...

Estado atrasa o pagamento a fornecedores da Saúde e fica sem medicamentos; Estado retém recursos federais destinados aos Hospitais; Aristides Cimadon ainda está no páreo entre outros destaques

Para seguir recebendo a coluna via WhatsApp, favor salvar o número: 49 98504.8148. Para quem ainda não recebe, favor enviar mensagem para o mesmo número.

FAZER JORNALISMO COM INDEPENDÊNCIA CUSTA CARO. ASSINE O SCEMPAUTA E APOIE A CONTINUIDADE DE NOSSO TRABALHO! 

Como se não bastasse todos os fatos lamentáveis que envolveram a Secretaria de Estado da Saúde no caso Veigamed, agora mais um problema exige uma atitude urgente do Governo do Estado. Após o afastamento de José Florêncio da Rocha da coordenação do Fundo de Saúde do Estado, ocorrido estranhamente após o seu depoimento à CPI dos Respiradores, a servidora que assumiu em seu lugar, teve que viajar a Porto Alegre para cuidar de sua mãe que está doente.

Sem nomear uma pessoa para substituir a servidora, a Secretaria de Estado da Saúde deixa as empresas fornecedoras esperando por uma pessoa capaz de fazer a liquidação das notas fiscais, pois, sem isso, os pagamentos não podem ser depositados, situação que também acarreta na paralização das entregas dos insumos necessários para o atendimento à população. “A Secretaria da Saúde do Estado é uma bagunça”, afirmou uma fonte.

Segundo relatos, já faltam medicamentos para a sedação de pacientes que precisam ser entubados, mesmo assim, não é possível efetuar a venda para o Estado enquanto a situação dos pagamentos não for resolvida. Para uma das fontes, a secretaria não se organizou o suficiente para atender os hospitais da rede e do Estado, sendo que no caso dos filantrópicos, além de não receberem os seus repasses em dia, também enfrentam a falta de medicamentos imprescindíveis para a intubação de pacientes.

Para comprovar essa situação que escancara a falta de gestão do Governo do Estado na área da Saúde, é possível confirmar as informações que estão sendo adiantadas pelo SCemPauta ligando na Gerência de Bens Regulares (Geber), da Secretaria de Estado da Saúde, ou então falando diretamente com os hospitais do Estado, a exemplo do Hospital de Içara que fechou parte de sua UTI justamente pela falta de medicamentos, enquanto que outras unidades hospitalares também já estão no fim de seus estoques, ou nem têm mais os insumos.

Além de toda essa situação preocupante, uma fonte relatou que os laboratórios estão vendendo esses mesmos medicamentos utilizados na intubação através de distribuidoras que estariam cobrando valores exorbitantes, sobretudo do Estado. Eu tive acesso a uma tabela de custos que me foi apresentada pela direção de um dos hospitais. Ela já estaria defasada, porém, é possível ter uma ideia da majoração dos preços dos remédios.

Um exemplo é o relaxante muscular chamado, Pancurônio, de 2mg/2ml, em dose para 24 horas. Esse medicamento custava antes da pandemia o valor de R$ 4,75, sendo que após o mês de abril, foi para R$ 10, 92, sendo que já há relatos de que esses valores estariam ainda maiores.

Por sua vez, o Rocurônio 10mg/5ml, relaxante muscular utilizado em cirurgias, com 200 ampolas dia, custava antes da pandemia o valor de R$ 20,95, sendo que após, o valor mais que dobrou para R$ 49,65.

Um terceiro item entre os remédios que estão sendo utilizados, o bloqueador neuromuscular, Cisatracúrio, de 2mg e 5 ml, com 160 ampolas dia, passou dos R$ 15,00 praticados antes do Coronavíus, para cerca de R$ 32,50, enquanto que o Atracúrio 10mg e 2,5ml, medicamento que é usado para a intubação de pacientes, com 80 ampolas dia, passou dos R$ 9,00 praticados antes da pandemia, para até R$ 26,00.

 

Estado não repassa

O Governo Federal repassou como auxílio emergencial aos hospitais com gestão estadual em Santa Catarina, o valor de R$ 56,5 milhões, porém, até o momento as entidades não viram os valores em suas contas. Ao todo, 36 hospitais contemplados na Portaria Federal 1393/2020 e, 92 da Portaria 1448/2020, já teriam que ter recebido os repasses. Se o Governo do Estado leu a portaria, sabe que os recursos após terem sido depositados em sua conta pelo Governo Federal, teriam que obrigatoriamente terem sido repassados no prazo máximo de 5 dias, mas, já se passaram 45 dias e até agora, nada.

 

Burocracia

Quando repassou as informações aos hospitais sobre a forma de recebimento dos valores do Governo Federal, a Secretaria de Estado da Saúde os informou que os hospitais precisariam apresentar apenas dois documentos, sendo a prova de regularidade fiscal e a declaração de que não infringe o artigo 7º, que proíbe a contratação de menores para trabalhos noturnos, perigosos ou insalubres. Quanto ao restante da documentação, os hospitais foram informados que seriam inseridos em novos contratos pela própria Secretaria de Estado da Saúde, ou caso a entidade não tenha, que poderia firmar uma declaração informando a impossibilidade da apresentação, porém, para a surpresa dos gestores está sendo cobrada uma documentação ainda maior. A situação provocou um pedido veemente da Associação de Hospitais de Santa Catarina (AHESC), que vem cobrando a agilização do repasse. Portanto, já não bastasse a falta de medicamentos, os hospitais também sofrem com a falta de dinheiro, graças a morosidade do Estado, o mesmo que o governador Carlos Moisés da Silva (PSL) aponta como o de melhor gestão no combate ao Coronavírus.

 

Situação emociona Zanotto

Durante a reunião da comissão externa realizada ontem, a deputada federal, Carmen Zanotto (Cidadania), que é a relatora do colegiado, chorou enquanto narrava a situação crítica de um paciente com Coronavírus, que está entubado.  Segundo ela, o paciente está muito agitado pelo fato de não ter recebido a medicação necessária para que fosse mantida a sedação. A situação é complicada devido a falta dos medicamentos adequados, o que fez com que Carmen apelasse ao Ministério da Saúde por uma solução. Assista:

 

Cimadon

A informação que divulguei ontem sobre a possível interferência dos deputados e lideranças ideológicas pró-Bolsonaro no estado, que teriam barrado o nome do reitor da Unoesc, Aristides Cimadon, para o Ministério da Educação, gerou grande repercussão. As manifestações foram contrárias a tentativa de impedir que Cimadon se torne ministro, o que na opinião de algumas lideranças, foi um grande desserviço para Santa Catarina, dada a importância de o estado ter um ministro em um dos principais setores do governo. Desde que o nome de Cimadon apareceu, a classe acadêmica apoiou a indicação devido ao currículo e o que o reitor representa para a educação superior no estado.

 

Ganharíamos todos

O presidente da República Jair Bolsonaro (sem partido) anunciará ainda hoje, o seu novo ministro da Educação. O professor e doutor Anderson Ribeiro que é reitor do Instituto Tecnológico da Aeronáutica (ITA), hoje seria o favorito, mas o reitor da Unoesc, Aristides Cimadon, ganhou um novo espaço nas últimas horas após uma informação de bastidores, de que a nomeação do deputado federal, major Vitor Hugo, teria muitas resistências, portanto, se Ribeiro não for anunciado, pode aparecer o nome de Cimadon que teria gerado uma boa impressão em Bolsonaro. O certo é que além da educação brasileira como um todo, Santa Catarina seria uma das principais beneficiadas ao ter em Cimadon, o nosso ministro, após acéfalos como Abraham Weintraub e Ricardo Velez Rodriguez, terem promovido verdadeiros retrocessos.

 

Conversas em Joinville

Em busca de manter o comando da Prefeitura de Joinville, o MDB tem tentado construir uma aliança para eleger o deputado estadual, Fernando Krelling a prefeito. O partido já estaria alinhado com o PTB e o PROS, além do PRTB, partido do vice-presidente da República, general Hamilton Mourão. Krelling deve se reunir nos próximos dias com lideranças do Progressistas e do PSB, partido que ainda aguarda uma definição sobre uma possível candidatura do deputado federal, Rodrigo Coelho.

 

Juventude do DEM

O segmento jovem do partido Democratas, sob a presidência do lagunense Rômulo Camillo começa a se movimentar de olho no fortalecimento do partido. A pedido do prefeito Gean Loureiro (DEM), o ex-coordenador Estadual da Juventude do Governo do Estado e atual diretor de Esportes da Prefeitura de Florianópolis, Fernando Fernandes, foi convidado para assumir a presidência da JDEM de Florianópolis e integrar a executiva estadual. Conversei com Fernandes que me confirmou o convite e disse que atualmente ocupa a secretaria-geral da JMDB/SC, além de ser Vogal da Executiva Nacional da JMDB. Ele afirmou ainda que, caso o MDB não esteja no projeto de Loureiro, que é bem provável que possa se desfiliar por uma questão de gratidão e lealdade ao prefeito e ao presidente da Câmara, vereador Fabio Braga (PSD).

Hoje tem debate

Como você já sabe, hoje a partir das 11h, mais um debate no SCemPauta. Maria Helena, Adelor Lessa, Ananias Cipriano e eu, Marcelo Lula, debateremos os principais fatos da política catarinense. Acesse: www.scempauta.com.br

Na coluna exclusiva aos assinantes

– Questionamento sobre a Secretaria de Estado da Administração ser considerada de interesse policial militar deve ser levada novamente à justiça;

– Entenda os questionamentos

 

Para seguir recebendo a coluna via WhatsApp, favor salvar o número: 49 98504.8148. Para quem ainda não recebe, favor enviar mensagem para o mesmo número.

FAZER JORNALISMO COM INDEPENDÊNCIA CUSTA CARO. ASSINE O SCEMPAUTA E APOIE A CONTINUIDADE DE NOSSO TRABALHO!