Prefeitos se reúnem para discutir a situação de Merisio e JR, Mariani trabalha para ser o único nome do PMDB, Colombo garante que o Fundam será assinado neste ano entre outros destaques

O prefeito de Chapecó, Luciano Buligon (PSB), e a secretária de Governo e Gestão, Fernanda Danielli, jantaram ontem a noite no Hotel Bertaso com cerca de 15 prefeitos do Grande Oeste, de partidos como o PSD, PSB e Progressistas.

O encontro a pedido dos prefeitos primeiramente era para prestar solidariedade ao município, pela passagem de um ano da tragédia da Chapecoense, porém, eles também tinham uma outra intenção que era a política. Buligon e Fernanda ouviram que o grupo está insatisfeito com a divisão entre João Rodrigues (PSD) e Gelson Merisio (PSD), sob o argumento de que o impasse somente enfraquece a região Oeste. Ainda deixaram claro que não aceitam trabalhar com a possibilidade de que um dos dois seja vice e, disseram que em nenhuma hipótese aceitarão apoiar uma aliança com o PMDB.

Segundo uma fonte, Buligon também falou de sua preocupação com a situação a qual, segundo ele, está deixando a todos apreensivos. “Os nossos adversários estão fazendo com que o nosso grupo brigue”, afirmou. Durante a fala dos prefeitos, sobrou até para o ex-conselheiro do Tribunal de Contas do Estado, Júlio Garcia, o qual, segundo os presentes no encontro, está atrapalhando o processo que estava bem conduzido. “A interferência de alguém que ainda não é filiado ao partido, trouxe um transtorno sem tamanho”, disse um dos prefeitos do PSD.

Por fim, destacaram que enxergam em Buligon o papel de quem tem o poder de ajudar a aglutinar e, ficou definido que todos os eventos que os prefeitos realizarem, somente acontecerão com a presença de Rodrigues e Merisio, portanto, ou será com os dois juntos, ou não terá evento. Conforme eu já havia escrito antes, a situação gerou um grande mal-estar.

E o Fundam?

O governador, Raimundo Colombo (PSD), esteve ontem na sede do BNDES no Rio de Janeiro. Segundo ele, em reunião com a diretoria do banco, foi formatado o modelo para a liberação, não de R$700 milhões que estavam previstos, pois, o valor ficou em R$ 634 milhões. As equipes das secretarias setoriais combinarão com as prefeituras a apresentação dos projetos e, quem já tiver elaborado, poderá já licitar as obras que deverão ser de infraestrutura, calçamento, asfalto e mobilidade urbana. Não poderá ser usado em custeio.

Salários

O governador Raimundo Colombo (PSD) também repetiu o que já havia dito a esta coluna através de nota. Que o Estado fechará com as contas em dia e, que vai anunciar o pagamento da segunda parcela do décimo terceiro nesta semana. Além disso, um dinheiro extra para a Saúde deverá ser liberado. Com o pagamento dos salários e décimo, Santa Catarina segue sendo um dos poucos estados em dia com os servidores.

Mariani

O pré-candidato ao Governo do Estado, deputado Mauro Mariani (PMDB), segue com a sua caminhada em busca da consolidação de seu nome. Foi viajando de carro por Santa Catarina que ele atendeu ao meu telefonema. Animado, disse que segue trabalhando e que nada mudou, ou seja, que estará na convenção como o pré-candidato peemedebista ao Governo do Estado. “Eu tenho o apoio do Eduardo (Pinho Moreira) e do Dário (Berger), o que mais está faltando?”, questionou. Quando perguntei sobre as movimentações em torno do nome do prefeito de Joinville, Udo Dohler (PMDB), Mariani demonstrou um certo incômodo, mas afirmou categoricamente que qualquer filiado do partido pode disputar qualquer vaga. Porém, falar de Udo não é o mesmo que mencionar qualquer filiado e, Mariani sabe bem disso, tanto que corre para viabilizar o seu nome definitivamente.

Viabilidade

O trabalho do deputado federal, Mauro Mariani (PMDB), está sendo realizado desde a convenção da eleição passada, quando enfrentou o hoje falecido senador, Luiz Henrique da Silveira, que pensava em construir uma aliança onde cabia até mesmo o seu maior adversário, que era o PP. Poucos sabiam que não passava de mais uma jogada de mestre do então senador, para eleger Paulinho Bornhausen (PSB) ao Senado, e deixar Joares Ponticelli (PP) de fora. Essa situação é tão verdadeira, que o marqueteiro, Alexandre Fernandes, ligado a LHS, ajudou na campanha de Bornhausen. Mariani não quis saber de riscos e nem aproximação, bateu o pé e conseguiu articular para que Dário Berger disputasse o Senado, situação que lhe alçou a outro patamar culminando com a presidência do partido. Sempre direto, Mariani também mandou o recado dizendo que não irá tolerar interferências externas no PMDB. Ele se refere ao veto feito pelo governador, Raimundo Colombo (PSD), ao seu nome. “Eles tem que resolver é o dilema do PSD, essa situação do João e do Merisio. Eu não dou palpite lá e, não vamos permitir que queiram dar palpite aqui”, afirmou.

Não esperou

O prefeito de Chapecó, Luciano Buligon (PSB), determinou que as arquibancadas da Arena Condá fossem limpas e tiradas as plantas que crescem entre os espaços no cimento. Quando chegou ao local, nada havia sido feito, o que fez com que ele próprio começasse a realizar o trabalho. Buligon chegou até, a quase cair de uma escada, foi quando quem tinha que realizar o trabalho se tocou que deveria cumprir as tarefas.

Reformas

O Grupo de Trabalho de Reformas Microeconômicas, do qual o senador, Dalirio Beber (PSDB), também fez parte, apresentou em seu relatório final uma série de propostas para melhorar a produtividade da economia brasileira. O texto foi lido ontem pelo senador Armando Monteiro (PTB) e aprovado pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE).

SC Saúde

O Plenário da Assembleia Legislativa aprovou por 16 votos a favor e seis contra, o projeto que transforma em Lei a Medida Provisória do Governo do Estado, que reduz temporariamente o percentual de repasse de recursos ao SC Saúde, o plano de assistência à saúde dos servidores estaduais. O texto prevê redução no percentual do governo de 4,5% para 0,5% durante seis meses. A contribuição dos servidores permanece em 4,5%.

Produção

A formalização de produtores artesanais de alimentos em Santa Catarina, é o foco de duas propostas aprovadas ontem pela Comissão de Constituição e Justiça da Assembleia Legislativa. Uma das iniciativas é do deputado estadual, João Amin (Progressistas), que define regras para a produção e comercialização de queijos artesanais preparados a partir do leite cru. Outra proposta regulamenta a atividade de inspeção e venda de produtos de origem animal e vegetal de agroindústrias familiares de pequeno porte.

Mercosul

Começa hoje em Chapecó a terceira edição do Seminário Mercosul Cidadão, evento que trabalha a integração entre os países membros, a disseminação da cultura cidadã e as necessidades das pessoas. Neste ano o Seminário acontece de hoje até 01 de dezembro, no Centro de Cultura e Eventos Plínio Arlindo De Nês. O tema central é “A Integração entre os Povos através da Solidariedade”. O evento é realizado pela Prefeitura de Chapecó e pela União de Parlamentares Sul Americanos e do Mercosul (UPM), com o apoio da Assembleia Legislativa e da Câmara de Vereadores de Chapecó. O prefeito Luciano Buligon (PSB) abre o evento com uma palestra a respeito de sua ida a Medellín em razão da queda do avião da Chapecoense.

Destaque

 “A possibilidade de redução de 97% do orçamento do Governo Federal, para o Sistema Único de Assistência Social (Suas) para o próximo ano, foi o tema central dos debates na audiência pública promovida pela Assembleia Legislativa, ontem em Florianópolis. Segundo a classe dos assistentes sociais, a redução no orçamento pode representar o fechamento de Centros de Referência em Assistência Social (Cras e Creas) e a diminuição do apoio oferecido aos beneficiários do Bolsa Família, além do desemprego de profissionais da área.

Deixe seu comentário:

Pin It on Pinterest