Os bastidores da definição no MDB, Kleinubing nega acordo para apontar o vice, deputados catarinenses apoiam CPI que pode acabar com a Lava Jato entre outros destaques

Ontem momentos antes de começar oficialmente a reunião da executiva estadual do MDB, para a definição de seu candidato ou de que forma definiria o nome para a eleição ao Governo do Estado. O governador Eduardo Pinho Moreira chamou o deputado federal Mauro Mariani para uma conversa em particular. Pragmático, em dez minutos o governador falou de suas dificuldades de tempo devido a situação delicada pela qual passa o Estado, o que torna incompatível a sua agenda de gestor com a de candidato. “Eu te dou total apoio para ser o nosso candidato”, disse Pinho Moreira, a um surpreso Mariani.

Após a conversa, os dois se dirigiram à sala de reuniões onde o governador fez um longo relato de cerca de 50 minutos de sua história no partido, da situação econômica enfrentada pelo seu governo e anunciou para todos a decisão de declinar em favor de Mariani. Num primeiro momento o silêncio imperou a mesa, já que todos estavam preparados para ter que definir os critérios de uma prévia, muito embora, não fosse a vontade da maioria. Algumas lideranças a exemplo do ex-governador, Casildo Maldaner, e da deputada Dirce Heiderscheidt, chegaram a se emocionar durante a fala do governador que culminou com aplausos.

Segundo uma fonte que me ligou após a reunião, é possível que Pinho Moreira tenha avaliado o quadro, e devido a dificuldade de atrair o PSDB, tenha deixado para que Mariani que em tese, tem mais tempo, se dedique à construção de uma aliança que a princípio, já estaria adiantada com o PR.

Democratas e tucanos serão ouvidos e, caso abram uma brecha, até mesmo os partidos de esquerda serão procurados, muito embora, essa situação seja mais difícil. Uma outra liderança que participou do encontro, acredita que Pinho Moreira tenha feito as suas contas, e que se dedicará ao mandato, além dos ajustes que são necessários.

Já em relação a política de alianças, entende que é possível até mesmo abrir mão das duas vagas ao Senado, como forma de construir uma ampla aliança, sobretudo com a parceria dos tucanos. A leitura é que o partido seguirá tendo o senador Dário Berger na Câmara Alta por mais quatro anos, mandato que pode ser renovado segundo o emedebista, no próximo pleito quando Berger terá novamente o apoio do partido, ou até mesmo o próprio Pinho Moreira.

Estadista

Na primeira vez em que assumiu o Governo do Estado, após a renúncia do então governador Luiz Henrique da Silveira. Eduardo Pinho Moreira (MDB) conseguiu enxugar a máquina e entregar o Estado com alguns de seus problemas financeiros resolvidos. Agora volta com a mesma missão e, para se dedicar, abre mão de uma disputa que poderia ser fratricida com Mauro Mariani. Ao ceder, abre espaço para enfrentar de frente assuntos indigestos, como mais cortes de gastos e, a continuidade da redução do Estado, que, aliás, deverá ter um novo capítulo nos próximos dias. Uma ação que é negada por todos no Centro Administrativo, mas que não é descartada, é até mesmo a possibilidade de extinção das Agências de Desenvolvimento Regional. Mesmo que seja um ato simbólico como defendem alguns, em época de crise qualquer centavo é um milhão. Esses serão os meses de Pinho Moreira, que ao passar a chave da Casa D’Agronômica ao próximo governador, começará a arrumar as malas para uma longa temporada fora do país ao lado da esposa Nicole Torret Moreira e seu enteado. Os destinos, tanto pode ser “Além-Tejo”, ou seja, em Portugal, como também há a possibilidade do Canadá. Mas, antes, tentará construir a imagem de estadista. “Eu quero deixar um legado”, afirmou.

Assuntos estratégicos

Por indicação do pré-candidato ao Governo do Estado, deputado Mauro Mariani (MDB), o governador Eduardo Pinho Moreira (MDB) convidou o vice-prefeito de Brusque, Ari Vequi, para assumir a Secretaria de Estado de Assuntos Estratégicos. “Ari é uma pessoa que conhece o governo, sua estrutura, tem 22 anos de vida pública e está preparado para o desafio”, comentou o governador. Vequi cuidará da articulação política do governo. Ele é o terceiro nome do primeiro escalão indicado por Mariani. Antes, Tufi Michreff Neto assumiu a Secretaria de Estado do Turismo, e Simone Schramm a Educação.

Construiu

Ninguém pode negar que a construção feita pelo deputado federal Mauro Mariani (MDB), também contribuiu para a decisão anunciada pelo governador Eduardo Pinho Moreira (MDB). O primeiro grande salto foi enfrentar o projeto desenhado pelo hoje falecido senador Luiz Henrique da Silveira, que para manter a aliança para reeleger Raimundo Colombo (PSD), aceitara a condição dos progressistas estarem na chapa com Joares Ponticelli com uma das vagas ao Senado. Mariani não sabia, mas o objetivo real de LHS era isolar Ponticelli que não receberia voto dos emedebistas, que despejariam em Paulinho Bornhausen (PSB) que seria eleito junto ao ex-governador.

Rivalidade

Mauro Mariani (MDB) não aceitou a possibilidade de ter os progressistas junto ao seu partido, e colocou o nome de Dário Berger (MDB) para a disputa ao Senado, o que foi homologado em convenção. Naquela época, em uma das conversas que tivemos o questionei via telefone, o que aconteceria se Berger declinasse de disputar uma das vagas a senador. “Ele não é louco. Ele quer e vai disputar, e se não for, eu é que vou para a disputa”, me disse ao telefone. Após, mais dois fatos: Mariani como presidente estadual do MDB, iniciou um processo de afastamento das executivas estaduais do então governo de Dilma Rousseff (PT), que culminou com o desembarque do partido e, votou a favor da denúncia contra Michel Temer (MDB). Esses enfrentamentos deram a musculatura que ele precisava para ser alçado a disputa ao governo.

Segue trabalhando

O pré-candidato ao Governo do Estado, deputado Gelson Merisio (PSD), segue trabalhando em prol de seu projeto. Merisio tem passado os dias em reuniões, buscando articular o apoio de mais partidos e trabalhado em propostas para o Estado.

Kleinubing nega

Recebi a ligação do pré-candidato ao Governo do Estado, deputado João Paulo Kleinubing (DEM). Ele contestou a publicação do deputado federal Valdir Colatto (MDB), a qual reproduzi nesta coluna, que em sua conta no Twitter postou uma foto ao lado do empresário Antonio Rebelatto. Colatto escrevera que levaria à executiva emedebista o aceite do DEM para indicar o vice de Mauro Mariani ou Eduardo Pinho Moreira. Kleinubing não gostou e reafirmou que o Democratas terá candidato a governador. Vale lembrar que o PV apoiará o demista, e o Patriotas pode ser o próximo a se unir a Kleinubing.

Afinidade suprapartidária

Amigos há pelo menos 35 anos, o ex-secretário nacional de Desenvolvimento Rural, Murilo Flores, se encontrou na semana passada com o presidenciável Ciro Gomes (PDT) durante o congresso da FECAM na Capital. Murilo que é candidato a deputado federal pelo PSB, foi cumprimentar Ciro que relembrou o tempo em que ele era Ministro da Fazenda e Flores, que então secretário, comandou a criação do Pronaf. De pronto, o presidenciável disse que torce pela eleição do amigo e que se os dois forem eleitos, Flores será o líder do Governo na Câmara Federal.

Luci é condenada

A Justiça condenou a ex-deputada federal Luci Choinacki (PT), a pagar R$ 20 mil de indenização por danos morais à ex-servidora de seu gabinete na Câmara dos Deputados, Isabel da Silva Freitas. Mesmo com a condenação, Luci não efetuou o pagamento, o que fará com que a advogada da autora da ação, recorra ao Ministério Público Federal. A ex-parlamentar foi condenada sob a acusação de ter exigido mensalmente, a devolução de parte dos vencimentos de Isabel, no valor de R$ 1,2 mil. Para quem dizia defender os trabalhadores, a decisão é no mínimo lamentável.

Universidades

Em seminário realizado na Câmara de Vereadores de Florianópolis, os reitores das Universidades Comunitárias pediram a aprovação do projeto do deputado federal Jorginho Mello (PR), que concede mais segurança jurídica para as entidades de ensino. O debate envolveu os 16 reitores das universidades comunitárias, o deputado Jorginho Mello e o presidente do Conselho Nacional de Educação, Eduardo Deschamps. Atualmente, as universidades comunitárias se enquadram entre as instituições privadas de ensino. Caso o projeto vire lei, as entidades de ensino passarão a ser classificadas como comunitárias. Assim, poderão participar de editais públicos.

Não à caça

Está em tramitação na Câmara dos Deputados um projeto de lei que, sob o argumento de tratar de uma política de conservação da fauna, fomenta o tráfico de animais, incentiva a prática de maus-tratos e coloca em risco de extinção os animais silvestres no Brasil. Para debater a proposta que é realmente absurda, o Ministério Público de Santa Catarina promove depois de amanhã, a partir das 18h30, uma mesa-redonda na sede da Procuradoria-Geral de Justiça, em Florianópolis. O evento faz parte de uma mobilização nacional de defesa e proteção da fauna, encampada pelo Grupo Especial de Defesa dos Direitos dos Animais (GEDDA), coordenado pelo MPSC. A mobilização pretende mostrar à sociedade a importância de proteger os animais silvestres e de dizer “não” à caça aos animais.

Fotovoltaico

Com o intuito de reduzir gastos e danos ao meio ambiente, a deputada estadual Ada Faraco De Luca (MDB), está propondo o Projeto de Lei que visa a instalação de painéis fotovoltaicos nos hospitais públicos de Santa Catarina. Atualmente é um desafio assegurar a sustentabilidade dos recursos explorados no Brasil. A utilização das fontes renováveis de energia, nesse caso a energia fotovoltaica, permite maior diversificação na matriz energética. De acordo com dados da Eletrobrás, as reservas de combustíveis fósseis de boa qualidade no Brasil não são grandes.  Há o alerta que as reservas brasileiras de petróleo sejam suficientes para 22 anos e somente 23% do potencial hidrelétrico é aproveitado, tendo sua maior capacidade na região Amazônica.

Defensoria

Santa Catarina reconhece a importância social da Defensoria Pública do Estado. Uma prova é que recentemente em Chapecó, a Câmara de Vereadores aprovou por unanimidade uma moção que parabeniza a Instituição, pelo trabalho desenvolvido para a comunidade chapecoense. Uma ação que vai além dos gabinetes, é o acesso à justiça gratuita que beneficia a população carente, nas áreas do direito das famílias, defesa penal, bem como do acesso a medicamentos, direito à moradia, saúde e promoção de cidadania. A Defensoria contabilizou até o final do ano passado, a assistência para 500 mil catarinenses carentes. Em 2016 foram mais de 200 mil pessoas.

Lava Jato

Dos 190 deputados federais que, até aqui, assinaram o requerimento para instalação da CPI que poderá derrubar a Lava Jato. Alguns catarinenses constam na lista divulgada pelo site O Antagonista. Confira: Celso Maldaner (MDB), Pedro Uczai (PT), Rogério Peninha Mendonça (MDB) e Valdir Colatto (MDB). Em tese, o objetivo da comissão seria “investigar as denúncias de irregularidades feitas contra Antônio Figueiredo Basto e outros, inclusive envolvendo escritórios de advocacia, ocorridas no âmbito de alguns processos de delação”.

“Me ouça de segunda a sexta as 13h15 na Super Condá AM 610”

 

Deixe seu comentário:

Pin It on Pinterest