O fogo cruzado entre PSD e MDB, burocracia atrasa licitação do aeroporto de Chapecó, Jorginho Mello quer apoio exclusivo ao Senado entre outros destaques

Uma ideia que já era defendida pelo deputado estadual Valdir Cobalchini, ganhou o apoio ontem da executiva emedebista. O pré-candidato ao Governo do Estado, deputado Mauro Mariani ganhou carta branca para liderar todas as articulações para construir uma aliança. O próprio governador Eduardo Pinho Moreira afirmou que na condição de pré-candidato, que Mariani precisa ter a liberdade de fazer uma composição a exemplo do que aconteceu com o falecido ex-governador Luiz Henrique da Silveira em 2002.

Mariani aproveitou para relatar que tem conversas adiantadas com o Partido da República através do deputado Jorginho Mello, e com o PPS da deputada Carmen Zanotto. Porém, mantém o canal aberto para o Democratas e o PSDB, sendo que no caso dos tucanos, os emedebistas comemoram a antecipação da convenção do PSD, que se fechar com o Progressistas poderá isolar os tucanos, que veriam numa aliança com os emedebistas uma forma de chegar ao segundo turno.

Conversas

O Democratas estaria se aproximando consideravelmente do Progressistas e PSD, que discutem se disputarão aliançados ou não a eleição estadual. Reuniões acontecem a todo momento em Florianópolis e, até o final da semana se não houver um acerto, pelo menos o encaminhamento será dado. Esperidião Amin (Progressistas) e Gelson Merisio (PSD) seguem discutindo quem estará na cabeça de chapa.

Dificuldade com o PR

Jorginho quer ser o único ao Senado.

Ao mesmo tempo que o MDB está muito próximo do Partido da República, um ponto ainda coloca uma dificuldade no meio do caminho antes do anúncio da aliança. Acontece que o deputado federal Jorginho Mello (PR), quer ser o único candidato ao Senado apoiado pelo MDB. Como os emedebistas tem o deputado Valdir Colatto e o ex-governador Paulo Afonso Vieira querendo disputar uma vaga à Câmara Alta, além do fato de Mauro Mariani ainda estar oferecendo uma das vagas ao PSDB, ou ao DEM, atrasa o acerto com os republicanos. O certo, é que se depender de um apoio total dos emedebistas, Mello não fechará a aliança.

Lei de responsabilidade

Ontem em entrevista que me concedeu na Super Condá AM 610, o governador Eduardo Pinho Moreira (MDB), voltou a afirmar que não conseguirá fechar as contas do Estado e, que descumprirá a Lei de Responsabilidade. A queda na arrecadação piorada pela greve dos caminhoneiros, traça um cenário segundo Pinho Moreira, de grande dificuldade. “Os estados não conseguirão fecha as contas, as prefeituras da região de Florianópolis, além de Joinville e Blumenau, ninguém conseguirá fechar as contas”, afirmou.

Críticas

O governador Eduardo Pinho Moreira (MDB), não poupou o ex-governador Raimundo Colombo (PSD), ao afirmar que as chamadas “pedaladas da Celesc” geram prejuízo ao Estado. “As pedaladas da Celesc no governo passado, tem nos feito pagar R$ 10 milhões por mês aos municípios, tudo isso é tirado da receita do Estado”, afirmou Pinho Moreira, ao destacar que a questão dos precatórios que já custa ao Estado R$ 30 milhões ao mês, também é outro motivo para preocupação. Para o próximo ano, o governador prevê um déficit de R$ 3 bilhões, devido aos precatórios e dívidas.

Ficou na gaveta

Em outra clara crítica ao governo Raimundo Colombo (PSD), o atual governador Eduardo Pinho Moreira (MDB) lembrou da dívida da Saúde que passa de R$ 1 bilhão. “São dívidas que ficaram nas gavetas da Secretaria de Saúde no ano passado. Não foram empenhadas, as empresas prestaram o serviço, mas as dívidas estão lá, e não entrou nem no orçamento. Estão nas gavetas”, afirmou Pinho Moreira.

Aeroporto

Sobre o aeroporto de Chapecó Serafin Enoss Bertaso, o governador Eduardo Pinho Moreira (MDB) soube que a Secretaria de Aviação Civil (SAC), solicitou uma reanálise da proposta técnica que terá que ser adequada. Somente após a burocracia da SAC, que será liberada a realização da licitação.

Crítica

O pré-candidato a governador, Gelson Merisio (PSD), não tem poupado palavras contra o provável adversário que enfrentará nas urnas e, criticado a alegação do atual governo de que estaria com dificuldade para pagar as contas. “O governo do MDB é PhD em atrasar salários. A equipe que está à frente das finanças do estado hoje é a mesma que entregou o governo do estado e m 1997 com quatro folhas atrasadas. Agora, a ameaça de atrasar a parcela do 13º salário é inaceitável, justamente quando o Estado divulga 8% de aumento na receita comparado ao ano passado, contra uma inflação de 3%. A prova de que há dinheiro é o repasse de R$ 200 milhões em convênios feito às prefeituras do MDB nos últimos 90 dias”, afirmou Merisio.

Merisio criticou os emedebistas.

Pegou mal

A entrega de veículos pela Secretaria de Estado da Assistência Social, gerou um constrangimento sem tamanho. O ex-secretário da pasta, deputado Valmir Comin (Progressistas), está sendo acusado de ter ligado para prefeitos e lideranças, para destacar que foi ele quem realizou a compra dos veículos. Além disso, assessores de Comin, segundo uma fonte, estiveram no ato de entrega, sem contar algumas publicações na internet ligado o parlamentar a aquisição dos veículos. Na política a personificação de um ato cheira a campanha, pois, qualquer secretário não tem o direito de fazer qualquer propaganda de um ato seu, como se fosse o merecedor já que ele apenas administra um dinheiro que é público. Ficou feio para Comin numa exposição sem o menor sentido.

Postagem feita pela assessoria de Comin.

Plano SC 2030

O secretário ​de Estado ​do Planejamento, Francisco Cardoso de Camargo Filho, entregou​ ​a versão final e impressa do Plano de Desenvolvimento de Santa Catarina 2030 ao governador Eduardo Pinho Moreira (MDB), ​no Centro Administrativo, em Florianópolis​. O documento, que reúne indicadores, metas, objetivos e estratégias para auxiliar a ação governamental em Santa Catarina nos próximos 12 anos, está disponível para consulta no site www.spg.sc.gov.br

“Me ouça de segunda a sexta as 13h15 na Super Condá AM 610”

 

 

Deixe seu comentário:

Pin It on Pinterest