...
Alesc Carlos Moisés da Silva Dário Berger Esperidião Amin Fabrício Oliveira Gean Loureiro Gelson Merisio Jair Bolsonaro Joares Ponticelli Jorginho Mello Luiz Inácio Lula da Silva Lula Raimundo Colombo Tereza Cristina

Colombo vai a campo de olho na Agronômica; Ponticelli pode voltar ao jogo; PSB espera a filiação de Berger para este mês, entre outros destaques

 
  Agora estamos nas redes sociais. Segue lá!
 
Instagram: @scempauta
 
Twitter:  @scempauta
 
https://www.facebook.com/scempauta

Para receber a coluna via WhatsApp, favor enviar mensagem com o seu nome e cidade e salvar o número: 49 98504.8148. Faça parte da lista de transmissão do site que todo mundo lê.

Pesquisas internas animaram o ex-governador, Raimundo Colombo (PSD) e, conforme escrevi ontem, ele não quer saber de ir ao Senado, o pessedista está de olhos totalmente voltados para a Casa D’Agronômica.

Essa nova realidade mexerá em projetos de outros pré-candidatos, a exemplo do prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (União Brasil), que conta com o PSD para se fortalecer. Acontece que não terá os pessedistas, pelo menos, não na figura de Colombo.

Ontem em Balneário Camboriú, o ex-governador pessedista teve uma conversa longa com o prefeito, Fabrício Oliveira (Podemos), que também deseja disputar a majoritária estadual. Ainda ontem, em resposta a nota que escrevi sobre as movimentações de Paulinho Bornhausen, Fabrício deixou o recado de que não abrirá mão de seu projeto.

Voltando a Colombo, ele começa a desenhar uma possível aliança de olho na geografia. Entende que se encantar o Progressistas e o Podemos, alcançará uma abrangência considerável tornando viável o seu projeto. Do Podemos ele teria, pelo menos, os prefeitos de Blumenau e de Balneário Camboriú. Já do Progressistas, avançaria com um bom número de prefeitos e vices.  

Além da política de alianças, o fato é que Raimundo Colombo a partir de agora, será mais visto fazendo críticas ao seu principal adversário, o governador Carlos Moisés da Silva (sem partido). Comparações entre os dois governos, principalmente em relação a política de tributação será uma das principais pautas.

Ontem à noite conversei com o ex-governador que, analisou o cenário atual, mas se negou a falar de possíveis alianças. Ele criticou o aumento do IPVA comparando a situação com o estado de Minas Gerais que, não majorou o valor do imposto. Além disso, Colombo disse temer que o Estado perca competitividade devido aos aumentos de impostos, situação a qual, ele afirma que já está empurrando empresas para o Paraná e, ainda atacou o acréscimo nos salários de servidores no final do ano passado. “Isso é um perigo. Aconteceu no Rio de Janeiro e no Rio Grande do Sul, aumentaram salários há alguns anos em um momento de crescimento da arrecadação. Quando a arrecadação baixou, esses Estados ficaram sem condição de arcar com os seus compromissos”, afirmou.

O ex-governador também fez questão de falar que, não adianta o governo apresentar arrecadação recorde, enquanto a população passa dificuldade. Ele chamou de absurdo o aumento do imposto sobre o leite, discordando que a medida tenha sido para proteger as empresas lácteas de Santa Catarina. “Aumentar o imposto do leite neste momento é uma insanidade”, destacou.

Colombo entra definitivamente no jogo e, parece já saber com quem deseja estar, ao mesmo tempo que já escolheu o seu principal adversário. A estratégia segundo fontes ligadas a ele, será a de levar aos debates uma comparação entre o seu governo e o de Moisés. Por fim, ele promete que se for eleito, fará um governo de transição para uma nova geração, ou seja, que não buscará a reeleição.

Ponticelli no jogo

Em mais um capítulo sobre a pré-candidatura do senador, Esperidião Amin (Progressistas), uma liderança me disse que o senador é simpático sim, a possibilidade de uma aliança com o PSD em apoio ao ex-governador Raimundo Colombo. A fonte entende que apesar da necessidade de o Progressistas ter candidato, a leitura é que mesmo apoiando, é possível fazer o partido voltar a crescer. Questionada sobre quem poderia ser o vice de Colombo, a liderança me disse que o prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli (Progressistas), pode voltar ao jogo, uma vez que a deputada federal, Angela Amin (Progressistas), se prepara para disputar a reeleição.

Debate

Hoje tem debate no programa O Jogo do Poder nas rádios Jovem Pan News de Florianópolis 103,3 FM, e Jovem Pan News de Criciúma 101,5 FM. Maria Helena, Maga Stopassoli e eu, Marcelo Lula, debateremos os principais destaques da política catarinense. O programa terá início às 16h. Nos ouça pelo rádio, ou nos assista na Panflix, ou através do perfil Jovem Pan Floripa no Youtube.

O projeto de Berger

Lideranças do PSB esperam que o senador Dário Berger (MDB) se filie antes de fevereiro. Berger já começou a conversar com lideranças ligadas a ele, além de outros partidos a exemplo do PDT. O presidente estadual dos trabalhistas, Manoel Dias, não descarta dar o apoio a Berger que pretende liderar o projeto da centro esquerda no estado, dando palanque para Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Quem anda falando nos bastidores que apoiará o projeto de Berger, é Gelson Merisio (PSDB). Há algum tempo informei que Merisio vinha mantendo conversas com o PSB.

Declinou?

Pelas conversas de Gelson Merisio nos bastidores, é possível entender que ele já declinou de sua pré-candidatura ao Governo do Estado pelo PSDB. O fato é que Merisio não decolou e, já não esconde que dará o seu apoio ao senador, Dário Berger. Como os tucanos não estarão em um projeto junto com o PT, então só falta a oficialização da decisão de que não será o candidato do PSDB. Fontes informam que Merisio teria dito que deseja de qualquer forma, vencer a eleição, mesmo que não a dispute.

Decepção no Oeste

A visita da ministra da Agricultura, Tereza Cristina, ontem a Chapecó, foi considerada por lideranças políticas e do setor do agronegócio, uma verdadeira decepção. A viagem a três estados a qual, segundo fontes de Brasília, teve um custo público de R$ 450 mil, somente serviu para Tereza falar de seu orgulho de ver em outros países, os produtos brasileiros, o que não é novidade já que há décadas o Brasil exporta alimentos para o exterior. Enquanto o Governo do Estado está investindo R$ 350 milhões para o combate a falta de chuva, Tereza apenas entregou aos presentes em seu discurso, um pedido de oração a São Pedro para que volte a chover. Além da ministra, quem também costuma fazer visitas frequentes a Santa Catarina é o presidente Jair Bolsonaro (PL). Sempre de férias, ou em visitas institucionais de mãos vazias. E isso não é crítica vazia, é um fato. O nosso Estado merece a atenção que até hoje não recebeu. Assista ao vídeo:

Arrecadação

Santa Catarina encerrou 2021 com a arrecadação total de R$ 36,2 bilhões, um crescimento de 22,3% em relação a 2020. O resultado foi expressivo mesmo com a retração observada nos meses de novembro e dezembro, por conta do impacto do Decreto Nº 1528/2021, que postergou para 10 de janeiro e 10 de fevereiro de 2022 o pagamento do ICMS relativo a combustíveis, energia elétrica, telecomunicações e serviços de transporte terrestre de passageiros declarados nos meses de outubro e novembro de 2021. Em dezembro, foram arrecadados R$ 2,6 bilhões, sendo R$ 2,1 bilhões de ICMS. A análise do Sindicato dos Fiscais da Fazenda do Estado de Santa Catarina (Sindifisco/SC), mostra que o desempenho corresponde a um crescimento de 1,8% em relação a novembro de 2021. Já na comparação com dezembro de 2020, houve queda de 8,5% na receita.

Projeções para 2022

As projeções do Fisco indicam que já em janeiro o Estado deve voltar a superar a marca dos R$ 3 bilhões em arrecadação. “A arrecadação de janeiro e fevereiro deve ser muito expressiva por conta do recolhimento adicional de ICMS previsto pelo Decreto Nº 1528”, antecipa Sérgio Pinetti. Para o decorrer do ano, mantidas as boas condições, a expectativa do Fisco é seguir crescendo. “Os três primeiros meses vão sinalizar o que vai acontecer ao longo do ano, mas a expectativa é de continuidade do atual quadro e dos bons indicadores para SC. Estamos bem e temos todas as condições para continuar atraindo novos investimentos, gerando emprego e renda”, analisa Pinetti.

Não pegou bem

A fala do prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro, que a União Brasil não tem interesse em filiar deputados, repercutiu no meio político. Algumas lideranças entendem que um nome que deseja disputar o Governo do Estado não pode rechaçar o apoio de qualquer liderança, ainda mais as que tem mandato.

Reuniões do PL

O deputado estadual, Ivan Naatz, líder da bancada do PL na Assembleia Legislativa e coordenador da pré-campanha eleitoral do partido no Vale do Itajaí, anunciou um calendário de reuniões e articulações internas preparativas em 11 municípios da região, no período de 17 de janeiro a 1º de fevereiro. A principal pauta será a consolidação da pré-candidatura, já definida do senador e presidente estadual do PL, Jorginho Mello, ao Governo do Estado, além da reeleição do presidente da República Jair Bolsonaro (PL). O calendário de reuniões inicia no dia 17 de janeiro pela cidade de Gaspar, seguindo no dia 18 em Timbó; dia 19 em Pomerode; dia 20 em Ascurra; dia 21 em Apíuna; dia 22 em Rodeio; dia 25 em Blumenau; dia 26 em Massaranduba; dia 27 em Luís Alves; dia 28 em Ilhota e encerrando no dia 1º de fevereiro na cidade de Indaial. 

Porto de São Francisco

A assessoria de comunicação do Porto de São Francisco do Sul entrou em contato, a respeito da nota que escrevi na coluna de ontem, questionando quando ocorrerá a privatização.

“Com relação à nota de hoje ‘E São Francisco? ’ cabe um esclarecimento. Os números do Porto de São Francisco do Sul em 2021 são os melhores da história.

– Aumento de 14% na movimentação de carga com relação a 2020: de 11,9 milhões de toneladas (2020) para 13,6 milhões de toneladas (2021).

– Aumento de 12% no número de navios atracados com relação ao ano passado: de 410 para 460 embarcações.

– Maior porto em movimentação de carga de Santa Catarina.

– 3º melhor porto em desempenho do Brasil.

– 4º Lugar no ranking ambiental entre os 34 portos públicos brasileiros.

– 7º maior porto do Brasil em movimentação de carga geral entre os 34 portos públicos brasileiros.

Com relação à possível desestatização: o assunto é tratado somente pela SC Participações e Parcerias (SCPar), na pessoa do presidente Ricardo Moritz. Independentemente da possível desestatização, o Porto de São Francisco mantém constantes investimentos na infraestrutura como, por exemplo, R$ 41 milhões na dragagem do canal de acesso em 2021. Para 2022, haverá investimentos público-privados para um novo berço de atracação (além dos sete já em operação) e na modernização do Terminal Graneleiro” – Assessoria de Comunicação do Porto de São Francisco do Sul

Mesmo assim

Todos os números do Porto de São Francisco do Sul são animadores, mas, isso não impede que o porto seja privatizado, pelo contrário, é possível que a partir de investimentos privados, o porto receba ainda mais investimentos. Portanto, a SCPar precisa dizer como está sendo trabalhado o processo de privatização.

Para receber a coluna via WhatsApp, favor enviar mensagem com o seu nome e cidade e salvar o número: 49 98504.8148. Faça parte da lista de transmissão do site que todo mundo lê.

  Agora estamos nas redes sociais. Segue lá!
 
Instagram: @scempauta
 
Twitter:  @scempauta
 
https://www.facebook.com/scempauta