Vergonha na Segurança Pública do Estado, crise no PSL, Gean Loureiro deve exonerar comissionados entre outros destaques

Marcelo Lula

Marcelo Lula

Posto avançado no Bormann

Um governo com inúmeros militares terá que dar à segurança pública um tratamento adequado. Amanhã o comandante, Carlos Moisés da Silva (PSL), se torna o novo governador de Santa Catarina e assumirá alguns problemas que destoam da marca dada ao nosso estado, de ser um dos mais desenvolvidos do país.

Fui procurado por algumas lideranças de Chapecó, que estão preocupadas com a segurança da região. Ao todo, 65 policiais militares do Oeste foram enviados ao Litoral, sendo 48 de Chapecó para a Operação Veraneio. Essa situação tem facilitado as coisas para a criminalidade e para uma situação, no mínimo, absurda.

Costa e Alba
CASAN
Brasao

Há alguns meses a Sociedade Amigos de Chapecó (SAC), doou para a Polícia Militar uma base no Distrito de Marechal Bormann, um dos pontos de entrada no estado de quem vem do Rio Grande do Sul. O imóvel é equipado com computadores e equipamentos de monitoramento. Como PMs foram levados para o Litoral, o contingente ficou reduzido ao ponto de não ter policiais para deixar no local, estratégico para impedir a entrada de qualquer substância ilegal no estado.

Segundo uma fonte, marginais se aproveitando da situação começaram a apedrejar a base da polícia, ameaçando inclusive, de atear fogo no local. Para evitar que qualquer coisa aconteça, pasmem, empresários contrataram uma empresa privada de segurança para proteger um posto da polícia. Dá para acreditar?

A criminalidade pode ter reduzido em números, mas, a sociedade ainda sente no dia a dia o peso da falta de segurança. O Estado padece da falta de policiais, de estrutura e até mesmo de combustível. Quatro viaturas foram recuperadas por empresários de Chapecó, para que voltassem a funcionar. Combustível e até uma viatura nova foi doada pela Prefeitura. Agora, doar uma base e ter que oferecer uma segurança privada, que, aliás, encerra o contrato amanhã, para proteger um patrimônio que é da polícia, é surreal. É uma vergonha para o Governo do Estado.

Há tempos estava na pauta da região o pedido para que se instalasse um posto avançado da Polícia Militar. Receberam como resposta que o Estado não tinha R$ 1,2 milhão para a construção. Sabe por quanto a SAC construiu o posto do Bormann? Ao todo foram gastos R$ 95 mil. Viram a diferença?

Descaso: Teia de aranha na porta da viatura.

A foto da teia de aranha na porta da viatura, é o retrato do descaso com a segurança da população e, com os próprios policiais. Como estimular esses homens e mulheres de farda a irem para as ruas, para trabalhar em péssimas condições, inclusive, se colocando em risco devido a disparidade de armamento que usam em relação a de muitos criminosos? Veremos se o novo governo terá força e vontade para fazer o que os anteriores podem ter até tentado, mas, falharam gravemente. Enquanto um único cidadão sofrer qualquer tipo de violência, o Estado estará falhando.

Leia também »  Saída do Coronel Graff da Segurança Pública expõe mal-estar no setor

Figurativa, não!

A vice-governadora, Daniela Reinehr (PSL), terá que se fazer ouvir. Ela tem que olhar para o Oeste também. Se nada fizer para mudar a realidade da segurança pública em sua própria região, pode se considerar uma vice figurativa. Agora, o problema não está somente no Oeste. Veja no Norte do estado, no Sul entre outras regiões. Faltam policiais. Bem que a ideia do então candidato ao Governo do Estado, Gelson Merisio (PSD), poderia ser colocada em prática. Convocação urgente dos policiais da reserva.

Crise no PSL

Lideranças que participaram ativamente na linha de frente da campanha de Carlos Moisés da Silva (PSL) ao Governo do Estado, se reuniram em Florianópolis. Repudiaram o anúncio de mais dois militares no governo, principalmente a escolha da tenente Edenice Fraga, para ser a coordenadora estadual da Igualdade Racial do Estado, devido a sua ligação com a esquerda catarinense. As lideranças criticaram o fato dela ter sido candidata a deputada pela REDE e, por ser ideologicamente ligada ao PT e o PSOL. “O Moisés perdeu a mão. Pelo simples fato de ser militar, não está sendo levado em conta o alinhamento ideológico”, relatou uma fonte que esteve no encontro.

Crítica ao posicionamento

Em resposta a reação do presidente estadual do PSL, Lucas Esmeraldino, que respondeu à coluna dizendo que “quem reclama não está no espírito do PSL” e, que se admirou que procurem a imprensa para reclamar, antes de buscar conversar com ele na condição de presidente do partido. As lideranças querem que Esmeraldino adiante publicamente a pauta da reunião, pois, até o momento ninguém tinha a informação sobre qualquer encontro. “Se realmente vai haver, que não seja para refirmar o mantra repetitivo aos suplentes, que não devemos nada a ninguém, se colocando como se as “únicas” cerejas do bolo fossem o Lucas, Moisés e Bolsonaro em Santa Catarina, sem precisar de nominata de candidatos”, disse uma das lideranças no encontro.

Críticas aumentam

Enquanto que algumas lideranças tentam dar o tom de tranquilidade para o público, sobretudo ao eleitor do PSL, por outro, o tom das críticas tem subido a cada momento. Para uma fonte, é lamentável que o partido chegue meteoricamente ao poder e tão rapidamente perca a condição de protagonista para um projeto de futuro, por falta de consideração a quem trabalhou na campanha. “Se for para errar ou acertar, que estejamos juntos. Não vamos deixar as pessoas pelo caminho por causa de seus esquecimentos. É lamentável, mas, a dita velha política está aí, estão aplaudindo a derrocada do Moisés”, disse um pesselista. Outro participante do encontro em Florianópolis foi além, afirmando que se Eduardo Pinho Moreira (MDB) não sancionar o projeto aprovado na ALESC, sobre o acúmulo de salários dos inativos que assumirem cargos de secretários, que o governador Moisés vai enfrentar a primeira queda, independentemente da decisão que tomar, afirmou. O futuro secretário de Estado da Casa Civil, Douglas Borba, já teria recebido a missão de acalmar os ânimos da base.

Leia também »  Duodécimo: Moisés vai para o enfrentamento com os poderes

Crítica do leitor

“Moisés torce para o projeto do Kennedy ser vetado !? (Que proíbe acúmulo de salários). Que mudanças PSL quer? Governador não fala com a imprensa e com a base que o elegeu.

PSL precisa urgentemente de um líder político. Passou da hora dos deputados Federais do partido tomarem a frente. Onde estão? – Leitor – Cesar Aguiar – Jaraguá do Sul

Mocellin contesta

O futuro líder do governo na Assembleia Legislativa, coronel Onir Mocellin (PSL), me ligou para explicar que é contra a sanção do projeto que evita o acúmulo de salários de quem está inativo ou na reserva e assume um cargo comissionado. De acordo com Mocellin, a ideia não é acumular, mas, complementar até o teto, o que a Constituição Catarinense permite, que se iguale ao salário de um desembargador. “Não queremos acumular. Queremos só o que a Constituição já permite, que é o complemento. Não podemos trabalhar de graça para o Estado”, disse Mocellin.

Mudanças na capital

 Tem quem afirme que cerca de 70% dos cargos comissionados no governo de Gean Loureiro (MDB), em Florianópolis, serão exonerados. Segundo uma fonte, as dispensas podem até ser publicadas hoje ou no decorrer da semana no Diário Oficial. Um suposto acordo teria sido feito com o ainda governador, Eduardo Pinho Moreira (MDB), para que o percentual de exonerados indicados pelo próprio Loureiro e por vereadores, seja ocupado por nomes que serão exonerados do Governo do Estado. O interessante é que essa situação na capital, pode ressoar em outras regiões do estado. A conferir.

Notas rebaixadas

Santa Catarina teve a sua nota rebaixada pela agência internacional de gestão de risco, a Standard&Poors. Agora passamos para o risco “BB-” para negócios internacionais e “BRAA+” para o Brasil. Isso quer dizer que ao buscarmos empréstimos no exterior, a exemplo do que o novo governador, Carlos Moisés da Silva (PSL), pretende buscar junto ao Banco Mundial, poderemos pagar juros mais altos. A agência justificou a decisão baseada nas contas do Estado as quais ainda não estão sanadas e, ameaça com um novo rebaixamento se as reformas e medidas fiscais não forem adotadas a curto prazo.

Leia também »  Prefeito Gean Loureiro e ex-secretário Veloso entre os presos da Operação Chabu

No apagar das luzes

A ainda secretária de Assistência Social e Habitação, Romanna Remor, foi a Brasília no final da semana passada para uma última missão. Ela voltou a noite, chegando as 08h30 em Florianópolis com a garantia de mais um convênio aprovado de R$ 500 mil, para aquisição de veículos destinados ao transporte de alimentos da agricultura familiar. No sábado (29) de manhã, foi ao encontro do governador, Eduardo Pinho Moreira (MDB), e pediu que ele assinasse o convênio que já foi enviado ao ministro. “Missão cumprida”, disse Romanna após a correria.

Alerta!!

O premiê israelense, Benjamin Netanyahu afirmou que o presidente, Jair Bolsonaro (PSL), levará a Embaixada do Brasil de Tel Aviv para Jerusalém. Santa Catarina sabe os riscos que corre devido a essa decisão. Se os países muçulmanos boicotarem a nossa carne por causa de uma decisão dessas, todo o estado sentirá os prejuízos que são imensuráveis.

Feliz Ano Novo !!

Caros amigos! Mais um ano se passou e o SC em Pauta conseguiu conquistar mais amigos leitores. Para este ano de 2019, teremos muito mais novidades, a exemplo da entrada de novos colegas no portal de outros pontos do estado, além de outros produtos que serão colocados no mercado pelo SC em Pauta. Os convido a continuar conosco, pois, vem muitas novidades legais pela frente. Que todos tenham um ótimo ano novo, com muitas benções e um 2019 somente de notícias boas !!

 

Receba pelo celular !!
 
Para receber via WhatsApp é só enviar uma mensagem pelo (49) 98504.8148.
 
Patrocine esta coluna: (49) 985048148 / email: [email protected]
 

Atualizado em:
Gean Loureiro fala ao SC em Pauta, advogado da Alcatraz entre os presos da Operação Chabu, as alternativas de Moisés para o duodécimo entre outros destaques
Gean Loureiro concede coletiva neste momento e diz que sai mais forte politicamente
Operação Chabu: TRF4 informa detalhes das prisões de hoje
Gean Loureiro já está na Polícia Federal