O prejuízo eleitoral para Bauer, Amin levanta a bandeira da mudança, Merisio reúne lideranças entre outros destaques

Situação política de Bauer ficou delicada frente aos demais partidos.

O day after, ou seja, o dia seguinte ao vazamento de que o senador Paulo Bauer (PSDB), será investigado pela Procuradoria Geral da República, após a autorização do ministro Luiz Edson Fachin do Supremo Tribunal Federal, foi de silêncio e conversas a boca pequena. Do ninho tucano, nenhuma palavra se quer, apenas uma nota protocolar assinada pelo presidente estadual do partido, deputado Marcos Vieira, afirmando que seguem confiando em Bauer, o qual segundo a manifestação, sempre exerceu e exerce cargos partidários e públicos com dignidade, transparência e lisura.

Vieira ainda destacou em nota, que o PSDB/SC é a favor de todo e qualquer tipo de investigação e, que mantém inalterado o propósito de ter candidato ao Governo do Estado. Mas chamou a atenção, que ele não especificou se o senador agora investigado, segue sendo o nome preferencial do partido, e isso tem uma explicação: Qual grupo político quer apoiar um partido, o qual o seu candidato a governador é investigado no âmbito da Operação Lava Jato? Veja bem, ele não é réu e muito menos um condenado, é investigado, mas, qual partido quer chegar ao pleito tendo que se explicar todas as vezes em que tocar no nome de seu candidato?

Essa inevitável análise foi feita ontem por todos, por mais que defendam Paulo Bauer, ninguém quer entrar no cenário com tamanha dificuldade. Portanto, o tempo corre contra Bauer, pois, quanto mais demorar para ser concluída essa investigação de um suposto caixa 2, com contratos de prestação de serviço forjados, mais tornará pesado o seu nome, ao ponto dos tucanos terem que repensar o seu projeto, ou já começar a apostar em Marcos Vieira, ou no prefeito de Blumenau Napoleão Bernardes. Qualquer projeto com Bauer neste momento delicado, sem a conclusão do trabalho da PGR, poderá ser considerado pesado demais para os futuros sócios eleitorais dos tucanos, podendo até mesmo, provocar o isolamento da legenda.

Projeto Criciúma

Conforme divulguei ontem com exclusividade, de acordo com a delação de Nelson Mello, ex-diretor da Hypermarcas, as supostas doações ao senador Paulo Bauer (PSDB), teriam sido registradas como “Projeto Criciúma”. Esse detalhe gerou uma série de especulações nas conversas entre as lideranças políticas estaduais, pois, Bauer nasceu em Blumenau e tem uma forte relação com o Norte do estado. Outro ponto que também motivou comentários é a afirmação de Bauer de que não era candidato em 2013, ano em que o primeiro repasse teria sido supostamente feito. A pergunta que eu ouvi, é que se não era candidato e se for comprovado que recebeu, de que forma a justiça enquadrará?

Ligação

A Prade & Prade – Advogados Associados, que teria segundo o delator que acusa o senador Paulo Bauer (PSB) da prática de caixa 2, teria firmado supostos contratos nos dias 15 de agosto de 2013, 02 de junho de 2014, além de 25 de setembro e 02 de dezembro do mesmo ano, quando teria supostamente recebido as seguintes parcelas por serviços não prestados: R$ 3,5 milhões, R$ 1 milhão, R$ 1,5 milhão e um outro de R$ 3 milhões, pertence a um advogado que segundo uma fonte, atua para Bauer. Falo de Péricles Prade, que foi vice-prefeito de Ângela Amin em Florianópolis. Esse foi mais um ponto da delação que gerou especulações durante o dia de ontem.

Ex-político, Prade se tornou um dos maiores juristas do país.

Amin

O pré-candidato ao Governo do Estado Esperidião Amin (Progressistas), cumpriu agenda ontem em Chapecó. Ele participou de encontros e concedeu uma coletiva à imprensa. Amin voltou a ligar o MDB de Santa Catarina, ao do Rio de Janeiro, afirmando que é preciso mudar para que não aconteça aqui no estado, algo parecido com o que está ocorrendo no Rio de Janeiro. “É um perigo frequentar esse navio que é o MDB. Eu sou um dos nomes da mudança, e o Merisio (Gelson) também representa essa mudança”, afirmou Amin, que defendeu a aplicação dos índices de desenvolvimento de cada região, para a realização de políticas públicas mais eficazes.

Amin (Centro), ladeado por Altair Silva e Nicolau Buraseska.
Foto: Marcelo Lula

Aliança

Esperidião Amin (Progressistas) disse que há um compromisso de reciprocidade para a formação de uma coligação partidária com o PSD, porém, deixou claro que nem os pessedistas tem a obrigação de apoiá-lo, e nem o seu partido tem o compromisso de apoiar a Gelson Merisio. “O momento político passa, uma definição sobre coligação tem que ser confirmada na convenção. Eu abro mão da cabeça em nome da mudança. Se a mudança puder contar com um arco maior de partidos, não tem razão para que esse arco não seja montado”, afirmou.

Sobre Bauer

O pré-candidato a governador Esperidião Amin (Progressistas), quando questionado sobre a situação do senador Paulo Bauer (PSDB), que está sendo investigado pelo suposto uso de caixa 2. Respondeu que não vai tirar conclusões precipitadas, e lembrou que Bauer foi seu vice-governador, e o candidato de seu partido na eleição passada. “Não mudo o meu conceito a respeito dele. Ele continua sendo um homem de bem, e o nome mais forte do PSDB”, destacou Amin.

Sobre o PSD

Para Esperidião Amin (Progressistas), o PSD perdeu a sua voz mais popular no Oeste, se referindo ao deputado federal João Rodrigues, o qual segundo ele, vive um momento dramático com a prisão. Amin tentou visitar Rodrigues, acompanhado de seu colega de Câmara dos Deputados, João Paulo Kleinubing (DEM), mas não foi autorizado. Amin quer esperar até o próximo dia 08 de abril para definir o que fará em relação a eleição.

Jantar dos prefeitos

O pré-candidato ao Governo do Estado Gelson Merisio (PSD), realizou em Criciúma, no Sul do estado, um jantar para prefeitos e demais lideranças, a exemplo dos deputados estaduais José Milton Scheffer e Valmir Comin, ambos do Progressistas, e Kennedy Nunes, Darci de Matos e Jean Kuhlmann do PSD. Foi registrada a presença de lideranças pessedistas, do Progressistas, PSB, PDT, PROS, Solidariedade, Podemos, PRB, PSC e PRP, e os discursos foram favoráveis ao nome de Merisio na majoritária. Os prefeitos de Chapecó Luciano Buligon (PSB), e Avelino Menegolla (PSD) de Xanxerê, também estiveram no evento, mas, antes um fato chamou a atenção. Merisio, Buligon e Menegolla foram recebidos pelo prefeito de Criciúma Clésio Salvaro (PSDB), que apresentou a nova edificação da Prefeitura.

Foto: Thiago Santaella

Preocupante

Quando ainda estava em agenda em Chapecó, o governador em exercício Eduardo Pinho Moreira (MDB), recebeu uma ligação do secretário de Estado da Fazenda, Paulo Eli. A notícia era que o déficit da Previdência estadual no ano passado ficou nos R$ 3,6 bilhões. Todos os meses é tirado do tesouro, R$ 300 milhões para pagar o débito previdenciário e, o déficit neste ano deve chegar aos R$ 4 bilhões. O Governo está preocupado com o crescimento do passivo que poderá atrapalhar ainda mais as ações fins, que é o atendimento à população.

Segurança

O Estado deverá receber gratuitamente, cerca de 3 mil câmeras para o uso da polícia, para o monitoramento das cidades. A diferença é que se trata de uma câmera com o reconhecimento facial, ou seja, alguém que cometeu um delito, ao passar por um local onde terá esses equipamentos, poderá ser identificado. Uma empresa de tecnologia catarinense está desenvolvendo as câmeras. O anúncio foi feito pelo governador em exercício Eduardo Pinho Moreira (MDB), ainda na abertura do Ano Maçônico em Chapecó.

Caravana do Lula

O vice-presidente nacional do PT, Márcio Macedo, estará em Florianópolis nesta segunda-feira (12) onde se reunirá com a executiva do partido, deputados estaduais e federais, representantes de movimentos sociais e sindicatos. A pauta, a visita de Lula ao estado nos dias 23 e 24 deste mês. O ex-presidente da República passará por Florianópolis, Chapecó onde dormirá, Nova Erechim e São Miguel do Oeste.

Rodovias

O Fórum Parlamentar catarinense aguarda por uma audiência com o ministro dos Transportes, Maurício Quintella. Uma reunião estava marcada para a semana passada em Brasília, porém, na última hora, Quintella cancelou a agenda por causa de uma viagem. Os deputados e senadores cobrarão alguma ação do Governo Federal nas rodovias federais que passam por Santa Catarina.

Inspeção

O TRE-SC iniciou na última semana, a primeira vistoria dos quase 3.800 locais de votação distribuídos entre as 98 Zonas Eleitorais do estado. A ação é uma das atividades previstas no Planejamento Operacional das Eleições deste ano, e busca avaliar os locais das seções que irão receber os mais de 5 milhões de eleitores catarinenses no dia 7 de outubro. Até 25 de abril, os servidores dos cartórios eleitorais realizarão as inspeções, que possibilitarão atualizar a base de dados da Justiça Eleitoral, aprimorar a logística da distribuição e recolhimento das urnas eletrônicas, além de avaliar a infraestrutura dos locais acerca da acessibilidade e instalações elétricas.

“Me ouça de segunda a sexta as 13h15 na Super Condá AM 610”

Deixe seu comentário:

Pin It on Pinterest