...
Crimes virtuais Thiago de Miranda Coutinho

O aumento dos Crimes Virtuais em SC – Coluna do Thiago de Miranda Coutinho

Com as mudanças sociais impostas pela Covid-19, foram necessárias muitas adaptações às rotinas pessoais e profissionais; fato que potencializou o uso dos meios digitais para o trabalho, compras e lazer.

Se por um lado tais recursos tecnológicos trouxeram benefícios, os criminosos valeram-se desta nova realidade para facilitar suas investidas; agora no ambiente virtual.

Assim, surgiram inúmeras possibilidades de violações penais cujo palco são, preponderantemente, as redes sociais, os aplicativos de troca de mensagens e, até mesmo, as mensagens de texto.

Diante desse cenário, os analistas de inteligência da Secretaria de Estado da Segurança Pública de SC constataram um aumento de 85% nos casos de Estelionato no período de isolamento social (2019 – 2020); fato que ensejou um minucioso estudo que pautou ações de enfrentamento a esta nova realidade.

De forma alarmante, foram registradas mais de 48 mil ocorrências de estelionato em 2020 e, considerando o período de janeiro a julho de 2021, houve mais 37 mil novos casos em solo catarinense.

Conforme o estudo citado, os golpes mais comuns são: Clonagem do Whatsapp; falsos anúncio de compra e venda de veículos; duplicação de perfil de Whatsapp; fraudes em compras pela internet; falso empréstimo; clonagem de cartão; falsos anúncio de imóveis; e, por fim, falsas renegociações de dívidas.

É nesse ponto que cabe atenção para se precaver diante de tanta variedade (e criatividade) na forma de atuação dos criminosos virtuais. Desta feita, as primeiras medidas para proteger-se são: desconfie sempre e confira a informação recebida nos canais oficiais.

Além disso, o smartphone é um “computador de mão” e, por isso, requer, por prudência, a instalação de algum software antivírus. Inclusive, com tantas opções gratuitas no mercado, tal medida pode proporcionar uma maior “camada de segurança” ao usuário.

Todavia, se houve o crime virtual, a recomendação é o registro imediato do boletim de ocorrência; em Santa Catarina, pode-se comunicar a autoridade policial através da Delegacia Virtual www.delegaciavirtual.sc.gov.br .

Logo em seguida, a vítima deve informar os amigos e familiares do ocorrido orientando-os a não repassar dinheiro ou dados pessoais caso sejam abordados e, ainda, reportar os fatos à instituição bancária.

Especificamente para os casos de “clonagem de WhatsApp”, a dica é que se envie um e-mail para support@whatsapp.com (com o boletim de ocorrência em anexo) informando que a conta relativa ao “número de telefone x” fora “sequestrada”.

Já para os casos envolvendo o Facebook, indica-se acessar www.facebook.com/hacked para denunciar a conta afetada.

Agora se o crime envolveu o Instagram, o caminho é acessar www.instagram.com, depois a aba “Ajuda”, seguida de “Central de Privacidade e Segurança”, “Denunciar Algo” e, por último, “Contas Invadidas por Hackers”.

Cuide-se e compartilhe essa informação, pois segundo apontamentos do brilhante estudo realizado pela Inteligência da SSP, 97% dos crimes abordados aqui não teriam ocorrido se a vítima tivesse alguma informação sobre os respectivos golpes.