...
ananias cipriano bolsonaro moises bolsonaro sc china cpi dos respiradores lima daniela reinher impeachment sc noticia joinville noticias politica política moise s impeachment moises Sargento Lima

“Eu não encontrei nenhuma declaração do presidente dizendo: a vice fica!” Afirma Sargento Lima; Confira a entrevista exclusiva com o deputado

O deputado Sargento Lima concedeu entrevista exclusiva ao SCemPauta e abriu o jogo sobre diversos temas. Falou sobre a situação política em Joinville e qual candidato deverá apoiar nessa eleição, chegando a dizer que tem candidatos que não quer nem para vizinho.

Questionado sobre a situação envolvendo a vice-governadora Daniela Reinehr, ele admite não ter tido grandes relações com ela e votará pelo seu afastamento com a consciência tranquila. Sobre Moisés e Udo Döhler, prefeito de Joinville, disse que são nomes para serem esquecidos na política.

Confira a entrevista na íntegra:

Deputado, você não irá disputar a eleição. Mas pelos seus posicionamentos na internet já percebe-se que vai apoiar o vice-prefeito Comandante Coelho. Isso é verdade?

Não irei concorrer, contudo moro e voto em Joinville e dos nomes que estão aí, não quero nem para vizinho. Muito menos para prefeito, com exceção do Nelson Coelho, que assumiu compromissos comigo e com o eleitor.

Quais compromisso?

Reduzir o número de comissionados, não ter uma relação promíscua com a Câmara, adotar uma política voltada para trazer empresas para Joinville e não tornar nossa cidade pesadelo dos investidores, o que é atualmente!

Você tem sido crítico à gestão Udo e Moisés. Diante do que você vê, quais lições não devem ser seguidas?

Duas lições importantes, o povo não suporta mais espertalhões, a segunda é acreditar que os moldes das velhas práticas políticas ainda podem salvá-los da própria imagem que possuem: Udo e Moisés sempre serão aquilo que sempre foram.

Fazendo um contraponto, quais são as lições positivas?

Lições positivas? Nenhuma, o legado de ambos é digno de esquecimento, a hora é de virar a página e dar uma chance para Santa Catarina e para Joinville.

Por falar em Moisés, o Impeachment se aproxima. Você tem declarado que votará pelo afastamento do governador. Isso se mantém?

Mantenho, não vi até agora um motivo inteligente que me leve a mudar de opinião, essa justificativa de que ele fez coisas boas é a mesma justificativa das mulheres vítimas de violência, “ele me bate, mas quando está sóbrio é um bom homem!”

E Daniela, apoia o Impeachment dela também?

Em quase dois anos, não fui questionado nem por ela e nem pelo governador sobre nenhuma decisão, e olha que somos do mesmo partido. A aproximação da vice coincidiu com a história do impeachment por parte dela. Não mudaria em nada para mim ela ficar ou sair, se importasse a defenderia, voto em ambos com minha consciência tranquila.

Mas ela não teria recebido apoio do presidente?

Eu não encontrei nenhuma declaração do Presidente dizendo “A vice fica!” Se ele disser eu apoio, pois é à ele e à direita conservadora que devo meu mandato.

Com o afastamento deles, surge um novo governo. Como tem sido os bastidores da Alesc, tens conversado com Júlio Garcia?

Não conversei com ele sobre o assunto, não acredito em criar um “complô”. O curso natural do processo político de Santa Catarina já vem seguindo naturalmente seu caminho.

Deputado, sobre o caso dos respiradores. Você presidiu a CPI e acompanhou de perto o caso, você acredita que Moisés teve relação?

Sim, ficou claro na CPI, o que seria mais desastroso ainda se ficasse e evidente que ele não tinha conhecimento, daí a icônica figurinha com colete da defesa civil perderia a graça, única característica que ainda possui.

Que tipo de relação ele teria?

Declarações em lives deixam claro que ele sabia da compra, fez referência à compra e à China, se ele sabia dos detalhes da compra, aí são outros quinhentos. Mas dá compra em si, isso ficou muito claro!

Por fim, como tem sido esses dois anos no parlamento catarinense?

Tem sido uma maravilha, tenho trabalhado bastante e aprendendo muito. Produzi bastante, só não fiz mais por causa da “pandemia política” – mas não foi somente eu – Santa Catarina também andou com o freio de mão puxado.

Todos os domingos, faremos uma entrevista exclusiva com autoridades do estado de Santa Catarina.