...
Alesc Biguaçu Chapecó Fabrício de Oliveira Fiesc João Rodrigues Jorginho Mello Mário de Aguiar Rubens Spernau SCPar

O exemplo de Chapecó na segurança; A cartada de Fabrício em BC entre outros destaques

A união das forças de segurança com a área da Saúde e Assistência Social fará com que Chapecó reduza o número de homicídios, além de furtos e roubos em comparação com o ano passado. A previsão é baseada nos números apresentados até o momento. Enquanto em 2022 foram 34 homicídios, neste ano o número chegou a 20.

Nesta semana, ocorreu a 2ª fase da Operação Asfixia, organizada para combater os crimes de furto, roubo, tráfico de drogas, além do encaminhamento social de dependentes químicos. O projeto lançado pelo prefeito João Rodrigues (PSD) foi facilitado pela boa relação entre as forças de segurança que atuam em Chapecó, construída pelo consultor em segurança pública Márcio Bueno.

Vale destacar que, apesar dos bons resultados, a capital do Oeste sofre com a baixa no número de policiais. O efetivo da Polícia Militar, que há alguns meses tinha 250 policiais, agora conta com 180, enquanto a Polícia Civil tem apenas 80 policiais.

Nesta nova fase da operação, foram cumpridos 3 mandados de prisão e realizado o encaminhamento para internação involuntária de 3 abordados, os quais encontravam-se em situação de rua e dependência química. As operações somente são realizadas quando há vaga para internamento, que já tirou inúmeras pessoas das ruas, permitindo que retornassem ao convívio familiar após o tratamento. Além disso, há o encaminhamento a postos de trabalho.

Troca na SCPar

Ontem à noite, divulguei com exclusividade que o presidente da SCPar, Alexandre Amin Salum Júnior, será exonerado. É o primeiro nome a ser trocado pelo governador Jorginho Mello (PL). Além da troca de comando, a SCPar deve voltar a ser responsável pelas parcerias público-privadas.

Cartada de Fabrício

O prefeito de Balneário Camboriú, Fabrício Oliveira (PL), deu mais uma cartada para tentar tirar o deputado estadual Carlos Humberto Silva (PL) da disputa à sua sucessão. Filiou ao Partido Liberal o ex-prefeito Rubens Spernau (foto), atual secretário do Planejamento. A ideia de Oliveira é colocar Spernau no cenário para tentar fazer com que Humberto não seja o candidato. O prefeito não esconde que tem trabalhado contra uma candidatura do parlamentar. Por outro lado, Silva conseguiu o apoio dos deputados estaduais do partido e já se manifestou diretamente ao governador Jorginho Mello (PL), que não admitirá qualquer impedimento caso deseje disputar o pleito.

Troca no comando

Além da filiação de Rubens Spernau ao PL, o prefeito de Balneário Camboriú, Fabrício de Oliveira (PL), deu uma demonstração de força ao deputado estadual Carlos Humberto Silva (PL). O prefeito articulou a troca no comando do 12º Batalhão da Polícia Militar, tirando o tenente-coronel Rafael Vicente, que é ligado a Humberto. O parlamentar, que está em viagem à Europa, já teria se manifestado contra a troca. Outro a se manifestar foi o deputado estadual Jessé Lopes (PL), que criticou a troca em uma rede social, dizendo que foi por “picuinha do Comando Geral”.

Assume amanhã

O comandante-geral da Polícia Militar, coronel Aurélio Pelozato, acelerou a passagem de comando em Balneário Camboriú. Ficou marcado para amanhã, às 17h30, na sede do Batalhão. O tenente-coronel Eder Jaciel de Souza Oliveira é quem assumirá o comando.

Candidato em Biguaçu

O Partido Novo de Biguaçu definiu ontem à tarde o seu pré-candidato a prefeito. Fernando Henrique da Silveira possui doutorado em Ciências Jurídicas e Sociais, atua como advogado, é servidor público estadual e preside o Conselho Estadual de Entorpecentes de Santa Catarina (CONEN). Ele também é radialista, presidente do Rotary Club de Biguaçu (2021-2022), conselheiro da OAB de Biguaçu (2019-2025) e foi presidente da academia de letras do município.

Pacote Tributário 1

A Assembleia Legislativa aprovou, ontem, os primeiros projetos do pacote tributário. Uma das matérias aprovadas é a que reduz o ICMS do querosene de aviação. Serão beneficiadas as companhias aéreas que operarem no estado. A tributação varia de 1,5% a 12%, dependendo da quantidade de voos e aeroportos catarinenses que operar. Para voos entre municípios catarinenses, o ICMS será cobrado no menor percentual. A medida deverá baixar os valores de passagens entre Chapecó e Florianópolis, que hoje chegam a custar quase o preço de um voo para a Europa.

Pacote Tributário 2

Devido a um impasse entre os parlamentares e o Governo do Estado, alguns projetos que estavam pautados ontem para a Comissão de Finanças da Assembleia Legislativa foram retirados de pauta. Entre as matérias, o Recupera+ (Prefis), REFIN (parcelamento dos débitos do BADESC), do parcelamento do ITCMD (12→48x) e da cesta básica. O relator retirou os projetos para discutir com o presidente da Alesc, Mauro De Nadal (MDB), e com o secretário de Estado da Fazenda, Cleverson Siewert, sobre a possibilidade de acatar emendas e chegar a um acordo. O que se espera é que se acatem algumas emendas, como a antecipação do Recupera+ para 1º de janeiro, e a inclusão de mercadorias essenciais na cesta básica, como a linguiça e pescados, proposta pelo deputado Napoleão Bernardes (PSD).

Fiesc: balanço anual 1

Ontem, o presidente da Federação Catarinense das Indústrias (Fiesc), Mário de Aguiar, apresentou o balanço econômico anual. Ele destacou que Santa Catarina é a sexta maior economia do país e a participação catarinense no PIB do Brasil passou de 4,6% em 2020 para 4,8% em 2021, conforme dados do IBGE. Além disso, o estado tem o terceiro maior PIB per capita do país (R$ 58,4 mil) — atrás apenas do Distrito Federal e do Mato Grosso do Sul. De janeiro a outubro de 2023, a indústria catarinense registrou o quarto maior saldo de empregos com carteira assinada do país, com 32,1 mil vagas. Entre os setores que mais geraram vagas estão: construção civil, alimentos e bebidas, produtos químicos e plásticos, e metalmecânica e metalurgia.

Fiesc: balanço anual 2

Outro indicador apresentado pelo presidente da Fiesc, Mário de Aguiar, é a taxa de desemprego catarinense, de 3,6%, sendo que a média nacional é de 8,2%. A taxa de informalidade do estado é a menor do país, 26,8% contra 39,1% da média nacional, e o rendimento médio do trabalho é de R$ 3.392, enquanto no Brasil esse valor é de R$ 3.014. O Índice de Atividade Econômica catarinense acumula alta de 2,3% até setembro. No mesmo período, o Brasil cresceu 2,8%. O indicador, medido pelo Banco Central, é considerado uma prévia do PIB. A dinâmica de crescimento da economia catarinense se deve, sobretudo, aos setores de serviços e comércio.

Fiesc: balanço anual 3

O presidente da Fiesc, Mário de Aguiar, ainda destacou o aumento do gasto público e a falta de um compromisso efetivo com a meta fiscal para 2024. Essa situação preocupa a indústria catarinense, alertou Aguiar. Ele defendeu o equilíbrio fiscal como ponto-chave para a volta da confiança empresarial e dos investimentos.

Pedido de expulsão

O PDT de Joinville deu início a um processo de expulsão de seus quadros, do vereador Lucas Souza. O clima já não era bom entre Souza e o partido, tendo piorado após o vereador ter votado a favor do projeto que aumenta o tempo de contrato dos servidores temporários da saúde e educação, que passa de dois para quatro anos. A alegação é que Souza votou contra o que defende o PDT.

Faça parte do grupo do SCemPauta no WhatsApp. Não será aberto aos debates, será apenas para o envio das informações que divulgamos. Clique no link para acessar!! Qualquer problema, favor entrar em contato via WhatsApp: 49985048148

  Agora estamos nas redes sociais. Segue lá!
 
Instagram: @scempauta
 
Twitter:  @scempauta
 
https://www.facebook.com/scempauta