...
Adepol Alesc Amfri Ana Paula da Silva Beira-Rio Forquilhas Carlos Moisés da Silva darci de matos Gean Loureiro Marcos Ghizoni Orvino de Ávila Passaporte da Vacina Paulinha

O pós-crise no Governo do Estado; Prefeitos da Amfri anunciam apoio a Moisés; Lançada a programação de Verão na capital entre outros destaques

Agora estamos nas redes sociais. Segue lá!   Instagram: @scempauta   Twitter:  @scempauta   https://www.facebook.com/scempauta  

Para receber a coluna via WhatsApp, favor enviar mensagem com o seu nome e cidade e salvar o número: 49 98504.8148. Faça parte da lista de transmissão do site que todo mundo lê.

O incêndio que atingiu o Governo do Estado de sexta-feira (01) até o domingo (03) a noite, foi apagado ontem. O que chama a atenção é que em um governo de um bombeiro militar, que é a verdadeira profissão do governador, Carlos Moisés da Silva (sem partido), restou a um civil, ou melhor, ao chefe da Casa Civil, Eron Giordani, a missão de apagar o fogo.

Coube ao secretário, reunir os personagens e apontar os caminhos os quais deveriam ser seguidos. Em meio a tudo isso, o conserto de uma situação que poderia gerar a necessidade de mais explicações, que foi a não nomeação de Rafaelo Ross para o comando geral da Polícia Civil, e o encontro da solução em Marcos Ghizzoni. Figura respeitada no meio policial e bem relacionado politicamente, coube a ele a incumbência do cargo de Delegado-Geral.

O acordo foi firmado em um café na Casa D’Agronômica, onde integrantes do governo, o próprio Moisés, e os delegados Akira Sato e Marcos Ghizzoni, discutiram o futuro da Polícia Civil. Ao final, Sato anunciou que se afasta para tratamento de saúde, mas já acordado com Ghizoni que assumirá como adjunto do delegado-geral, ou em outro cargo a ser definido.  

Após as definições, Ghizoni foi para a coletiva onde anunciou que pretende aumentar o número de delegados no Departamento Estadual de Investigações Criminais (Deic). Uma fonte governista me disse que se havia qualquer empecilho, para qualquer investigação, fosse por falta de policiais, ou qualquer outra situação, que não haverá mais. “Sempre que o governo souber que há algum problema para o livre trabalho da polícia, todas as condições serão dadas”, afirmou uma fonte.

Outro anúncio feito pelo novo delegado-geral, é que os delegados tirados de suas funções, ou que pediram para trocar de cargo, poderão retornar às suas atividades anteriores caso tenham interesse. Segundo fontes, até mesmo a delegada que trabalha em uma investigação que envolveria um parente de um parlamentar, poderá retomar às suas funções. “Carlos Moisés deu total liberdade para Ghizoni trabalhar”, me disse uma liderança governista.

A leitura no governo é que os movimentos dos últimos dias foram para gerar um desgaste a Moisés, e aos militares de seu entorno, como forma de retaliação por causa da Reforma da Previdência, situação que ainda não teria sido assimilada pelos policiais civis que entendem que foram preteridos em relação a Polícia Militar. Algumas das fontes governistas com quem conversei, mostraram que o pensamento é o mesmo, que houve uma tentativa de assassinato de reputações.

Uma das ações em resposta já será dada nos próximos dias. Tanto o secretário de Estado da Administração, coronel Jorge Eduardo Tasca, como outros coronéis ligados ao Governo, entrarão com ações baseados na lei de abuso de autoridade. Eles querem ter acesso as investigações sobre a compra dos softwares, além de saber quem vazou os documentos. “Vamos saber quem vazou e com qual objetivo”, informou uma fonte.

Por fim, o governo acredita que retoma a paz que imperava nos últimos tempos. Giordani sai ainda mais empoderado, Moisés se livra de mais um desgaste na Assembleia Legislativa, pois os pedidos que a oposição apresentará na sessão de hoje, não devem prosperar.

Presidente da Adepol

A delegada Vivian Selig presidente da Associação dos Delegados de Polícia de Santa Catarina (Adepol), concedeu entrevista ontem ao SC News, da Jovem Pan News de Florianópolis 103,3 FM. Emanuel Soares e eu questionamos a delegada, sobre o que motivou a nota em que a entidade repudia qualquer interferência nas atividades da Polícia Civil. Vivian disse que foi um posicionamento geral, mesmo coincidindo com a saída de Akira Sato. Ela também disse que a categoria está insatisfeita desde a reforma da Previdência, situação a qual definiu como uma verdadeira desvalorização dos policiais.

Jogo do Poder

Hoje entrevisto na rádio Jovem Pan News 103,3 FM de Florianópolis, o deputado federal, Darci de Matos (PSD). Falaremos entre outros assuntos, do Código Florestal, do projeto de sua autoria que acaba com a pensão vitalícia deixada por militares às suas filhas, entre outros assuntos. Depois, a entrevista será com o novo delegado-geral da Polícia Civil, Marcos Ghizoni. O Jogo do Poder inicia às 16h. Ouça pelo rádio, ou nos assista através do perfil da Jovem Pan Floripa no Youtube.

Apoio a Moisés

No final de semana os prefeitos da Associação dos Municípios da Região da Foz do Rio Itajaí (Amfri), se reuniram em Bombinhas para um jantar. Capitaneados pela deputada estadual, Ana Paula da Silva, a Paulinha (sem partido), decidiram em conjunto anunciar o apoio à reeleição do governador, Carlos Moisés da Silva (sem partido). Na foto estão: Paulo Müller, o Paulinho (DEM), prefeito de Bombinhas; Libardoni Fronza, o Liba (DEM), prefeito de Navegantes; Aquiles da Costa (MDB), prefeito de Penha; Marcos Veber, o Marquinhos (PSDB), prefeito de Luiz Alves; Erico de Oliveira, o Dida (MDB), prefeito de Ilhota; Tiago Ballt (MDB), prefeito de Balneário Piçarras; Thiago Morastoni (MDB), vereador de Itajaí e filho do prefeito Volnei Morastoni (MDB), que saiu antes do registro da foto. Paulinho me disse que dos 11 prefeitos da Amfri, que conta com mais de 500 mil votos, 9 já declararam apoio a Moisés. Da região, apenas os prefeitos de Balneário Camboriú, Fabrício Oliveira (Podemos), e Emerson Stein (MDB), não declararam apoio. Fabrício é pré-candidato ao Governo do Estado, enquanto que Stein tem compromisso com o seu partido.

Independência

O grupo suprapartidário de prefeitos da região da Amfri, que anunciou apoio ao projeto de reeleição do governador, Carlos Moisés da Silva (sem partido), pedirá aos seus partidos a liberação para apoiar Moisés, independentemente do partido para o qual ele for. Durante o encontro organizado pela deputada estadual, Ana Paula da Silva, a Paulinha (sem partido), ficou acordado que, se os partidos não derem a liberação, o grupo sairá e se filiará onde Moisés assinar a ficha.

Verão na capital

Ontem Florianópolis fez o lançamento da programação de Verão. O prefeito Gean Loureiro (DEM) anunciou a programação e as regras sanitárias que serão adotadas. Réveillon, Carnaval, entre outros eventos estão confirmados, desde que não aumentem os números de contaminação e, sigam os bons resultados em relação a vacinação. A capital também se prepara para receber um grande número de visitantes de diversas regiões de Santa Catarina, do país, e, até mesmo, turistas do Chile e da Argentina.

Passaporte da Vacina

A apresentação será cobrada a partir de 16 de novembro. Serão exigidas as 2 doses para adultos e 1 dose para menores de 18 anos, pois ainda não terá dado o prazo para a segunda dose. A comprovação será feita pelo aplicativo “Conecte SUS”. Outros eventos e comércios com capacidade menor do que 500 pessoas que, queiram exigir a vacinação, poderão ganhar um selo de Local Seguro, para ficar exposto na frente do estabelecimento e divulgado no site da Prefeitura de Florianópolis.

Reclamação

Algumas pessoas que insistem em não se vacinar, estão reclamando do chamado Passaporte da Vacina. A questão é bem simples de entender: se fala no direito das pessoas a não se vacinarem, tudo bem, deve ser respeitado. Acontece que essas pessoas que exigem respeito, também devem respeitar a quem se vacinou. Vale lembrar, apesar da desinformação, que a vacina não impede a contaminação. A vacina impede que haja piora no quadro do paciente. Florianópolis tem o melhor índice do Sul do país, com 76,13% dos adultos e 60,87% da população geral com esquema vacinal completo.

Beira Rio Forquilhas

O prefeito de São José, Orvino Ávila (PSD), assina hoje com o governador, Carlos Moisés da Silva (sem partido), às 18h, no teatro do Centro Multiuso, o convênio para contratação de empresa de engenharia que realizará a infraestrutura viária da Avenida Beira-Rio Forquilhas. A obra está avaliada em R$ 62 milhões e a previsão para início dos serviços é janeiro de 2022, com a conclusão estimada em 12 meses. A construção da avenida será realizada nos limites dos bairros Sertão do Maruim, Forquilhinha, Forquilhas, Flor de Nápolis, Potecas, Picadas do Sul e Distrito Industrial, e servirá de conexão para a Rua Antônio Jovita Duarte com a rodovia estadual SC-281.

Para receber a coluna via WhatsApp, favor enviar mensagem com o seu nome e cidade e salvar o número: 49 98504.8148. Faça parte da lista de transmissão do site que todo mundo lê.

Agora estamos nas redes sociais. Segue lá!   Instagram: @scempauta   Twitter:  @scempauta   https://www.facebook.com/scempauta