...
Alesc Carlos Chiodini Carlos Moisés da Silva Celso Maldaner Daniela Reinehr Dário Berger Esperidião Amin Gean Loureiro Jorginho Mello Leandro Demori Mauro De Nadal Paulo Eli Raimundo Colombo

Progressistas com Colombo; Os dois nomes do MDB para vice de Moisés; Disputa na Fecam entre outros destaques

 
  Agora estamos nas redes sociais. Segue lá!
 
Instagram: @scempauta
 
Twitter:  @scempauta
 
https://www.facebook.com/scempauta

Para receber a coluna via WhatsApp, favor enviar mensagem com o seu nome e cidade e salvar o número: 49 98504.8148. Faça parte da lista de transmissão do site que todo mundo lê.

Uma pergunta tem sido feita por lideranças filiadas ao Progressistas: quem acredita de fato na candidatura do senador, Esperidião Amin, ao Governo do Estado?

Mesmo com os movimentos previstos por ele, para quando sair da quarentena provocada pelo Coronavírus, é preciso lembrar que Amin apenas ocupou o espaço quando os demais pretensos candidatos, no caso, o prefeito de Tubarão, Joares Ponticelli, e o ex-deputado federal, Jorge Boeira, abandonaram o barco. Ponticelli se sentiu desvalorizado devido a convites feitos ao governador, Carlos Moisés da Silva (sem partido), e ao prefeito de Jaraguá do Sul, Antídio Lunelli (MDB), para que se filiassem ao partido. Já Boeira, busca um lugar que lhe dê a garantia de que poderá disputar a majoritária.

Algumas fontes disseram que não percebem em Amin, movimentações de quem deseja se candidatar. Para uma liderança, o principal desejo do partido é o de estar com Moisés, mas sob a condição de que o MDB não esteja junto. Como os emedebistas darão o vice ao governador, o Progressistas terá que seguir um outro caminho.

O cenário preocupa as lideranças com quem conversei, pois, se Amin não for o candidato e, não tiver Moisés como opção, o caminho será o de apontar o vice de alguém. O PSDB é rechaçado por não ter uma maior capilaridade, no Podemos também não há interesse pelo mesmo motivo, enquanto que ser vice do PL de Jorginho Mello, ou da União Brasil de Gean Loureiro, não faz parte dos planos por uma questão paroquial, que é o projeto para a próxima eleição em Florianópolis.

O fato é que o Progressistas parece ter encontrado o seu caminho junto ao PSD. Lideranças do partido gostaram da aproximação com os pessedistas, que podem lançar o ex-governador, Raimundo Colombo, com um vice do Progressistas. Colombo já teria se mostrado empolgado com a ideia.

Debate

Hoje tem debate no programa O Jogo do Poder nas rádios Jovem Pan News de Florianópolis 103,3 FM, e Jovem Pan News de Criciúma 101,5 FM. Maria Helena, Maga Stopassoli e eu, Marcelo Lula, debateremos os principais destaques da política catarinense. O programa terá início às 16h. Nos ouça pelo rádio, ou nos assista na Panflix, ou através do perfil Jovem Pan Floripa no Youtube.

Dário com Maldaner?

Corre nos bastidores que hoje o senador, Dário Berger (MDB), deverá se reunir em Florianópolis com o presidente estadual de seu partido, o deputado federal, Celso Maldaner. O encontro não foi confirmado oficialmente.

Novo roteiro

Ontem em um grupo de WhatsApp do MDB, o presidente estadual do partido, Celso Maldaner, escreveu a seguinte mensagem: “Temos roteiro de 17/01 até 28/01, ouvindo os presidentes municipais nas 36 regionais p/ decidir com participação das bases nosso futuro”, escreveu Maldaner, após algumas lideranças cobrarem uma definição sobre o projeto emedebista ao Governo do Estado.

Bancada tem a força

Dentro do MDB catarinense todo mundo sabe que atualmente, a bancada estadual é a maior instância para a escolha do futuro eleitoral do partido. Também é de conhecimento de todos que, os deputados estaduais já estão decididos a ficar ao lado do governador, Carlos Moisés da Silva (sem partido). Na próxima semana alguns deputados devem se reunir em Florianópolis, para discutir a situação do partido. Uma fonte me disse que a bancada sabe o que fazer, mas teme assumir a responsabilidade de uma decisão tão impactante, por isso, os deputados devem procurar outras lideranças para um anúncio em conjunto. Além disso, a possível filiação de Moisés a um partido pequeno, tem incomodado muito as bases emedebistas que, o querem como candidato, desde que filiado ao MDB.

Possíveis vices

Chiodini e Maldaner observados por Antídio Lunelli

Um grupo de deputados estaduais do MDB, liderados pelo atual presidente da Assembleia Legislativa, Mauro De Nadal, e pelo deputado, Valdir Cobalchini, trabalha para que o deputado federal, Celso Maldaner seja o vice do governador, Carlos Moisés da Silva (sem partido). Maldaner está empolgadíssimo com a ideia. De Nadal quer evitar uma candidatura da ex-prefeita de Maravilha, Rose Maldaner, a deputada estadual, enquanto Cobalchini quer a garantia de que Celso não disputará à reeleição, abrindo espaço em Brasília. Por outro lado, o atual secretário de Estado da Educação, Luiz Fernando Vampiro, quer o deputado federal, Carlos Chiodini, como vice de Moisés. Dessa forma, mais uma vaga seria aberta à Câmara Federal. Vale lembrar que, Vampiro é pré-candidato a deputado federal.

O preferido

Se dependesse do governador, Carlos Moisés da Silva (sem partido), o seu vice seria o atual presidente da Assembleia Legislativa, Mauro De Nadal (MDB). Acontece que o parlamentar não quer disputar a majoritária, entende que não é o momento e vai em busca da reeleição. Um outro nome falado por Moisés nos bastidores, mas que não encontrou adesão, foi o do secretário de Estado da Fazenda, Paulo Eli. Ele foi rechaçado por ser considerado técnico demais, e nada político.

Disputa na Fecam 1

Ontem durante o programa O Jogo do Poder nas rádios Jovem Pan News de Florianópolis e Criciúma, a colega Maria Helena anunciou em primeira mão, que o prefeito de Orleans, Jorge Koch (MDB), havia se colocado como candidato à presidência da Federação Catarinense de Municípios (Fecam). Ele se anunciou como o nome da continuidade do atual mandato, que é do prefeito de Araquari, Clenilton Pereira (PSDB).

Disputa na Fecam 2

Ontem ocorreu uma reunião na sede da Associação dos Municípios da Grande Florianópolis (Granfpolis), entre os prefeitos de Vargem, Milena Becher (PL), e o prefeito de São João do Itaperiú, Clézio Fortunato (MDB). Houve uma tentativa de acordo, mas ninguém abriu mão da candidatura à presidência da Fecam. Milena alega que houve um acordo para a eleição do prefeito de Araquari, Clenilton Pereira (PSDB), que daria a ela o comando da Fecam neste ano, já Clézio alega que Milena deixou a vice-presidência da entidade no início do mandato de Pereira, quebrando o acordo. A Fecam terá pela primeira vez na história uma eleição com três nomes. É dito nos bastidores que Milena e Clézio teriam feito um acordo, para evitar a vitória do prefeito de Orleans, Jorge Koch (MDB), que se anuncia como a continuidade de Clenilton. O encontro foi testemunhado pela prefeita de Rancho Queimado, Cleci Veronezi, atual presidente da Granfpolis e madrinha da candidatura de Clézio.

Contra o recesso?

Os deputados estaduais, Bruno Souza (Novo) e Jessé Lopes (PSL) não perdem a oportunidade de dizer que são contra o recesso parlamentar. Acontece que por causa do discurso, algumas pessoas fizeram críticas aos dois. Souza viajou para o Egito, enquanto Jessé postou foto na praia. Os críticos afirmam que se de fato fossem contra o recesso, estariam trabalhando.

Não pegou bem

O deputado federal, Daniel Freitas (PSL), que curtiu o final do ano no Rio de Janeiro e, retornou direto para Brasília no anseio de divulgar uma ação dos colegas Ricardo Guidi (PSD), Geovânia de Sá (PSDB) e Ângela Amin (Progressistas), gravou vídeo com o presidente da República, Jair Bolsonaro (PL), anunciando à medida que mantém a atividade carbonífera até 2040. Acontece que no momento da votação ele não estava nem em plenário. A ação de Freitas não pegou bem em Criciúma, segundo a colega de Jovem Pan News, Maga Stopassoli. Daniel Freitas tem sido muito criticado por ser considerado da “bancada da self”.

Dobradinha

Os assessores do deputado estadual, Felipe Estevão (PSL), têm sido vistos com frequência com a vice-governadora Daniela Reinehr (PL). Aproximação tem cogitado uma dobradinha, Daniela estadual pelo PL e Felipe, federal pelo PTB.

Caso Demori: Agressão ao jornalismo

Por alguns períodos da história a imprensa foi mais atacada do que o dito normal, por simplesmente cumprir com o seu dever de informar, questionar, criticar e denunciar. Atualmente vivemos um novo período de trevas, por causa de pessoas ditas “cidadãs de bem”, que fazem ataques reiterados aos profissionais que prezam pelo bom jornalismo. Para piorar, alguns políticos populistas se aproveitam da onda para demonizar o principal meio que mantém a sociedade livre, através do pensamento crítico.

O fato, é que essa gente travestida de pessoas decentes e defensoras da família e do sagrado, não aceitam a liberdade individual e se ofendem com o livre pensar, pois, a liberdade de pensamento e de consciência é um risco para os seus interesses. É por isso que a imprensa é tão atacada, pois é ela que tem o poder de alertar as pessoas para a realidade e, como contra a verdade não há argumento, então esses agressores da democracia partem para a ignorância, para a tentativa de intimidação, pois é esse o único argumento encontrado pelos covardes que desejam levar a sociedade, para uma época de trevas.

Se a imprensa não ferisse tanto as más intenções, essas pessoas simplesmente ignorariam alguns veículos e profissionais, fariam o que seria o normal, usariam o poder do controle da TV, não acessariam certos sites, não ouviriam algumas rádios, mas, não, é preciso atacar a imagem, o físico e o mental do profissional e o veículo. Tudo isso é feito porque, para essa gente, nós da imprensa somos um verdadeiro perigo. E somos mesmo, pois seremos resistentes a isso, ao ponto de nos tornamos os novos iluministas, trazendo de volta um humanismo renascentista para a parte de uma sociedade que preferiu a escuridão e que, tem se mostrado doente, seja psíquica, ou espiritualmente.

No domingo, o colega jornalista, Leandro Demori, editor-executivo do The Intercept Brasil, foi perseguido por um homem que o ameaçou em Balneário Camboriú. De férias, ele havia ido ao mercado com a esposa e o filho de três anos, que covardemente foi o alvo da ameaça. “Se liga que a vida do teu filho depende de ti”, disse o covarde, de acordo com o que me relatou, Demori, que absurdamente é obrigado a andar com seguranças, por simplesmente fazer o seu trabalho.

A minha solidariedade ao Leandro e à sua família, vítimas da ignorância. E às pessoas que agridem a imprensa, essas não precisam concordar com as nossas opiniões, faz parte da democracia, a qual alguns desejam acabar. Basta discordar e está tudo certo e, quanto a nós, devemos ser resilientes. Já quanto a vocês, meus caros amigos e amigas, não deixem que essas pessoas sigam tentando evitar que a boa informação chegue até vocês!    

Para receber a coluna via WhatsApp, favor enviar mensagem com o seu nome e cidade e salvar o número: 49 98504.8148. Faça parte da lista de transmissão do site que todo mundo lê.

  Agora estamos nas redes sociais. Segue lá!
 
Instagram: @scempauta
 
Twitter:  @scempauta
 
https://www.facebook.com/scempauta