O futuro de Rodrigues, a chapa do Pinho, tucanos se pacificam entre outros destaques

Rodrigues corre contra o tempo.

O deputado federal João Rodrigues (PSD), conta as horas para, primeiramente, tentar reverter a sua situação para que não precise dormir até a metade de outubro no presídio da Papuda. Além disso, ele tem até a próxima quarta-feira (15) para tentar incluir na pauta do TRF4, o seu julgamento, para que possa garantir a sua candidatura à reeleição a deputado federal.

Caso não haja a reversão, Rodrigues ficará fora do páreo e, após encerrado o atual mandato, seguirá por mais um tempo como inelegível devido a lei da Ficha Limpa, além de ter que aguardar a próxima eleição, caso após uma conversa familiar ele decida retomar a carreira política. Neste caso, terá a opção, ou seria a necessidade, de disputar a Prefeitura de Chapecó, até como uma forma de não ficar por muito tempo de fora do cenário eleitoral. Outra possibilidade é aguardar por quatro anos, quase se tornando um outsider, para tentar uma eleição a um cargo de maior abrangência.

Quanto a sua esposa, Fabiana Rodrigues, que está filiada ao Democratas, é uma incógnita. Acontece que ela não foi homologada na convenção do partido como candidata, a menos que haja a possibilidade de trocar algum nome para colocá-la até quarta-feira (15), o que poderá ser uma forma de garantir o espaço da família Rodrigues na política. Muito embora, o fator emocional tenha contado bastante para afastar Fabiana, frente a prisão do parlamentar.

O certo é que Rodrigues passa por momentos de definição, tentando disputar uma reeleição que o mantenha aos olhos do eleitorado, caso obtenha esse direito, ou terá que começar tudo de novo, reescrevendo a sua história a partir de Chapecó.

Chapa do Pinho

Pinho Moreira e Udo conversaram em várias oportunidades.

Uma liderança emedebista revelou que por pouco, não foi trabalhada uma chapa com o PSDB, que teria o atual governador Eduardo Pinho Moreira (MDB) como candidato à reeleição e, Napoleão Bernardes (PSDB) para vice. Pinho Moreira e o prefeito de Joinville, Udo Döhler (MDB), chegaram a procurar o presidente estadual do PSDB, deputado Marcos Vieira. Neste mesmo tempo, demonstrando a intenção de estar na eleição, para evitar qualquer problema de impedimento o governador mesmo tendo confirmado, não foi ao Festival de Dança de Joinville e, evitou participar de alguns atos, incluindo inaugurações. Quando no domingo passado fechou a chapa MDB e PSDB, Döhler chegou a conversar com lideranças políticas surpreso, lembrando que era a aliança arquitetada por ele e o atual governador, mas que acabou ficando para Mauro Mariani.

Pegou firme

Vendo que as conversas com o PSDB não prosperaram, o governador Eduardo Pinho Moreira (MDB) decidiu se afastar. Unindo o necessário ao agradável, ele resolveu ir para a Itália passar alguns dias com a esposa Nicole Moreira. Daquela forma, saiu do olho do furacão para não atrapalhar Mauro Mariani, além de deixar para o desembargador Rodrigo Collaço, a responsabilidade de sancionar a Lei que autoriza o aumento de cargos na justiça estadual. Mesmo passeando pela Europa, o telefone não parou, tanto, que ao retornar ao Brasil se envolveu como já é de conhecimento geral, ativamente no fechamento da aliança com os tucanos, incluindo uma conversa com o presidenciável Geraldo Alckmin (PSDB). Agora, pessoas próximas a Pinho Moreira garantem, que ele está fechado com Mariani e que prometeu ser atuante na campanha emedebista.

A lógica

Geraldo Alckmin (PSDB) sabia que tinha garantido o voto do Progressistas em Santa Catarina, pois, o partido não votaria contra uma chapa onde a vice é a senadora Ana Amélia Lemos (Progressistas). Dessa forma, Alckmin acertou o apoio do MDB aqui no estado, em troca do oferecimento de um tucano para vice, tirando possíveis votos que iriam para Henrique Meirelles (MDB).

Deve declinar

Me chegou ontem a informação que o presidente da Assembleia Legislativa, Aldo Schneider (MDB), não disputará a eleição deste ano. O parlamentar já teria tomado a decisão e irá informar aos familiares que decidiu priorizar o tratamento contra um câncer, o qual ele enfrenta há alguns meses. A assessoria do deputado não confirma, mas Jerry Comper (MDB), ex-chefe de gabinete disputará com o total apoio de Schneider. Já quanto a presidência da Alesc, Aldo solicitou um afastamento no último dia 6, através de atestado médico. O período total será de 59 dias, que é o prazo estabelecido pelo regimento interno. Enquanto isso, o deputado Silvio Dreveck (Progressistas) assume a presidência de forma interina.

Primeira reunião

Ontem os quatro candidatos da majoritária formada pelo PSD, DEM e Progressistas, Gelson Merisio (PSD), João Paulo Kleinubing (DEM), Esperidião Amin (Progressistas) e Raimundo Colombo (PSD), se reuniram em um escritório no centro de Florianópolis. Foi a primeira vez após o domingo passado, que as lideranças sentaram a mesma mesa. “Foi bom o trabalho, onde discutiram as estratégias para a campanha. A conversa mostrou um grande alinhamento entre eles”, relatou uma fonte.

Buscou fora

A campanha de Mauro Mariani (MDB) ao Governo do Estado, terá o trabalho da agência Propeg, de São Paulo. A princípio não terá um marqueteiro, mas, sim, uma equipe sob a coordenação de um profissional que ainda não teve o nome anunciado. Os programas e todo o material de campanha de Mariani, será feito na capital paulista. O emedebista quase fechou com a D’Araújo de Florianópolis, do publicitário Daniel Araújo, porém, não houve acordo.

Ninho pacificado

O senador Paulo Bauer e o ex-prefeito de Blumenau, Napoleão Bernardes, tinham reuniões em Pinhalzinho e Joaçaba ontem. A meta era levar aos prefeitos tucanos da região uma explicação sobre a mudança de rumo que o partido acabou tomando. O agora candidato a vice-governador foi por terra, enquanto o senador que busca a reeleição foi de avião de Brasília até Chapecó. Mas, por falta de teto em função do mau tempo, o vôo da Azul parou em Porto Alegre. Bauer só conseguiu retornar a Florianópolis no fim da manhã, ficando sem chance de chegar ao Oeste em tempo. A solução foi conversar com os prefeitos de Pinhalzinho, Sul Brasil, Saudades, Xavantina e Guatambu, além dos vices de Xavantina, São Carlos, Modelo e Bom Jesus do Oeste pelo telefone, no modo viva-voz. Pelos sorrisos na foto, nota-se que o clima amenizou. Todos garantiram que estarão na campanha que pretende levar Bauer ao Senado e Napoleão ao Centro Administrativo.

Coordenação

O candidato ao Governo do Estado, Décio Lima (PT), chegou ontem de Brasília no final do dia. Se reuniu com especialistas e a coordenação da campanha para finalizar o programa de governo que será protocolado no TRE/SC, na próxima semana. Lima também confirmou a agenda no Oeste nos dias 18 e 19 de agosto, junto com seu vice, Alcimar de Oliveira, o Kiko, ex-prefeito de São Domingos. Lima também já escolheu o seu marqueteiro, que será o jornalista Felipe Damo, que é mestre em Gestão de Políticas Públicas com pesquisa na área de publicidade governamental. Foi secretário de comunicação no Governo de Volnei Morastoni em Itajaí e, trabalhou com Ideli Salvatti no Senado entre 2011 e 2015.

Visita de peso

O ex-governador Raimundo Colombo (PSD) e o deputado federal, Esperidião Amin (Progressistas), ambos candidatos ao Senado na mesma chapa, se reuniram com o deputado estadual Narcizo Parisotto (PSC). Durante o encontro na tarde de ontem, Colombo em um ato simbólico, oficializou o convite a Parisotto, para que seja candidato à sua segunda suplência, já que o nome do deputado foi homologado no TRE.

Debate

A Rádio Som Maior de Criciúma, realizará o primeiro grande debate com os candidatos ao Governo do Estado. O programa está marcado para amanhã, a partir das 10h no estúdio da emissora. Confirmaram presença os candidatos Décio Lima (PT), Gelson Merisio (PSD), Mauro Mariani (MDB), Carlos Moisés da Silva (PSL) e Leonel Camasão (PSOL). O debate será mediado pelo colega Adelor Lessa, e poderá ser ouvido na região Sul pela 100,7 FM, ou através do site www.4oito.com.br

Fiesc

Acontece hoje as 18h30, a solenidade de posse da Federação das Indústrias de Santa Catarina (Fiesc). No evento na sede da entidade, terá a posse do empresário de Joinville, Mário de Aguiar, que receberá o cargo das mãos de Glauco Corte. O colega Moacir Pereira do grupo NSC, foi o convidado para palestrar sobre o cenário político e as perspectivas eleitorais deste ano. O empresário Gilberto Seleme que é de Caçador no Meio-Oeste, passará a ser o primeiro vice-presidente, se credenciando a ser o próximo a assumir o comando da Fiesc.

Deixe seu comentário:

Pin It on Pinterest