A sabatina do Merisio, as dificuldades que Galli terá na ADR, a geração de empregos no estado entre outros destaques

Na sexta-feira participei da última etapa das Sabatinas Regionais, realizadas pelo deputado estadual Gelson Merisio (PSD). Quanto pré-candidato a governador, ele mostra que segue trabalhando forte para ser o nome que liderará uma ampla aliança contra os emedebistas.

Para isso, assumiu há algum tempo um discurso anti-MDB, não por questões pessoais, disse ele, mas, por diferença de visão de mundo. Esse posicionamento lhe rendeu uma parceria junto ao também pré-candidato ao Governo, deputado Esperidião Amin (Progressistas), com o presidente estadual do PSB Paulinho Bornhausen e mais 9 partidos. Para deixar claro o distanciamento dos emedebistas, Merisio defende o fim das regionais. Entende que o processo findou e, que está na hora de adotar uma desconcentração de recursos e serviços através da tecnologia aliada as associações de municípios.

Outro ponto, é quanto a relação com os demais poderes através do repasse do duodécimo, o que segundo o pessedista, será resolvido através de um novo pacto que será discutido com a participação de todos. Merisio também projetou uma melhora na economia estadual prevendo que neste ano, a receita tributária será 11% maior do que a do ano passado, além de um PIB no mínimo, 6% maior em relação a 2017. Segurança pública, saúde e educação também estiveram na pauta.

Merisio ainda explicou que a chamada “Vez do Oeste”, não é um processo bairrista contra as demais regiões. Ele defende que é para a manutenção de um modelo e cultura que tem que ser preservada, através de um desenvolvimento igualitário e equilibrado entre todas as regiões catarinenses.

Por fim, anunciou que acabou a geografia das urnas, numa clara alusão ao modelo de distribuição de cargos, criado também em um governo do MDB, pelo falecido ex-governador Luiz Henrique da Silveira. O questionei se é possível governar sem distribuir cargos aos deputados aliados. Em resposta, Merisio defendeu o empoderamento dos parlamentares junto as suas bases, ao invés de conceder cargos para que os parlamentares tenham cabos eleitorais ganhando salário pago pelo Estado. Resta saber, até que ponto os possíveis aliados serão minimalistas ao ponto de abrirem mão de ter indicados em troca da redução de custos de um governo.

Isenção e empregos

O governador Eduardo Pinho Moreira (MDB) comemorou a decisão do Conselho Nacional de Política Fazendária (Confaz), que aprovou a adesão de Santa Catarina ao convênio de isenção de ICMS para micro e mini geradores de energia elétrica com o limite de até 1 megawatt (MW) de potência instalada. A expectativa é que para cada MW instalado, haja a geração de, aproximadamente, 30 empregos diretos em toda a cadeia produtiva, que envolve desenvolvimento de projetos, instalação, fabricação, vendas e distribuição. “A desoneração vai impulsionar um setor estratégico para o crescimento do Estado. Ao abrirmos mão dessa tributação, estaremos promovendo o desenvolvimento de um segmento de enorme potencial”, destacou o governador. O próximo passo será encaminhar um projeto de lei para aprovação da Assembleia Legislativa.

Galli assume

O secretário Executivo da Agência de Desenvolvimento Regional de Chapecó, Sérgio Galli, assumiu oficialmente as atividades na última terça-feira (15). Nesta sexta-feira (18) foi apresentado oficialmente no auditório da ADR, em evento que reuniu lideranças regionais e equipe. Galli é natural de Chapecó e tem 52 anos. Bacharel em Ciências Contábeis, é empresário do ramo de combustíveis e transporte. É presidente do Sindicato do Comércio Varejista de Derivados de Petróleo de Chapecó (Sindipostos) e membro do Conselho Empresarial da Associação Comercial e Industrial de Chapecó (Acic). Também foi conselheiro da Acic e da ONG Verde Vida. A trajetória é marcada pelo envolvimento com entidades sociais, atualmente é conselheiro da Apae e membro da Associação Amigos de Chapecó.

Condições

O secretário executivo da ADR de Chapecó Sérgio Galli, tem plenas condições para assumir o comando da regional. O problema é a limitação de tempo e de ações que tem as ADRs, o que poderá gerar uma certa apreensão ao empresário. Estamos em um ano eleitoral, sem contar que as regionais não tem dinheiro em caixa e muito menos autonomia para qualquer decisão. Viraram ao equivalente a uma embaixada, sendo um local de representação política e partidária de um governo.

Limite

O Governo do Estado saberá nesta semana, se os gastos com os servidores ativos e inativos voltou ao patamar de 49%. O líder do governo na Assembleia Legislativa, deputado Valdir Cobalchini (MDB), disse que se com os cortes de cargos foi reduzido o percentual, que serão desbloqueados os repasses da União, das operações de financiamentos internos e externos, além de facilitar a obtenção de recursos junto ao BNDES.

Fritsch a disposição

De acordo com o ex-prefeito de Chapecó e ministro da Pesca, José Fritsch, as definições políticas deste ano estão todas com atraso de 6 meses. Ele entende que o cenário está sem rumo não só no PT, mas nos outros partidos também. “Eu continuo a disposição para ajudar o PT nacional e estadual. Não disputo a eleição para Federal ou estadual. Mas para a disputa majoritária meu nome está a disposição”, afirmou Fritsch, destacando que é um soldado do partido que deseja dar a sua contribuição para governar Santa Catarina.

Segundo turno

José Fritsch (PT) destaca que a eleição somente será definida no segundo turno. Confirma que hoje, o nome petista ao Governo do Estado é o deputado federal Décio Lima, o qual segundo ele, anda animado com o que a população e as pesquisas indicam. “A eleição se decide no segundo turno, e o deputado Décio poderá estar lá na disputa”, disse Fritsch.

Geração de emprego

De acordo com dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), divulgados pelo Ministério do Trabalho, Santa Catarina está entre os estados com maior saldo de empregos em abril com 5.322 postos de trabalho formais. O saldo resultou da diferença entre 82.502 admissões contra 77.180 desligamentos no período. Os dados de abril deste ano indicam uma recuperação em relação ao mesmo período do ano passado quando o saldo foi de 1.839 vínculos com carteira assinada. “Esses números demonstram que a economia de Santa Catarina tem força e que os catarinenses têm espírito empreendedor”, lembra a secretária de Estado da Assistência Social, Trabalho e Habitação, Romanna Remor.

Setores e regiões

O desempenho positivo de empregos em Santa Catarina, pode ser observado nos setores de serviços com 3.418 vagas geradas, seguido da construção civil com 1.287 e indústria da transformação com 1.250. O que impulsionou o setor de serviços, por exemplo, foi o incremento no comércio, transporte e ensino. Dentre os municípios com mais de 30 mil habitantes, Joinville gerou 1.270 empregos; São José, 803; Blumenau, 677; Chapecó, 651 e Jaraguá do Sul com 417 se destacaram na geração de empregos no estado.

Orçamento

A Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO) será instalada amanhã a partir das 14h30. Na primeira reunião será eleita a mesa da comissão, formada por um presidente e três vice-presidentes. Neste ano, a presidência caberá a um deputado, ano passado o cargo foi ocupado pelo senador Dário Berger (MDB). O Progressistas que coordena o maior bloco parlamentar da Câmara, deverá indicar o presidente. Para o senador Dalirio Beber (PSDB), que é titular da Comissão, a sua indicação é uma porta que pode se abrir para defender, ainda mais, as demandas de Santa Catarina.

Rosa no cenário

O diretor do jornal Sul Brasil de Chapecó, Décio Rosa entrou no cenário político para valer. Ele se anunciou pré-candidato a deputado federal e afirma que já conquistou apoios na região. Filiado ao Progressistas, Rosa tentará disputar espaço com o também pré-candidato Hugo Biehl, que tentará voltar a ter um mandato.

Buscando musculatura

Com uma estrutura partindo do zero, o PSL de Santa Catarina segue trabalhando para ganhar musculatura. Nesta semana, visando dar continuidade na estruturação da legenda do partido e fortalecer o pleito para outubro, o líder do presidenciável Jair Bolsonaro no estado, o presidente do PSL e pré-candidato ao Senado, Lucas Esmeraldino, desembarca em Chapecó. Ele participará de uma extensa agenda, além do ato de posse das comissões provisórias nos municípios das regiões da Amosc e Amai. O evento acontecerá as 19h no Hotel Mogano Premium.

Segue a agenda

O presidente estadual do PSL e pré-candidato ao Senado, Lucas Esmeraldino, segue amanhã a agenda em Caçador, Entre Rios e Noroeste do Estado. O objetivo do partido é agregar pessoas alinhadas com os princípios e diretrizes do PSL, tendo com meta, 100 executivas constituídas até dia 15 de junho.

 

PRB

Os pré-candidatos a deputado estadual pelo PRB, Sérgio Motta e Joacir Domingos Pereira, o “Boca”, participaram ontem de um almoço na comunidade de Presidente Vargas, em Içara, no Sul de Santa Catarina. Enquanto Motta é o principal nome do partido para as eleições de 7 de outubro, “Boca”, de Içara, é o representante da região Sul do Estado para uma das 40 vagas na Assembleia Legislativa. A dupla estava acompanhada por Aldinei Potelecki, vereador de Criciúma e coordenador do PRB para a região Carbonífera; Adair Benjamim de Souza, “China” e Luciano Gonçalves, presidente e vice-presidente do PRB Içara, juntamente com Claudinei Marques, vereador em Florianópolis e coordenador da campanha de Sérgio Motta.

Proposta

O vereador de Chapecó Cleiton Fossá (MDB), está buscando 10 mil assinaturas eletrônicas em seu site, para um Projeto de Lei de Iniciativa Popular, que estabelece 3 critérios para a Gestão Pública em Chapecó: Proibição de Nomeação de Parentes de vereadores na prefeitura, proibição de pessoas não qualificadas exercerem cargos comissionados e a proibição a qualquer vereador de assumir cargo na prefeitura. No site do parlamentar está o link.

“Me ouça de segunda a sexta as 13h15 na Super Condá AM 610”

“Também me leia no jornal Sul Brasil”

Deixe seu comentário:

Pin It on Pinterest