...

Twitter do secretário: a quem interessa a mentira?; Kassab pode decidir o projeto do PSD catarinense; Decreto da pandemia é colocado em sigilo entre outros destaques

Para seguir recebendo a coluna via WhatsApp, favor salvar o número: 49 98504.8148. Para quem ainda não recebe, favor enviar mensagem para o mesmo número.

 

FAZER JORNALISMO COM INDEPENDÊNCIA CUSTA CARO. ASSINE O SCEMPAUTA E APOIE A CONTINUIDADE DE NOSSO TRABALHO!

Caros leitores, preciso dizer que não me agrada o abre da minha coluna de hoje, mas as vezes é preciso enfrentar o desagradável para colocar as coisas em seu devido lugar, sobretudo em respeito a vocês. Digo isso, por achar feio demais quando vejo um veículo de comunicação atacando o outro, ou quando profissionais da área são atacados por colegas. Sinceramente, sempre fui contra a esse tipo de prática medíocre, afinal, cada um faz o seu trabalho e quem deve julgar é o público. Dito isso, hoje quero esclarecer algumas coisas.

Na semana passada divulguei os posicionamentos do novo chefe da Casa Civil, Gerson Schwerdt, nas redes sociais, mais propriamente no Twitter. Abraçado por uma governadora interina, Daniela Reinehr (sem partido), que se diz Bolsonarista, ficou claro que Schwerdt não tem qualquer proximidade com as pautas que ela diz defender. É um direito que ele tem, mas há de convir que é um tanto incoerente da parte da governadora temporária nomeá-lo.

Acontece que após a divulgação das posições de Schwerdt, que também foi feita por outras pessoas via rede social e, pela deputada estadual bolsonarista, Ana Caroline Campagnolo (PSL), que chegou a levar a discussão para a Assembleia Legislativa ao apresentar o que havia sido publicado no SCemPauta, vejo com surpresa no Grupo ND, uma nota dizendo que é mentira, pois, segundo o texto, Schwerdt não tem Twitter. A minha coluna não é citada, mas a partir do momento em que algo que divulguei é chamado de mentira por outro veículo, então eu preciso trazer a situação à luz.

O perfil no Twitter pertence a um Gerson Schwerdt que entrou na rede social em novembro do ano passado e, no dia 07 de março deste ano, compartilhou uma postagem da Associação dos Procuradores do Estado de Santa Catarina (Aproesc), em comemoração ao Dia Nacional da Advocacia Pública. Então, ou o ND não apurou na devida forma, ou tem alguém usando o nome de Schwerdt e, se passando pelo então procurador, o que é um verdadeiro caso de polícia. Se realmente for isso, o atual chefe da Casa Civil precisa denunciar, aliás, por qual motivo ainda não o fez?  A quem interessa a mentira? A quem interessa defender Schwerdt?

O ex-procurador é uma indicação do ex-deputado Gelson Merisio (PSDB), com o aval do empresário Marcello Petrelli, que também indicou o novo secretário de Estado da Comunicação, Miguel Bertolini, que já havia sido indicado pelo próprio Petrelli, ao agora governador afastado, Carlos Moisés da Silva (PSL), que não atendeu a indicação.

Vale lembrar que também coube ao dono do Grupo ND, a indicação na Comunicação quando Daniela assumiu no primeiro afastamento de Moisés. Ao pensar nisso, me pergunto: que isenção terá um veículo de comunicação, quando o seu diretor indica cargos no governo? Que jornalismo de compadrio é esse? Além disso, será que os demais veículos serão tratados da mesma forma, já que não indicaram cargos?

Voltando a Schwerdt, enquanto ele não denunciar o suposto uso indevido de seu nome nas redes sociais, a sociedade seguirá acreditando que é dele sim, a conta no Twitter. Ou seja honesto e diga que aquelas manifestações retratam a sua forma de pensar, mas que agora, pelo cargo, mudou de posicionamento.

O importante é buscar a verdade e, talvez o senhor Petrelli não saiba, mas o fato é que aqui no SCemPauta, não trabalhamos com a mentira. Podemos errar e, se uma informação por qualquer motivo tiver algum erro, é dado o espaço para o contraditório, ao esclarecimento, afinal, temos que ser honestos com o nosso público, sempre.

Também é preciso dizer que aqui no SCemPauta, ninguém vai jantar com autoridades e sai com notas prontas para serem publicadas. Temos sim, boas relações e fontes, inclusive entre autoridades, mas nós determinamos o que sairá, ou não, em nossas colunas. Ninguém cria campanhas para denegrir outros profissionais e projetos alternativos e, aqui, ninguém se entrega de acordo com quem está no poder.

Também é aqui, que os colunistas têm a total liberdade para pensar e escrever de acordo com as suas crenças, com sua visão de mundo, afinal, ninguém é obrigado a abrir mão de seus princípios. É isso que nos faz ter o sucesso que nós temos. Não somos nem melhor e, tão pouco pior do que alguém, somos simplesmente diferentes, não há igual.

Vale dizer que o espaço está aberto aos citados para que se quiserem, que se pronunciem, pois, nós somos democráticos. É importante que as críticas e eventuais respostas não desçam ao subsolo e, que o nível seja mantido. Se queremos um mundo mais justo e perfeito, é importante que façamos a nossa parte e, eu estou fazendo a minha ao esclarecer certos acontecimentos, inclusive, lamentando a infelicidade do Grupo ND, frente aos mil mortos em Joinville, ao dizer que há razão para comemorar. Façam os seus julgamentos caros leitores.

 

Coaching para Daniela

 Através do secretário de Estado da Comunicação, Miguel Bertolini, profissionais da Comunicação estão sendo procuradores para “treinar” a governadora em exercício Daniela Reinehr (sem partido). Pelo que apurei, profissionais respeitados no mercado já conversam com Bertolini, que deseja melhorar a comunicação de Daniela. A ideia é ensiná-la a falar, a se comunicar via redes sociais e até como se comportar em público. Como perguntar não ofende, lá vai: quem pagará a conta desse trabalho de caráter pessoal? Com a palavra o Governo do Estado.

 

E a transparência?

Ontem ao pesquisar o processo do novo decreto referente a pandemia assinado pela governadora interina, Daniela Reinehr (sem partido), fiquei surpreso ao perceber que está em sigilo. Diferente dos processos dos decretos anteriores que eram públicos, neste a transparência foi deixada de lado. Não é possível saber se Daniela seguiu a decisão do Centro de Operações de Emergência em Saúde (COES), conforme determina a decisão judicial, ou se decidiu as medidas por conta própria. Curioso o sigilo.

 

Feriado na pandemia

Além de não aplicar as doses recebidas na quinta-feira (01), o Governo do Estado só divulgou o balanço da vacinação após ser questionado e, mesmo assim, de forma incompleta. Ainda com a pandemia em seu pior momento, a impressão é que a Secretaria de Estado da Saúde, sob nova direção, deixou de trabalhar no feriadão. Os principais municípios do Estado afirmaram que poderiam vacinar a população entre sexta-feira e domingo, mas a gestão de Daniela Reinehr (sem partido) segurou as doses na central de vigilância epidemiológica. Péssimo começo.

 

Culpa do Ministério

O Governo do Estado atribuiu o atraso na distribuição das vacinas, que deixou diversos municípios sem doses, a falhas no envio por parte do Ministério da Saúde. De acordo com nota expedida pela secretária de Estado da Saúde, Carmen Zanotto, nomeada pela governadora interina Daniela Reinehr (sem partido), o atraso se deve à redução das estimativas do envio de novas doses, o que teria obrigado um novo planejamento. Santa Catarina recebeu mais de 300 mil doses do Governo Federal na quinta-feira (01), mas até o dia seguinte, nenhuma delas havia sido encaminhada aos municípios para serem aplicadas.

 

Merisio com Colombo

O pré-candidato a governador, Gelson Merisio (PSDB), se encontrou com o ex-governador Raimundo Colombo (PSD). O encontro que durou cerca de duas horas, foi para Merisio tentar convencer Colombo a aderir ao seu projeto eleitoral. O tucano chegou a dizer ao pessedista que um dos dois pode ser o candidato a governador. O fato, é que Merisio busca a adesão dos pessedistas catarinenses para que a aproximação seja mais tranquila, já que o presidente nacional do PSD, Gilberto Kassab, teria um acordo firmado com Merisio de apoio a ele na eleição em Santa Catarina. Kassab chegou a proibir a formação de diretórios do partido, para que caiba a ele a decisão sobre o projeto eleitoral dos pessedistas aqui no estado.

 

Politização da PGE

Há um certo incomodo entre alguns procuradores do Estado, com o que chamam de “politização da Procuradoria Geral do Estado”. Me relataram que no primeiro afastamento do governador, Carlos Moisés da Silva (PSL), houve o uso da PGE em prol de um eventual governo de Daniela Reinehr (sem partido), agora, de volta à interinidade, Daniela teve nomeados o chefe da Casa Civil, Gerson Schwerdt, e o seu adjunto, Leandro Zanini. Ambos, são procuradores de carreira e já assumiram a Procuradoria Geral. A situação gerou incômodo entre alguns procuradores.

 

Podemos se manifesta

O presidente estadual do Podemos, o advogado Camilo Martins, ex-prefeito de Palhoça, enviou uma nota sobre em respostas as informações que tenho divulgado, sobre as indicações de Paulinho Bornhausen no governo interino de Daniela Reinehr (sem partido). Segue: “Ao contrário do que foi divulgado, o Podemos informa que não fez e nem fará indicação de nomes para a composição do Governo do Estado, agora sob o comando da vice-governadora eleita, Daniela Reinehr. O Podemos informa que está acompanhando o desenrolar do processo de impeachment do governador eleito Carlos Moisés, acreditando que responsáveis por eventuais atos ilícitos que tenham sido praticados em seu governo serão punidos da forma cabível, inclusive o próprio governador afastado, se comprovado seu crime de responsabilidade. O trabalho tem sido intenso na estruturação do partido no estado e a maior preocupação do Podemos, neste momento, é com o futuro de Santa Catarina” – Camilo Martins.

 

Vacinas

O prefeito de Florianópolis, Gean Loureiro (DEM), participa hoje de uma reunião virtual com o diretor do Instituto Butantan, Dimas Covas. Na próxima quinta-feira a reunião será com a representante da Opas no Brasil, Socorro Gross. Loureiro me disse que além da doação da empresa Natura, no valor de R$ 4 milhões para a compra de vacina, um empréstimo de vacina está sendo conversado com os EUA. Acontece que a Astrazeneca não está sendo utilizada pelos americanos, tanto, que já estaria próxima da data do vencimento.

 

Nome ao Judiciário

Quem se prepara para concorrer a uma vaga no Tribunal de Justiça do Estado, é a advogada Ana Blasi. Graduada pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), mestre em Direito pela UFSC, Conselheira da OAB/SC (2007/2009); integrante da Secretaria Geral da OAB/SC (Gestão 2013/2015); e Juíza do Tribunal Regional Eleitoral (2015/2017), Ana goza de grande respeito no meio jurídico.

 

ATENÇÃO!!

Devido a um problema de memória do telefone, alguns contatos de pessoas que pediram para receber a coluna e demais informações foram perdidos. Se você pediu para receber via WhatsApp, mas não está recebendo, favor informar novamente o número. Obrigado!

 

Para seguir recebendo a coluna via WhatsApp, favor salvar o número: 49 98504.8148. Para quem ainda não recebe, favor enviar mensagem para o mesmo número.

 

FAZER JORNALISMO COM INDEPENDÊNCIA CUSTA CARO. ASSINE O SCEMPAUTA E APOIE A CONTINUIDADE DE NOSSO TRABALHO!