O fevereiro de Carnaval na política

E começam as festas de momo em todo o país, com muito samba enredo, alegorias, fantasias, bateria, a festa popular que mais tem a cara do Brasil. Neste fevereiro de muitas máscaras carnavalescas nas avenidas, ruas, praças e salões, também a política fica com samba no pé, com as mais diversas alas das escolas de samba e blocos partidários criando e promovendo suas ideias, todos com os olhos voltados para o longínquo outubro.

Na Assembleia Legislativa de SC…
Enquanto um sai da avenida, outro entra. Sai Silvio Dreveck (PP) e entra Aldo Schneider (MDB) na presidência da Assembleia. O acordo firmado na eleição do pepista em 2017 segue para um desfile perfeito. Quem pensa que algo vai desafinar, se engana. No parlamento eles se entendem por música.

Dreveck a federal?
Após três eleições para a Assembleia Legislativa de SC, a expectativa é de um desfile novo de Silvio Dreveck, agora para Brasília na Câmara Federal. Terá caminho livre no planalto norte catarinense com a prevista saída do páreo do deputado federal Mauro Mariani (MDB), com forte base eleitoral na mesma região, que deve disputar o Governo do Estado. Será que vai?

Samba do Moreira vem aí…
Como o samba não pode parar em fevereiro, dia 16 o MDB promete agitar a Capital Florianópolis com a “posse” de Eduardo Moreira no Governo. Raimundo Colombo vai se licenciar e provavelmente não volta antes da renúncia final em abril para concorrer ao Senado. Nos movimentos dos passistas e chefes das alas de Moreira, se anteveem evoluções para concorrer ao Centro Administrativo…

Mariani x Udo
Não falta espaço para a ala germânica em fevereiro, samba com sotaque alemão. Udo Döhler tentou sair de porta-bandeira no MDB, mas parece ter chegado tarde aos ensaios. Desistiu, jogou a bandeira para as prévias contra Mauro Mariani, presidente da escola MDB, mas deixou sinais de que vai insistir em participar do desfile, senão já, mas talvez renunciando em abril para bater chapa na convenção. Colombo e Moreira só observam de camarote.

Amin vai, vai, ou não vai?
Esperidião Amin é o mestre sala do PP há anos, e como ninguém quer assumir o posto com o mesmo brilhantismo, já se anima a reassumir a bandeira da escola para o Governo do Estado. No aquecimento dos tamborins, deixa a presidência do PP – licenciando-se, não renunciando… – para o correligionário Silvio Dreveck, enquanto espera o ensaio geral do dia 26 do PP em Florianópolis. Dizem que ele quer sair na ala do Senado este ano, mas se não tiver jeito, vai na do Governo mesmo. As pesquisas o colocam na frente hoje…

Merisio organiza a coordenação
Na escola de samba PSD, Gelson Merisio não descuida dos bastidores. Monitora a nova ala Julio Garcia que tenta uma união com a ala João Rodrigues que temporariamente largou a tentativa do posto de porta-bandeira pessedista. Nesta terça (6) pode dar a reanimada e retomar a avenida, a depender dos jurados do STF. Merisio tem a escola arrumadinha para desfilar, mas precisa acomodar a turma da colombina…

Blocos menores também querem sair
Como o carnaval político também é democrático – mas nem tanto… – os blocos considerados menores hoje como do PT, PR, PDT, PCdoB, PSol e outros observam a cena da avenida em busca da melhor escola para a aliança que pode dar o cetro de ouro. Como é cedo para o desfile final, há quem diga que quem está na escola “X” hoje poderá estar na “Y” amanhã. Depende muito do colorido das grandes escolas, da força da bateria e dos patrocínios. Afinal, sair na avenida em tempos bicudos como estes, não está fácil não!

Do muro os tucanos só ouvem
Fiéis a sua natureza, os tucanos catarinenses estão em cima do muro, mais ouvindo que fazendo barulho. Os comandantes são muitos, e buscam ainda ver o que fazem para ir à avenida da democracia. O senador Paulo Bauer olha para a frente, mas também ouve a escola do MDB, ora escuta a do PSD, também a do PP, e fica indeciso, assim como o outro passista, presidente Marcos Vieira. Enquanto capricham nas penas tucanas, as demais escolas avançam.

O que vem depois
Este carnaval é só aquecimento, de fato. Após fevereiro vem março, abril de desincompatibilizações Santa Catarina afora, a renúncia de Raimundo Colombo com efetivação de Eduardo Moreira (a depender de fatos anteriores…), os próximos passos da investigação da Lava Jato, etc, etc. Muitas máscaras do carnaval cairão ou serão trocadas por outras… vamos observar e contar aqui na coluna.

Deixe seu comentário:

Pin It on Pinterest