O “Sim” e o “Não” e suas interpretações

“Sim” e “Não”

O resumo do voto dos deputados federais nesta quarta-feira pode se resumir a um “Sim” às reformas ou “Não” às reformas. Por isso o impeachment da presidente Dilma Roussef foi a preliminar deste processo de reformas. O que se classifica de “poder de fato no país”, limpou o trecho das reformas com a saída da presidente Dilma Roussef e reafirmou a sua agenda com a votação desta semana. Afora esta percepção flagrante de que o comando da nação caiu para o lado “direito” restam os respingos dos votos. Parece que aos que pleiteiam cargo na majoritária o “Sim” custa mais caro. Por isso Esperidião Amin (PP) e Jorginho Melo (PR), que pretendem estar na majoritária, votaram “não”. Ontem o deputado Mauro Mariani, que votou sim usou as redes sociais para se explicar, mas apanhou muito por seu “sim”.

Joinville

Ontem, no tradicional bate papo aberto na internet através do site “SC em Pauta”, todos os dias às 18h, o colega Leandro Schmidt, de Joinville, revelou que o voto “sim” do deputado Mauro Mariani animou aliados de Udo Döhler. Na terra de Mariani e Udo o dia de ontem comentou as chances de um e outro ser candidato ao governo pelo PMDB.

No Sul

Enquanto seguem as apostas do tamanho do impacto do voto de Mauro Mariani na campanha eleitoral do ano que vem, o vice-governador Eduardo Moreira segue a pauta positiva. Na semana que vem ele assume o governo por uma semana em virtude da viagem do governador Raimundo Colombo. A agenda está sendo construída. O sul terá espaço generoso nesta interinidade.

Atenção total

Ontem, um dia após votar a favor da manutenção do presidente Michel Temmer no palácio do Planalto, o deputado federal Ronaldo Benedet (PMDB) foi ao Denit apresentar uma série de pautas pendentes. Foi ouvido com toda a atenção pelo diretor geral do órgão, Valter Cassimiro. Mais do que isso, a autoridade se comprometeu em fazer agenda com o parlamentar no sul. Fará vistoria no Morro dos Cavalos e outros trechos como os das BRs 101 e 285. Será no  dia 25 de agosto.

Sem túnel

O Denit já afastou a possibilidade de construção de um túnel para transpor o Morro dos Cavalos na BR-101. A alternativa será o alargamento com a construção de mais uma ou duas pistas. O Tribunal de Contas da União é que arquivou qualquer chance de construção de túnel.

Fundam II

O plano de financiamento que injeta combustível no Governo do Estado e dos municípios vai demorar mais do que o esperado. O agente financiador não aceita mais as práticas da primeira edição o que obrigou o governo a revisar os contratos.  Ainda assim a esperança é de que o BNDES aprove até o final do ano a liberação do dinheiro.

Herança

Se o Fundam II demorar mais do que o esperado a parte boa deste programa, que são as liberações dos contratos com os município podem ficar para o ano que vem. Esta pode ser uma razão para o governador Raimundo Colombo adiar a sua saída do governo, o que o PMDB deseja que ocorra já em janeiro.

Exigência

De outro lado o PMDB do vice-governador Eduardo Moreira pode colocar à mesa das negociações para aliança em 2018 a condução do Fundam II. Ao invés de ficar com este governo ele pode virar ferramenta de campanha do próximo candidato a governador.

Pressão na JBS

A JBS vem reparando gradativamente a enorme dívida que tem com a cidade de Criciúma. Depois de passar anos criando transtornos com a falta de equipamentos para controlar a poluição na região do bairro São Luiz, onde está instalada a sua fábrica de rações, ele reviu seu plano tributário. Uma manobra administrativa forçava o fechamento.do balanço com prejuízo anual de cerca de R$ 30 milhões. Isso era feito com notas de transferência para outras unidades onde eram recolhidos os impostos. O atual governo do município de Criciúma assumiu e logo exigiu a revisão deste procedimento. Assim, ontem a empresa confirmou que depois de fechar 2016 com prejuízo de R$ 30 milhões, só neste ano o faturamento já supera a casa dos R$ 30 milhões. Isso para o município significará em 2018 cerca de R$ 1,5 milhão de retorno de impostos.

ACESSO Ontem o prefeito Clésio Salvaro teve uma reunião com a direção da  JBS para discutir o problema das ruas próximas à fábrica de ração do bairro São Luiz. O transito pesado está acabando com as ruas próximas. O peso dos caminhões chega ser de 80 toneladas, onde são permitidos apenas 30 toneladas.

IMPACTO Uma percepção mais simplista indica que o impacto do voto desta semana em Brasília, na campanha eleitoral do ano que vem, será grande para os candidatos à majoritária,  mas contornável para os candidatos das eleições proporcionais.

CAMPANHA No Sul do Estado a vida de Ronaldo Benedet (PMDB), único deputado a votar a favor do presidente Michel Temmer pode ser mais difícil que outros. Ainda ontem setores do PT regional engrossaram a campanha de ataque ao deputado.

SAÍDA Assessores de Ronaldo Benedet devem sugerir ao parlamentar uma estratégia mais ofensiva aos petistas sindicalistas que mantém uma campanha regular de ataque ao deputado. Vestir a camisa de adversário deste grupo pode ser uma estratégia.

AMBIENTAL A prefeitura de Criciúma acaba de criar outro debate que promete gerar polêmica. Trata-se do Plano de Manejo de todas as áreas verdes do município. O que foi criado para evitar exploração mineral pode ter inviabilizado os locais até mesmo para habitação.

EXEMPLO Um dos casos mais críticos do manejo de solo está na região agrícola, onde o Morro Albino tem várias situações que carecem de regularização. O tamanho desta mudança deve gerar grande discussão.

Deixe seu comentário:

Pin It on Pinterest