MDB toma posse no Governo de SC, mas a homenagem é para Colombo do PSD

Hoje é dia de posse. Sim, o vice-governador de SC, Eduardo Moreira, assume o cargo de Governador ainda de forma interina no lugar do governador Raimundo Colombo, que se licencia para um curso na Espanha, depois férias, licença, e enfim a renúncia em abril. Sim, hoje espalha-se a notícia de que o MDB assume o poder após sete anos, etc e tal, mas de fato, quem será homenageado é o governador do PSD, Raimundo Colombo. Um evento do MDB colocando o PSD, ou Colombo, como figura central. Fontes emedebistas consultadas estão estranhando que a festa não seja para o partido, o manda brasa velho de guerra. Não seria o momento, dizem, de dar o impulso para a pré-candidatura de Mauro Mariani, o presidente do MDB? Valorizar Colombo, PSD, na festa do MDB? A coluna não estranha nada disso não…

Lealdade ou aliança?

Eduardo Moreira é pela terceira vez vice, e pela segunda vez assume o Governo do Estado após renúncia do ocupante de fato. Na primeira, LHS, e agora Colombo. O ex-presidente do então PMDB diz em entrevistas que é um governo de coalizão, que há lealdade, compromissos. Mas o que parece é que há mais que isso, há uma aliança meio escondida, por assim dizer, em que o futuro governador de fato e direito do MDB poderá dar toda a força para um candidato do PSD ao Senado. E se tiver um candidato, ou dois, do MDB?

PSD continua no Governo
A aliança parece ainda mais clara quando se vê que nomes do PSD continuarão em cargos chave do Governo, mesmo que o MDB tenha nomes em profusão para os cargos. Nos bastidores o clima de desconfiança é grande por parte de pré-candidatos a deputado estadual. Eduardo Moreira declarou, de forma cabal ano passado que o nome do MDB seria Mauro Mariani, e que ele estaria junto. Parece que a mosca azul picou o lagunense, que poderá usar do cargo para bater chapa na convenção emedebista contra o atual presidente do partido, indo então à reeleição. Há quem diga que pode fazer o que já fez no passado: dizer que o MDB teria candidato, e depois, abdicar em favor de ser vice (2010 e 2014), ou ainda apoiar outro nome… Huuummmm!

Sinais
Os emedebistas que virão de todos os cantos de SC para este momento festivo estarão atentos ao que será dito, e ao que será visto no evento do Centrosul em Florianópolis nesta sexta-feira. Passaram 2016 e 2017 correndo o estado mobilizando, debatendo, falando em candidatura própria ao Governo do Estado junto com o presidente Mauro Mariani, e agora querem ver para que toda essa correria foi feita. As bases não querem o PSD junto. O MDB não quer o PSD junto. Quem quer os dois juntos?

Silêncio das bancadas
As bancadas federal e estadual do MDB também vivem em silêncio sepulcral. Não dizem nada nem a favor nem contra nada. Cuidam dos seus espaços eleitorais porque sabem que será uma eleição imprevisível. Se Eduardo Moreira, alçado a governador, quiser, pode aglutinar a todas as lideranças em favor do candidato emedebista ao Governo, imediatamente. Com a caneta na mão, pode muito, mesmo com as contas apertadas. Cargos tem poder nas regiões, nos espaços de governo.

Mariani só observa

O presidente do MDB, deputado federal Mauro Mariani, só tem observado os últimos movimentos no seu partido, conversado muito nos bastidores com deputados estaduais e federais. Gato escaldado, Mariani publicou artigo na edição desta sexta-feira do jornal Notícias do Dia na Capital e fala, entre outras coisas, em lealdade. Vai testar novamente se o seu MDB cultiva tal qualidade em sua totalidade. Após as prévias serem canceladas por falta de inscrições, e até alguma oposição à elas por parte de aliados como o senador Dário Berger, o deputado federal acredita que as bases não aceitaram aventureiros na missão de ir ao Governo. O evento de hoje dirá muito.

Merísio não vai

Gelson Merisio, presidente do PSD, pré-candidato a governador já disse que não vai ao evento de transmissão de cargo. Considera um ato político do MDB, legítimo, e por isso respeita e não vai. Prepara ato do PSD para Raimundo Colombo, e para ele próprio com festa grandiosa e focada na candidatura própria, e dele, logicamente. Falando em lógica, uma lógica diferente do que será feito pelo MDB, ao que parece…

E o silêncio sobre João Rodrigues?

Oito dias após a prisão do deputado federal pelo PSD, João Rodrigues, o silêncio nas hostes pessedistas, inclusive do presidente Gelson Merísio e do Governador Raimundo Colombo, doem nos ouvidos de quem acompanha a política. Antes o campeão de votos, aclamado, defendido, agora atrás das grades, sequer tem seu nome citado oficialmente. Nada de manifestações do PSD, nada. Será que o medo de ter novidades vindas da Lava Jato transformou a todos em muristas? A política é dura, minha gente… De nome forte, apontando dedo para petistas, falando de corrupção, e até colocando o nome para a majoritária junto com Julio Garcia, Rodrigues parece não ser mais reconhecido.

Amin vai

Esperidião Amin, velha raposa da política catarinense, está atento aos movimentos no seu PP, e na aliança com PSD e PSB. Age para consolidar tal aliança visando ao Governo de SC, mas trabalha também como pré-candidato a Governador. Dia 26 de fevereiro próximo terá seu nome festejado em reunião do PP na Capital para assumir a candidatura. Se Merísio não for, ou acontecer algo na barca do PSD, Amin não quer afundar junto, cria roteiro próprio.

Tucanos

O PSDB tem números que colocam o senador Paulo Bauer em primeiro lugar nas pesquisas atuais, mas ainda não sabem para onde ir. O MDB acena com aliança, mas quer a cabeça de chapa. O PSD também. Enquanto isso crescem especulações dos nomes de Napoleão Bernardes, prefeito de Blumenau, para o Senado, Governo ou vice. Dilema para os tucanos, ajudar Alckmin a finalmente ser Presidente da República com votos catarinenses em peso, ou ganhar o Governo do Estado? Se o bonde passar e perderem o horário, nem um, nem outro, inclusive uma nova tríplice, nem tão nova assim com PP, PSD, PSB, isolando o MDB.

Lula em SC

O ex-presidente Lula não quer saber se está condenado em segunda instância e tem processos a responder. Virá a SC entre 19 a 22 de março passando por Florianópolis e Chapecó continuando a caravana pelo país iniciada ano passado. Lula também lidera todas as pesquisas, para espanto de muitos. Esquecem que o petista construiu sua empatia com o povo após muitas caravanas desde a década de 1990 e no seu berço sindical. Décio Lima, presidente do PT em SC, deputado federal e pré-candidato ao Governo, aposta tudo na candidatura de Lula para o projeto em SC. Quer alianças inclusive com partidos que ajudaram a derrubar a ex-presidente Dilma. Missões duríssimas tem o deputado blumenauense.

Acompanhe a coluna diariamente, mande suas sugestões para [email protected], obrigado!

Deixe seu comentário:

Pin It on Pinterest