Prisão muda planos da eleição

O deputado federal João Rodrigues não era assim tão pré-candidato a vice-governador, mas sua prisão altera muito o cenário planejado por Raimundo Colombo, Eduardo Moreira e Júlio Garcia. Como pairam suspeitas da origem do movimento que destravou o processo que o condenou às vésperas da prescrição, aumenta a expectativa de que haja uma migração significativa do PSD para o DEM. Trata-se do distanciamento que aliados de Rodrigues podem buscar de determinados setores do seu atual partido. A prisão mexe bem mais na política catarinense do que a simples retirada de um nome da lista de pré-candidatos à chapa majoritária.

Impossível ???
A saída de João Rodrigues do processo eleitoral pode criar uma oportunidade de o Sul repetir candidato a vice-governador. Isso porque se o PSDB colocar Paulo Bauer na cabeça de chapa com um vice do DEM – que seria da ala de dissidentes do PSD – este pode ser Júlio Garcia. Neste raciocínio os candidatos ao Senado seriam Raimundo Colombo – indo para o DEM – e Esperidião Amin.

Senado
O raciocínio de uma composição com Raimundo Colombo e Esperidião Amin na mesma chapa é arrojado ou quase utópico, mas não impossível. Seria um jogo arriscado, pois enfrentaria o PMDB que tem potencial para eleger “um poste” para o Senado.

Por exclusão
Formar chapa do PSDB com o DEM e o PP, contando ainda com siglas como PSB que poderia ter Paulinho Bornahausen suplente de Raimundo Colombo, seria isolar o PMDB de Mauro Mariani e o PSD de Gelson Merísio.

Loucura, loucura
Um cenário como o arriscado pela coluna poderia ser chamado de campanha do rompimento, pois teria um PMDB dividido entre Mauro Mariani e Eduardo Moreira e um PSD ao tamanho da liderança apenas de Gelson Merísio.

E mais
O mais incrível é que uma aliança PSDB, DEM e PP pode ter que desconsiderar a influência da eleição presidencial, e ainda criaria um rompimento de Raimundo Colombo com boa parte do seu partido atualmente e ainda contar que Eduardo Moreira fosse tão somente fiel ao cumprimento do governo atual, sem colocar o PMDB à serviço da eleição de outubro.

Longe de casa
Tão surpreendente quanto foi a rapidez com que andou o moribundo processo que levou o deputado João Rodrigues à cadeia, foi sua transferência para Porto Alegre. Distante de Brasília ele não terá como cumprir com seu mandato de deputado federal e teria que arrumar outro trabalho na cidade que lhe permitisse dormir na prisão, como prevê a pena de cinco anos e três meses.

À paraguaia
Se o cenário já é desfavorável ao deputado João Rodrigues, sua última tentativa foi ainda mais patética. Ele tentou embarcar de Orlando (EUA) para o Paraguai e não mais para o Brasil. Não contava que a Polícia Federal estava sintonizada com a polícia americana. Depois alegou que era para não constranger a família. Ora, será que já não foi o tempo em que o Paraguai era refúgio dos “procurados”.

Deixe seu comentário:

Pin It on Pinterest