...
Ana Vera Sganzerla Truccolo Antídio Lunelli Balneário Piçarras delegado Francisco Ari Plantes dos Anjos Márcio Menor de Idade Motel 101

EXCLUSIVO: O suposto caso de Antídio Lunelli com um menor de idade

Para receber a coluna via WhatsApp, favor enviar mensagem com o seu nome e cidade e salvar o número: 49 98504.8148. Faça parte da lista de transmissão do site que todo mundo lê.

Eu tive acesso com exclusividade a um inquérito policial, entre outros documentos, que expõe uma suposta relação entre o hoje prefeito de Jaraguá do Sul, Antídio Lunelli (MDB), pré-candidato ao Governo do Estado, e um menino que na época dos fatos tinha 14 anos de idade. Atualmente, o rapaz tem 26 anos.

No dia 6 de maio de 2009, por volta das 16h, a Polícia Militar recebeu uma denúncia anônima de que um homem acompanhado de um menor, estava no Motel 101, localizado na entrada de Balneário Piçarras. De acordo com o relato feito na delegacia pelo policial militar, Osvaldo Hainisch, que na época estava lotado no município, a pessoa que denunciou relatou que uma camioneta Range Rover, de cor preta, havia entrado no motel com duas pessoas do sexo masculino, sendo que um aparentava ser menor de idade.

Ainda de acordo com o depoimento, os policiais se dirigiram até o local e ficaram aguardando do lado de fora. Quando viram o veículo saindo do motel, o policial identificado na época como soldado Vicente, fez a abordagem. O auto de prisão aponta que o veículo estava sendo conduzido por Antídio Lunelli, que na época tinha 45 anos de idade e, estava acompanhado de um menino de 14 anos. Por razões óbvias, não será divulgado nada que possa identificar o então menor.

Motel onde houve o flagrante

Ao ser questionado pelos policiais sobre o que foram fazer em um motel, o menino respondeu que “estavam apenas fazendo carícias”, o que fez com que fosse dada voz de prisão a Lunelli. Na época o menor, de família simples, cursava a 8ª série do ensino fundamental e, sua aparência, de forma alguma dava a entender que ele era maior de idade.

Na delegacia o hoje prefeito, disse que permaneceria calado. Um de seus irmãos e o advogado, Nabor Miguel Pires, foram chamados a pedido de Lunelli. Enquanto isso, o menor relatava em depoimento ser homossexual e, que se relacionava com rapazes há cerca de dois anos. Sobre Antídio, disse que o conheceu duas semanas antes do flagrante policial e que, Lunelli havia se apresentado como Márcio.

“Primeiramente pediu informações; Que durante a conversa convidou o declarante para saírem juntos; Que depois desse encontro se viram aproximadamente 7 vezes, dentre as quais mantiveram relação uma vez somente, e não foi na data de hoje; Que na data de hoje recebeu ligação telefônica de “Márcio” e marcaram para se encontrar na Praia Central; Que de lá foram ao Motel 101, por volta de 15:30 horas; Que fizeram apenas carícias, Mas não mantiveram relações sexuais; Que ficaram no motel aproximadamente 1 hora; Que resolveram ir embora, sendo que na saída do motel foram abordados pela Polícia Militar e foram conduzidos a Delegacia de Polícia; Que em nenhum momento o declarante cobrou pelos encontros, ou recebeu pagamento; Que o declarante está envolvido emocionalmente por “Márcio”, Que neste ato soube chamar-se Antídio Aleixo Lunelli (sic)”, diz um trecho do Boletim de Ocorrência.

A mãe do menor foi chamada à delegacia pelos policiais. Ao chegar no local soube do acontecido e, segundo informações apuradas, se mostrou surpresa e um pouco assustada com a situação. Relatou em depoimento que há pouco tempo havia sido informada pelo próprio menino, que ele é homossexual, mas que não tinha conhecimento de que o filho já mantinha relações sexuais. Ela ainda se mostrou surpresa na delegacia, ao saber que o menor estava acompanhado de um homem que naquele momento estava preso, por ter sido flagrado junto com o filho em um motel. “Que a declarante tenta manter seu filho em casa, pois achou que estivesse dando liberdade demais para o filho (sic) ”, diz parte do depoimento da mãe do menor.

Antídio assinou o auto de prisão em flagrante e a nota de culpa. Em ofício, o delegado Francisco Ari Plantes dos Anjos, informou para a então juíza da Comarca de Balneário Piçarras, Ana Vera Sganzerla Truccolo, sobre a prisão de Antídio, e que seria encaminhada a ela dentro do prazo legal, cópia do auto e da nota de culpa.

O que chama a atenção, é que não há nos documentos obtidos nenhuma menção ao Ministério Público. Como se trata de uma ação incondicional, seria obrigatório o envio para o promotor da Comarca em que ocorreu o fato, para que acompanhasse o caso, pois, o MP teria o dever de denunciar. Vale lembrar que em 2018 passou a vigorar a lei 13.718/18 que diz: “A ação penal será pública incondicionada independente da vítima ser ou não classificada como vulnerável, ser ou não maior de 18 anos, o crime for praticado com ou sem violência real”.

Tanto o menino quanto a mãe foram procurados. A informação é de que o jovem estaria morando fora do Brasil. Já a sua mãe que não vive mais em Santa Catarina, se recusou a conversar ao ser questionada sobre o caso. “Olha, não, é um fato, não, que eu quero esquecer. Já foi, já passou, eu nem cheguei a ver a criatura porque quando eu cheguei esconderam ele, então é um fato que meu filho já superou também e eu não quero saber”, afirmou e em seguida desligou o telefone.

Atenção!

Contraponto

A assessoria do prefeito Antídio Lunelli foi procurada e, informada de que eu estava de posse dos documentos relativos a prisão. Me foi enviada a seguinte resposta: “Não sei que vc tem de docs, do que está falando exatamente se soubesse submeteria alguma manifestação a ele e por isso não tem como responder. Até onde eu saiba, ele não tem condenação alguma e foi eleito em 2016 e 2018 com esses ataques sem efeito, por ser algo muito frio e característico de Fake News. Prejudicará não a candidatura dele, mas sim os filhos, mais de 5000 colaboradores, sociedade Jaraguaense e etc. Por isso a questão de consciência sua (sic) ”, escreveu a assessoria. 

No final da semana passada, voltei a fazer contato para dar espaço ao contraponto. Recebi da assessora a seguinte resposta: “Oi Lula, boa tarde. Penso que há um enorme engano da sua parte e má fé das suas fontes. Não há nenhum processo contra o Antidio, nada. Tenho todas as negativas, inclusive. Isso é só baixaria. De qualquer maneira, vamos acionar o jurídico e lhe dou um retorno. Abraço”, escreveu. Ela também disse que Antídio nunca foi preso. Já quanto ao contraponto, ainda não recebi.

Empresário e político

Em 2016 Antídio Lunelli (MDB) chamou a atenção ao se eleger em Jaraguá do Sul, por ser o terceiro prefeito eleito mais rico do país. Com um patrimônio declarado na época de R$ 280,5 milhões, o homem simples que iniciou trabalhando no campo, se tornou um empresário de sucesso, dono de um conglomerado de 16 fábricas no setor têxtil.

Lunelli se reelegeu no ano passado para mais um mandato à frente do município, onde tem sido bem avaliado. Defensor de bandeiras conservadoras, ganhou espaço ao se colocar como pré-candidato a governador. Atualmente, ele disputa a preferência do partido para a indicação do candidato do MDB à Casa D’Agronômica.

Para receber a coluna via WhatsApp, favor enviar mensagem com o seu nome e cidade e salvar o número: 49 98504.8148. Faça parte da lista de transmissão do site que todo mundo lê.

  Agora estamos nas redes sociais. Segue lá!
 
Instagram: @scempauta
 
Twitter:  @scempauta
 
https://www.facebook.com/scempauta