...
Imetro Imetro/SC Instituto de Metrologia de Santa Catarina Maria Suely José Rachadinha Rudinei Luiz Floriano SC Shirley Ferreira

EXCLUSIVO: Áudio com conversa entre servidoras do Imetro/SC cita suposta prática da chamada rachadinha no Governo. Lideranças estaduais são citadas na conversa

O SCemPauta teve acesso com exclusividade a um áudio com uma conversa entre, Maria Suely José, ex-servidora do Instituto de Metrologia de Santa Catarina (Imetro), órgão do Governo do Estado e, Shirley Ferreira, que é assessora direta do presidente do Imetro, o subtenente da Polícia Militar, Rudinei Luiz Floriano.

Nesta semana a coluna já havia divulgado em primeira mão, que Maria Suely apresentou denúncia ao Ministério Público Federal, contra Shirley e o diretor de Meteorologia do Imetro, Nalci Antunes. Entre as acusações, a suposta prática da chamada “rachadinha” – que é o desconto de parte do salário de servidores ocupantes de cargos comissionados – e assédio moral.

No áudio que já foi entregue ao MPF, são citados nomes de deputados, secretários de Estado e até de um ex-candidato ao Governo do Estado, como supostos praticantes da chamada rachadinha.

 

Diálogo:

 

Suely – Ô Shirley, o Hercílio também está dando dinheiro?

 

Shirley – Não!

 

Suely – Não?

 

Shirley – Não!

 

Suely – Só o véio Nalcir, da turma?

 

Shirley – Sim, só dois, não tem mais…(Inaudível)…É diferente agora.

 

Suely – Naquela época que o Azael tava….(Inaudível)…

 

Shirley – Não, naquela época ninguém dava nada, só R$ 50 Reais…(Inaudível)….Naquela época foi só cobrado os 40, para pagar aquela coisa que foi feita lá dá, coisa..(Inaudível)…O Azael nunca deu nada…(Inaudível)…Mulheres que foi cobrado R$ 50 Reais, né?….(Inaudível)…Tinha cobrado R$ 40 Reais por causa da placa.

 

Suely – O véio Nalci está bravo comigo, porque eu ouvi uma conversa dele com o Hercílio.

Shirley – É?

 

Sueli – É! Por isso ele se virou no bicho comigo. E ele achou que eu contei “procê”.

 

Shirley – (Inaudível)….Do quê, de dinheiro?

 

Sueli – Não, é que ele falou bem assim: Que ia derrubar o Floriano nessa. Ele tem tudo gravado, ele pode fazer qualquer coisa.

 

Shirley – O Hercílio?

 

Sueli – Veio Nalci……Entendeu? Ele falou assim.

 

Shirley – Não derruba…(Inaudível)

 

Sueli – Ele falou assim, que esse negócio de dar dinheiro é contra a lei, é que não sei o quê.

 

Shirley – Pode até ser, mas isso aí não derruba.

 

Sueli – Não?

 

Shirley – Bobagem, não! Aqueles do Armando sabe o quanto que eles dão? R$ 2 mil! Ele falou pra mim….(Inaudível)….R$ 2 mil é descontado do nosso salário todo mês, só que eles ganham mais pelo exército, ganham 8, do Armando.

 

Sueli – Hum…

 

Shirley – Conversando com o Jackson, R$ 4 mil o Jackson dá.

 

Sueli – É?

 

Shirley – Ele que falou. Falou para mim, falou para o Floriano e falou para todo mundo: “Eu ganho R$ 18 mil, mas R$ 4 mil é descontado. Eu ganho 14, aí desconta mais o imposto de renda essas coisas aí”, sobra 10 pra ele. Ele falou bem certinho, falou tudo. Nós “tava conversando”, a gente conversou eu, Pedro, Jackson. “Tava” eu, Pedro, Jackson e o Floriano, conversando…(Inaudível)..O Jackson disse: Nem se preocupe, isso aí não dá nada, você está pegando pouco ainda. Nós aqui é R$ 4 mil, outro é, outros que ganham menos é R$ 2 mil. Isso a gente prova que a gente faz trabalho, que a gente faz trabalho social nos bairros e tudo, isso aí tudo é prova.

 

Sueli – Até, esse negócio não fica numa conta pra fundo não, não pode?

 

Shirley – Não, não fazem conta. O que eles podem fazer é assim: Eles podem botar numa conta, fazer um fundo pra ter saldo sempre, sabe? Mas aí fazem a conta em nome de uma associação, né? Tem gente que bota em nome de associação. Por que é para trabalhos sociais, não dá nada.

 

Sueli – E será que o Alex tem gravado alguma coisa, sei lá, ele falou que tinha.

 

Shirley – Eu não tenho esse medo, pra mim eu “tô” pouco ligando.

 

Sueli – Não?

 

Shirley – Não! Pode até ter, pode qualquer um ter, isso não dá nada, eu já trabalho com isso há tempo. Trabalhava com o Mauro na época, eu ganhava, pagava mil e poucos pra ele todo mês.

 

Sueli – Você sabe o que aconteceu esses dias? A Camila veio falar pra mim assim que, desde o começo todo mundo sabia que entrar servidor para trabalhar ali de gerente, de não sei o quê, de mais o quê…

 

Shirley – Mas isso era o problema deles com outras equipes anterior, não com o Floriano.

 

Sueli – Daí ela estava falando que foi com, com…

 

Shirley – Isso é fofocada

 

Sueli – Com o Lucas Esmeraldino, né?

 

Shirley – Sim, nós não temos nada que ver com o Lucas, não é o Lucas que está ali, quem está ali é o Floriano.

 

Sueli – Eu falei pra ela, o Floriano foi nomeado pelo governo.

 

Shirley – (Inaudível)…Não adianta. Não é o Lucas que está ali, quem está ali é o Floriano, o Floriano faz como ele quer. Não adianta as pessoas querer falar, ficar de bum, bum, bum de dja, dja, dja….Não adianta. Isso aí, isso aí não dá nada.

 

Sueli – Esse povo ali, Deus me perdoe.

 

Shirley – Ô, tu pensa que o Thiago não dá para o Douglas? Também, Dr. Thiago também coopera com o Douglas. Ele mesmo falou para nós. Ele poderia cooperar conosco um pouquinho menos, que ele já coopera com o Douglas.

 

Sueli – É, por que ele é colocado do Douglas ali, né?

 

Shirley – Nalci não coopera com o…

 

Sueli – Esmeraldino…

 

Shirley – O Esmeraldino deixou para ele cooperar com o Floriano, que ele tem a intenção de assumir a presidência depois, é diferente a coisa. A intenção dele é assumir a presidência depois que o Floriano sair. Ele tá cooperando com o Floriano, para ajudar o Floriano, para quando o Floriano sair deixar ele. Só isso, não tem nada.

 

Sueli – Mas se o Floriano não deixar ele?

 

Shirley – Não é o Floriano que vai escolher, quem vai escolher é o governador. O Floriano não escolhe nada, depois que sair, saiu, entendeu? Ele pode dar a opinião: Ó, deixa o Fulano, ele pode dar opinião, mas não é ele quem escolhe, quem escolhe é o governador, é lá que escolhe, não é nós.

 

Sueli – O Esmeraldino tá bem quieto, né?

 

Shirley – Não, ele tá na dele. Ele faz parte da nacional, pra ele tanto faz, ele tá lá na nacional, tá ganhando o dinheiro dele lá na nacional, então ele não tá nem aí.

 

Sueli – Então esse negócio da gente cooperar o dinheiro e…

 

Shirley – Tem nada a ver.

 

Sueli – E é verdade se a gente não coopera o governo pode mandar embora?

 

Shirley – Pode! Pode por que todos cooperam, todos, todos cooperam. Não tem cargo comissionado que não coopera, tá? Por isso que o véio Nalci foi o primeiro a ajudar, ele sabe. Ele pode até falar, mas ele sabe.

 

Sueli – No caso ali do seu Felipe Reitz.

 

Shirley – O que que tem ele?

 

Sueli – Ele não é um comissionado?

 

Shirley – É, também vai ajudar. Só que agora ele não vai ajudar agora já, por que ele deu todas as mesas todinha pra.(Inaudível)…se montar o escritório tem tudo. Ele vai dar em mesa, computador e tudo, entendeu? Então está sendo descontado, ele deu, já era para ter buscado e botado lá em casa. Só que nós não buscamos ainda, porque eu não sei se vou ficar lá. Então eu falei para o Floriano: Floriano..(Inaudível)…Se eu arrumar um apartamento bom eu vou trazer as minhas coisas. Eu tô levando as coisas pra lá e depois tem que trazer pra cá. Por isso que não vai. O seu Felipe já queria que fosse buscar na semana passada, já pediu pra mim arrumar alguém pra buscar.

 

Sueli – Então…

 

Shirley – Só for conversar com esse pessoal de Brasília e eles já sabem que não é bem assim as coisas. Todo mundo coopera, em Brasília e em todo lugar.

 

Sueli – Não, só fico preocupada de “eles querer” usar isso aí contra o Floriano e..

 

Shirley – Dá nada..Dá Nada.

 

Sueli – É por que ali eu escutei muita conversa ali na sala do véio Nalci….Do Hercílio.

 

Shirley – Podem falar o que quiser, mas, sabem que não é bem assim.

 

Sueli – Complicado, meu Deus do céu.

 

Shirley – Eles ajudaram sempre quando tinham cargo. Ou não pensa que o Azael não ajudava eles? Claro que ajudava! O Azael mesmo falou que ganhava, mas também ajudava..(Inaudível)…Era eles que pagavam.

Ouça:

 

Entrei em contato com a assessoria de comunicação do Imetro que ficou de intermediar a manifestação dos servidores citados.

O Mauro citado pela servidora Shirley, segundo Sueli, é o ex-deputado federal, Mauro Mariani (MDB), com quem Shirley diz ter trabalhado. Liguei para ele, mas não fui atendido.

Quanto ao deputado federal, coronel Armando (PSL), ele não atendeu a ligação, o mesmo aconteceu com o deputado estadual, Sargento Lima (PSL). Armando foi citado diretamente na conversa, enquanto que o Jackson que aparece no diálogo, segundo Sueli, seria servidor do gabinete de Lima. Já o secretário de Desenvolvimento Econômico e Sustentável, Lucas Esmeraldino, também não atendeu a chamada.

O procurador do Imetro, Thiago de Lara Vieira, que é citado na conversa, entrou em contato. Ele é indicado de Douglas Borba, de quem é sócio em um escritório de advocacia. Vieira chamou de absurda a fala das servidoras e, disse que nunca se sujeitaria a tal situação. “Eu não me sujeitaria e o Douglas (Borba), muito menos, se sujeitaria a pedir algo dessa natureza”, afirmou.

Ele lembrou ainda que na época em que Borba foi vereador em Biguaçu, que alguns vereadores foram processados pela tal prática, da qual Douglas não participou. “Ele condenou a má prática”, afirmou. Lara Vieira disse ainda que vai procurar a direção do Imetro, e que todos os órgãos responsáveis serão chamados a apurar o caso.

Por sua vez, Douglas Borba negou qualquer prática dessa natureza e condenou quem as comete. Segundo ele, a denúncia já está sendo apurada, tanto, que ele mesmo acionou a Secretaria de Integridade e Governança para investigar o fato relatado. “A própria Casa Civil já pediu a averiguação. Se eu tivesse algo a esconder, teria mandado investigar?”, questionou.

Os demais citados na conversa estão sendo procurados pelo SCemPauta para que possam se manifestar.

Para receber via WhatsApp é só enviar uma mensagem pelo (49) 98504.8148.
 
PATROCINE ESTA COLUNA: (49) 985048148 / email: mlula.jornalista@gmail.com