...

Reitor da UFFS ganha ação contra ativista, Dona Ivete no aquecimento e outras notícias

Alvo de ativistas, o reitor da Universidade Federal da Fronteira Sul (UFFS), Marcelo Recktenvald, precisou enfrentar uma disputa judicial para garantir o seu cargo na instituição.

O tema ganhou repercussão e o professor foi alvo de ativistas, principalmente por ter sido escolhido pelo presidente Jair Bolsonaro. Um deles, conselheiro da instituição chegou a impetrar Mandado de Segurança tentando destituí-lo. A tentativa de derrubar o reitor foi considerada ilegal, por parte do TRF 4.

Entenda

Para ser nomeado um reitor, uma lista tríplice é enviada ao presidente da República, para que dentre estes, alguém seja escolhido pelo próprio presidente. A revolta de alguns conselheiros da instituição é que o reitor foi o terceiro mais votado e não era o queridinho deste grupo.

Porém, como o professor integrava a lista tríplice, competia ao presidente da República escolher o reitor. Isso aconteceu e a revolta dos ideólogos começou.

Dona Ivete

Com a real possibilidade de Jorginho Melo (PL) ser candidato ao governo de Santa Catarina, o MDB poderá ser beneficiado independente de alianças na majoritária.

Caso Jorginho Melo dispute a eleição e seja eleito, a vaga no Senado Federal será ocupada pela sua primeira suplente, a emedebista Dona Ivete. Portanto, o fator Dona Ivete poderá ser um aperitivo nas discussões para a eleição majoritária.

Dona Ivete é viúva do ex-senador Luiz Henrique da Silveira. Se isso ocorrer, Joinville terá integrantes em todas as esferas legislativas.

Exemplo no PR

A cidade paranaense de Palotina, quase na divisa com o Mato Grosso do Sul, tem 1 câmera de monitoramento para cada 59 habitantes. Segundo os dados da Polícia Militar, a cidade teve uma redução de 80% nos índices de criminalidade local.

A Camerite, empresa responsável pelo monitoramento surgiu em Joinville em 2012 e já é responsável pelo monitoramento de aproximadamente 800 cidades no Brasil.

Outra cidade que vem avançado no número de câmeras de monitoramento em Santa Catarina, é Bombinhas. Segundo a empresa, esta já é a 8° cidade mais monitorada pela empresa.

Darci

O parlamentar catarinense vive um ótimo momento em Brasília, sobretudo, como relator da Reforma Administrativa na CCJ.

Claro, a Reforma desagrada a esquerda que usa os artifícios sindicais e os modelos tradicionais de ataques. Segundo informações, mais de 40 outdoors espalhados por Joinville servem para atacar Darci de Matos (PSD) e dar a falsa sensação que a reforma destrói a prestação de serviços à população.

Flores

Nem tudo são flores! Afinal, todos sabem que fui contrário ao voto de Darci de Matos (PSD) em relação à prisão de Daniel Silveira. Bem como, ao seu voto contrário para tornar crime de responsabilidade aos ministros do STF, a invasão de competência. Darci poderia estar em melhores condições e recebendo mais apoio do catarinense, esses votos impopulares dificultam a sua relação com o eleitor.

No Jornal da Manhã da Jovem Pan Joinville, cheguei a debater sobre esse assunto com o deputado. Segue o link:

Moisés bem

Moisés está surpreendendo em sua segunda volta. Conciliador e sem decisões imprevisíveis, o novo governador Moisés tem apresentado uma postura positiva para o estado de Santa Catarina.

Tenho sido crítico à forma que se deu o loteamento do governo Moisés, mas isso não significa que não seja eficiente. E convenhamos, o que realmente importa!

Quanto à Joinville

Como um bom joinvilense, vou sempre defender a cidade. E nisso, Moisés continua errando… Continua ignorando a maior cidade do estado. Sem presença no governo, sem ações contínuas e sem relacionamento próximo.

Joinville é uma ilha no Continente.