...

Movimento contra Daniela intriga; Câmara de Joinville imputa má-fé contra vereador e outros destaques

JOÃO RODRIGUES E CLÉSIO SALVARO SÃO CONTRA DANIELA?

Ser oposição à Daniela é tarefa fácil, admito. Mas achar que João Rodrigues e Clésio Salvaro fazem por pura convicção contra o Impeachment do governador, é difícil de acreditar.

Prefiro analisar o fato como uma consequência meramente política. O PSDB e o PSD são partidos que almejam liderar um projeto para o governo de Santa Catarina. Temos visto a algum tempo, ensaios de Clésio Salvaro (PSDB) para ser um eventual candidato ao governo do estado e João Rodrigues (PSD) também aparece por ali.

Também sabemos que Moisés é carta fora do baralho na disputa do governo de Santa Catarina. Daniela já é diferente – se for bem no governo – entra imediatamente no páreo para a disputa eleitoral. Portanto, Daniela representa um risco ao desenho eleitoral de 2022 e que já estava se consolidando sem Moisés.

JORGINHO FORA

A maioria dos nomes para a disputa do governo do estado são ensaístas e precisam de uma série de fatores para construir uma candidatura. Portanto, uma eleição sem uma governadora buscando reeleição é muito melhor para todos os demais.

O único que não precisa entrar nessa raia é o senador Jorginho Mello. Ele já é um nome forte na disputa e os motivos já foram consolidados fora desse cenário espinhoso de impeachment.

ESQUISITO

O único vereador a utilizar diárias em Blumenau no ano passado, foi Ailton de Souza. O parlamentar, que é conhecido como Ito, foi à Brasília para uma reunião no dia 14 de dezembro. Segundo o que consta no Portal da Transparência da Câmara de Vereadores de Blumenau, foi empenhado o valor de R$ 1.473,60 em diárias. Lembrando que diária é um valor que é acrescido ao subsídio (salário) do parlamentar que se ausenta da cidade. Já as passagens aéreas para viajar à Brasília, custaram R$ 2.492,02.

Segundo o relatório, o vereador foi no Ministério da Saúde e numa reunião com o deputado Jorge Goetten para pedir recursos em favor do combate à pandemia. Goetten é catarinense esteve substituindo o deputado Peninha no fim do ano passado.

O esquisito é que o deputado é de Rio do Sul, cidade que fica a menos de 100km de Blumenau.

POLÍTICA ULTRAPASSADA

Aí fico pensando aqui, não seria mais fácil ele ter ido até a cidade do deputado? Chegava lá, apresentava as demandas ao deputado e pedia a este, que cobrasse do Ministério? Seria até mais coerente, afinal, é competência legislativa de um deputado federal ou senador. Conseguiria chegar no mesmo objetivo, economizando dinheiro público.

Mas esse nem é o caso. O problema maior é saber que um vereador – representante do povo – que ganha um salário considerável para cumprir a sua função, precisa acrescentar mais R$ 1.473,60 ao seus rendimentos para viajar representando o povo, justamente o motivo pelo qual foi eleito. Ora, tem muito pai de família que ganha esse valor por mês e parte desse valor ainda é usado para pagar impostos para assalariar políticos.

CÂMARA DE VEREADORES DE JOINVILLE IMPUTA MÁ-FE CONTRA CLÁUDIO ARAGÃO

A Câmara de Vereadores de Joinville pede na Justiça, a suspensão da liminar que paralisou a tramitação da Reforma da Previdência em Joinville. Isso era aguardado, mas o que chamou a atenção foi que a Casa Legislativa imputou má-fé contra o vereador Cláudio Aragão (MDB). Aragão teria ocultado informações em Mandado de Segurança impetrado por ele, induzindo o juízo a erro.

PÍER 30

Visionário, o empresário Joel Schmidt está construindo um condomínio empresarial, retroviário e logístico nas margens do novo contorno da BR-280. Menos de 10km do Porto de São Francisco do Sul, o condomínio vai gerar mais de 2 mil postos de trabalho para a cidade.

Criador de búfalos, quando soube do novo traçado da rodovia federal, o empresário viu uma ótima oportunidade de negócios. Desde então, trabalha na execução da obra milionária.

CLENILTON BEM AVALIADO

Outra cidade que foi alvo da Flemming Pesquisas foi Araquari. Reeleito com impressionantes 82% do votos válidos, Clenilton possui 70% de aprovação nos 100 primeiros dias no comando da Prefeitura. A pesquisa registrou apenas 7% de reprovação ao governo. 10% da população acha o governo regular.

INSCRITO NO QUINTO

O advogado Hélio Barreto, também inscrito na lista de 29 candidatos à vaga de desembargador do Tribunal de Justiça de Santa Catarina, através do quinto constitucional, questionou a publicação de sexta-feira (16), que apresentava os nomes inscritos.

Naturalmente, além da lista de todos os nomes, fiz algumas considerações de alguns candidatos. Respeitosamente, o advogado asseverou que não prestei os requisitos do jornalismo isento. Em outro momento do texto, há um alerta de que houve parcialidade no texto publicado. Obviamente, jamais houve parcialidade e nenhum nome de candidato foi ocultado da lista, apenas cumpri o papel de quem faz análises do cenário. Além disso, meu texto jamais irá definir votos de conselheiros, que possuem convicções e métodos próprios para avaliar as competências.

Por fim, o advogado fez algumas considerações de seu currículo, que faço questão de copiar aqui:

“Atuo no combate a crimes financeiros praticados contra particulares há 19 anos, enfrentando todos os graus de jurisdição nacional e em Portugal, com o tema, e, em razão deste conhecimento adquirido, ser portador, em conjunto com os demais pares a doença do movimento repetitivo da advocacia, que é a dor de cotovelo, pelo tempo que de espera nos balcões em que a justiça se apresenta a sociedade, não tenho vergonha alguma de minha atuação jurídica, tenho plena convicção de que o status quo de descrédito da advocacia perante a sociedade é resultado da forma como o judiciário vem deixando de lado, em muitos casos as demandas sociais mais justas, e, neste particular, quem já está no contexto deste enredo não se mostra com credenciais para nova forma de agir hoje exigida na investidura do grau de Desembargador, em minha plataforma que será lançada semana que vem, esta nova forma de agir, atingindo os anseios da sociedade no enfrentamento das injustiças e fortalecimento da classe da advocacia”

MOISÉS GANHANDO

Mesmo afastado do cargo e com o futuro indefinido, Moisés continua recebendo o salário de governador. Por estar afastado, ele recebe 3/4 do valor integral, além de continuar morando no Palácio. Caso volte às funções, Moisés receberá retroativamente o que deixou de receber.