PSDB sugere renúncia de Salvaro

Na reunião da Executiva estadual do PSDB, ontem, o prefeito Clésio Salvaro, de Criciúma, chegou ouvir o pedido para que renunciasse a prefeitura para ficar à disposição de uma composição de chapa majoritária. O pedido foi imediatamente negado sob o argumento de que ele está apenas no primeiro mandato, diferente de outros. O raciocínio é de que o PSDB trabalha com a possibilidade de chapa pura e um virtual candidato de vice de Paulo Bauer deveria ser do sul, por uma questão geográfica. Como opção do Sul à majoritária chegou a ser cogitada a opção da deputada Geovania de Sá, que teria que abrir mão de disputar a reeleição à Câmara dos Deputados.

As opções
Favorecido pela geografia, o prefeito de Blumenau, Napoleão Bernardes (PSDB) já decidiu que renuncia a prefeitura até o dia 7 de abril, mas não vai concorrer à vaga de vice-governador mesmo em chapa única. Sua pretensão é o Senado. Nem haveria espaço para vice, pois ele é da mesma região que Paulo Bauer. A questão geográfica é o que vale para Dalírio Beber (Blumenau) e Leonel Pavan (Balneário Camboriú).

Resta um
Na tese da chapa pura para o PSDB as circunstâncias empurram o cenário para o atual deputado estadual e presidente estadual do partido Marcos Vieira, que é de Florianópolis. Não é exatamente o que a geografia sugere, mas ele tem trabalho no oeste e meio oeste.

Carga do PDT
Não bastassem as constantes incursões do presidenciável Ciro Gomes, desta vez é o presidente nacional do PDT, Carlos Lupi, que aporta em Santa Catarina para reforçar apoio à candidatura de Gelson Merísio (PSD) ao governo do Estado. É a medida de troca dos trabalhistas à oferta feita por Merísio de guardar lugar de destaque na chapa proporcional a deputado federal para eleger Manoel Dias deputado federal.

Velha guarda
O PDT de Santa Catarina aposta todas as fichas em Manoel Dias. Ex-Ministro do Trabalho, dirigente de honra do partido e político da velha guarda o legado dos tempos do PDT de Leonel Brizola e das antigas relações inclusive dos tempos de boas relações com o ex-presidente Lula.

De carona
Todas as articulações entre a direção nacional do PDT com Gelson Merísio são propositadamente feitas no gabinete do deputado estadual Rodrigo Minotto, que foi chefe de gabinete do então Ministro do Trabalho, Manoel Dias. É que por esta fresta Minotto vislumbra espaço para reeleger-se deputado estadual. O objetivo e o esforço é Manoel Dias, mas pela fresta Minotto vê suas chances.

Últimos atos
O governador licenciado Raimundo Colombo tratou ontem dos últimos atos de dois mandatos de governador. Ontem ele reuniu-se com assessores mais próximos para discutir como serão seus últimos dois dias. No dia 6 de abril, sexta-feira da semana que vem, irá à Assembleia Legislativa entregar oficialmente a renúncia. No dia seguinte, em Lages- na Coxilha Rica – fará um grande evento de despedida e de largada da campanha ao Senado.

Hospital Regional
O prefeito de Criciúma voltou a se encontrar ontem com o governador Eduardo Moreira para reforçar o pedido para que o Estado assuma de vez o Hospital Materno Infantil Santa Catarina. São investidas de toda ordem, com alguma resistência do Estado. Ontem Clésio Salvaro disse que o município tem R$ 3 milhões para compra de equipamento. Dá este dinheiro ao Estado, mas quer igual aporte para manutenção do hospital. Dinheiro para comprar equipamento há, falta dinheiro para manutenção do hospital.

A migração de Fabris
Um dos movimentos que inquietam bastidores da política é o que acompanhou a entrada do ex-deputado estadual Júlio Garcia no PSD. Ao mesmo tempo em que entrou no partido levou consigo o vice-prefeito de Criciúma, Ricardo Fabris, que saiu tão ao natural do PSDB que não chegou a gerar qualquer movimento mais expressivo. Teria sido essa uma carta guarda por Garcia desde os tempos em que ele era conselheiro do Tribunal de Contas do Estado e teria tido então o desejo de fazê-lo, mas a legitimidade não o permitia. Naquela ocasião houve resistências no PSD. Elas não existem mais? E o PSDB aceitou assim tão naturalmente a perda de um vice-prefeito? São questões que podem ser respondidas com aos longos dos meses, inclusive com o tipo de relação e sustentação que a bancada do PSD deve dar ao governo a que pertence agora mais do que nunca o PSD.

COORDENAÇÃO Apostas mais ouvidas para justificar a ida de Ricardo Fabris para o PSD são as de que o pré-candidato a deputado Júlio Garcia aposta muito na estratégia eleitoral do novo reforço na organização e coordenação de campanha. Terá isso sido bem combinado com o restante do partido?

CRICIÚMA O dono da Construtora Criciúma, Rogério Cizeski, foi de novo afastado da empresa por não obedecer normas da sua presença na sede. A situação já está sendo contornada mais uma vez, mas o administrador judicial teve que intervir.

BOLSAS Valeu o bom senso para evitar crise maior no caso das bolsas de estudo da prefeitura para a Unesc. Universidade e o DCE foram generosos com a prefeitura que esperou começar o ano para lançar edital cheio de pontos questionáveis. Têm sido sucessivos os pequenos equívocos na elaboração de leis e editais da administração.

RECUPERAÇÃO Quem se recupera de uma cirurgia de extração de parte de um dos pulmões é o advogado Chalton Schneider. A Cirurgia tem um mês e a recuperação é boa. Foi detectado um tipo de câncer.

PARADA O prefeito de Morro Grande, Valdo Rocha (PSD) foi assaltado, domingo no final da madrugada ao lado do Hospital São José em Criciúma, quando seguia para um passeio na Serra do Rio do Rastro. Detalhe que foi abordado quando parou para urinar.

FRASE DO DIA
“Procuro fazer política contestando causas e criticando determinadas situações, mas nunca atacando pessoas. Por isso defendo a construção de uma política do bem. Aliás, a política é feita para se construir o bem. Até podemos divergir de ideias, mas devemos sempre respaldar o bem Este é o meu jeito de fazer política. Quem sabe por isso até hoje só fiz amigos, dentro e fora do meu partido.
Júlio Garcia, falando do seu ato de filiação ao PSD, no último sábado.

Deixe seu comentário:

Pin It on Pinterest