ao Governo: Análise do cenário em Santa Catarina

 
  Agora estamos nas redes sociais. Segue lá!
 
Instagram: @scempauta
 
Twitter:  @scempauta
 
https://www.facebook.com/scempauta

Para receber a coluna via WhatsApp, favor enviar mensagem com o seu nome e cidade e salvar o número: 49 98504.8148. Faça parte da lista de transmissão do site que todo mundo lê.

Ontem divulguei a primeira pesquisa do ano sobre as intenções de voto ao Governo do Estado. O levantamento realizado pelo Instituto de Pesquisa Catarinense (IPC) nos trouxe o cenário atual, ou seja, as pesquisas expressam o sentimento do eleitor no momento, situação que lá na frente pode continuar igual, ou apresentar grandes mudanças.

O fato é que o eleitor catarinense em sua imensa maioria está indeciso, tanto que na espontânea, 65% das pessoas entrevistadas se mostraram indecisas, enquanto 4,3% disseram que não votarão nos nomes que estão no cenário. Isso quer dizer que, há muito campo para ser conquistado pelos postulantes à Casa D’Agronômica.

A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral e no Tribunal Superior Eleitoral com o número de registro: SC-07391/2022 e nº BR-09869/2022. Foram ouvidas 1.502 pessoas em todas as regiões do estado entre os dias 03 e 9 de março e, a margem de erro é de 2,5% para mais ou para menos. O nível de confiança é de 95%.

Carlos Moisés

O governador Carlos Moisés da Silva (Republicanos) lidera nos dois cenários gerais. Na espontânea aparece com 7,7%, enquanto que na estimulada a liderança chega à casa dos 15%. Os percentuais deixam claro que apesar de estar em primeiro, não empolga o eleitorado, pois, apesar de ter conquistado boa parte dos políticos, Moisés ainda não conseguiu fazer com que isso chegue às ruas. Outro ponto de preocupação para o governador é o alto percentual de indecisos, o que mostra que essas pessoas não estão convencidas a votar pela sua reeleição, ou seja, podem até votar, mas hoje ele não seria uma opção, pois se estivessem satisfeitas com o seu governo, já estariam decididas. Outro motivo para preocupação é a rejeição, que chega à casa dos 22%. Se por um lado é natural do cargo ter a maior rejeição, por outro, estamos falando de um percentual considerável.

Antídio Lunelli

O prefeito de Jaraguá do Sul aparece em segundo na pesquisa espontânea com 3,7%, enquanto que na estimulada cai para o nono lugar com 4,7%. Isso quer dizer que o eleitor lembra de seu nome, mas quando confrontado com outros postulantes, o emedebista vira uma segunda ou terceira opção. Apesar de necessitar de mais capilaridade, mostra que tem um bom potencial de crescimento, dada a sua rejeição que é de apenas 1,1%. Se por um lado é bom ser rejeitado por poucos, por outro, também é um fator de preocupação, pois mostra que ainda não é muito conhecido pelo eleitorado catarinense.

Jorginho Mello

O senador Jorginho Mello (PL) aparece bem no cenário e começa a ver os efeitos de sua relação mais próxima com o presidente da República, Jair Bolsonaro (PL). Mesmo assim, na espontânea se viu atrás do governador Carlos Moisés da Silva (Republicanos) e de Antíio Lunelli (MDB). Apesar do empate técnico, perde para o emedebista por apenas 0,2%. Na estimulada também aparece em terceiro, perdendo para o empresário, Luciano Hang (sem partido), que aparece em segundo lugar com 9,6%. Se por um lado, uma candidatura de Hang ao governo é algo quase improvável, até porque ele disputará ao Senado pelo partido de Jorginho, por outro, acende o sinal de alerta para o senador, pois o cenário mostra que se tiver outro bolsonarista na disputa, ele poderá não ser o preferido. A rejeição de Jorginho não está entre as menores, mas também não chega no grupo dos mais rejeitados. É de 1,7%.

Luciano Hang

O dono da Havan não é tão lembrado na espontânea, só teve 1,1% das intenções de voto, porém, quando tem o nome apresentado na estimulada, salta para 9,6% surpreendendo o cenário. Apesar do potencial demonstrado na pesquisa, Luciano Hang que se filiará ao PL do senador, Jorginho Mello, não pensa na Casa D’Agronômica, o seu projeto é disputar ao Senado. Um fato que deve acender o sinal de alerta para Hang, é que ele aparece como o quarto mais rejeitado com 5,5%.

João Rodrigues

O prefeito de Chapecó retirou o seu nome da disputa há alguns meses, mesmo assim, apareceu na pesquisa espontânea em quarto com 2,9%, em empate técnico com Antídio Lunelli (MDB) e Jorginho Mello (PL). Como a pesquisa de campo foi realizada entre 3 e 9 deste mês, Rodrigues não apareceu para o eleitorado como um pré-candidato de fato, pois a notícia divulgada em primeira mão pela minha coluna de que ele estava voltando para o jogo, foi publicada justamente no dia 9. Isso mostra que se realmente se colocar como pré-candidato, Rodrigues apresenta um grande potencial de crescimento, inclusive junto ao eleitorado bolsonarista. Na estimulada o prefeito também aparece entre os primeiros, em quinto lugar com 8,1% das intenções de voto, perdendo por apenas 0,6% para o seu colega de partido, o ex-governador Raimundo Colombo, que já está há alguns meses no cenário. Outro fator importante para Rodrigues é a sua baixa rejeição, que ficou em 0,7%.

Raimundo Colombo

O ex-governador também se mostra viável no cenário, já que na espontânea aparece como o quinto mais lembrado com 2,8% das intenções de voto. O problema para Colombo é que ele ganha dentro de casa um adversário de peso, que é o prefeito de Chapecó, João Rodrigues, que na espontânea está a sua frente com 2,9%. Apesar da pouquíssima diferença, vale lembrar que Colombo está há meses no cenário, enquanto que o prefeito de Chapecó estava fora. Já na estimulada, Raimundo Colombo passa Rodrigues e aparece em quarto com 8,7%, ou seja, 0,6% a mais que Rodrigues. Para quem já foi governador em dois mandatos, Colombo aparece com uma boa aceitação frente ao eleitor, apesar de ser o sexto mais rejeitado com 3,7%.

Gean Loureiro

O prefeito de Florianópolis que tem um partido poderoso em fundo eleitoral e tempo de rádio e TV, é o sexto mais lembrado na pesquisa espontânea com 2,2%. Quando vai para a estimulada, Gean Loureiro é o sexto colocado com 7% das intenções de voto. Já quanto a rejeição, é de 1,7%, ficando num percentual que não atrapalha tanto o seu projeto, apesar que falta capilaridade ao prefeito da Capital. Tem potencial de crescimento, mas precisará construir.

Esperidião Amin

O senador Esperidião Amin (Progressistas) que, ao contrário de 2018, hoje se mantém como pré-candidato ao Governo do Estado somente para não deixar o seu partido sem um nome, foi o sétimo mais lembrado com 1,9% das intenções de voto na espontânea. Na pesquisa estimulada sobe para sexto, passando de Gean Loureiro, chegando a 7,1%. O problema de Amin é a rejeição, já que ficou em terceiro como o mais rejeitado por 10,7% dos entrevistados. Mesmo assim, pelo percentual da estimulada, o lado em que Amin pender, poderá sentir uma boa diferença.

Dário Berger

O senador que está prestes a se filiar ao PSB, aparece na espontânea com apenas 0,8% das intenções de voto. Se por um lado é muito pouco para quem pretende liderar uma aliança de esquerda, por outro, Dário aparece à frente de Décio Lima (PT), que teve apenas 0,7% das intenções. Já na estimulada, Dário perde para o petista, aparecendo em 10º com 3,5% das intenções. Ele é o quinto mais rejeitado com 4,3% neste quesito, estando muito melhor que Décio Lima.

Décio Lima

O líder petista no estado sente na pesquisa que o antipetismo ainda é considerável em Santa Catarina. Na espontânea foi lembrado por apenas 0,7% dos entrevistados, enquanto que na estimulada melhorou o seu desempenho chegando a 5,1%, desbancando nomes como Antídio Lunelli (MDB) e Dário Berger. O problema para Décio é que ele é o segundo mais rejeitado, tendo sido apontado por 15% dos entrevistados, só ganhando do governador, Carlos Moisés da Silva (Republicanos), que apresenta a maior rejeição. Na briga por espaço com Berger, além de um acordo que deve vir de cima para baixo, os números da pesquisa também devem influenciar a decisão a favor do senador. Um detalhe: na espontânea a citação “alguém do PT” teve 0,2%.

Os demais

Odair Tramontin (Novo) 0,7%, Fabrício Oliveira (Podemos) 0,5%, Jorge Boeira (sem partido) 0,3%, Napoleão Bernardes (PSD) 0,3%, Joares Ponticelli 0,3%, Gelson Merisio (sem partido) 0,3% e Clésio Salvaro (PSDB) 0,2%. Além deles, Leonel Pavan (PSDB) 0,1%, Mauro Mariani (MDB) 0,1%, Carmen Zanotto (Cidadania) 0,1%, Fernando Coruja (PDT) 0,1% e Vinícius Lummertz (PSDB) com 0,1% completam a lista.

Cenários

O governador Carlos Moisés da Silva (Republicanos) e o senador, Jorginho Mello (PL), polarizaram quando foram apresentados cinco cenários com cinco nomes cada. Todos praticamente terminaram com empate técnico. O que chama a atenção é que a opção “nenhum deles”, também se mostrou alta, no mesmo patamar ou até superior ás intenções de voto.

Presidente e Senado

Hoje às 15h divulgarei as pesquisas para o Senado e Presidência da República, além de uma avaliação do governo de Jair Bolsonaro (PL).

Análise

Hoje no programa O Jogo do Poder, nas rádios Jovem Pan News de Florianópolis 103,3 FM, e Jovem Pan News de Criciúma 101,5 FM, Maria Helena, Maga Stopassoli e eu, Marcelo Lula, faremos a análise das pesquisas e do cenário. O programa começa às 16h. Além de ouvir pelo rádio, você também pode assistir pela Panflix, ou pelo perfil Jovem Pan Floripa no Youtube.

Para receber a coluna via WhatsApp, favor enviar mensagem com o seu nome e cidade e salvar o número: 49 98504.8148. Faça parte da lista de transmissão do site que todo mundo lê.

  Agora estamos nas redes sociais. Segue lá!
 
Instagram: @scempauta
 
Twitter:  @scempauta
 
https://www.facebook.com/scempauta