Marcilei pode ser vice de Décio Lima, fechamento das ADRs é discutido no governo, PSB quer espaço na majoritária entre outros destaques

Um assunto que eu trouxe há alguns dias para esta coluna, tem sido discutido a boca pequena dentro do Governo do Estado. Ninguém admite publicamente, mas há rumores de que o restante das Regionais possam serem extintas ainda no mandato de Eduardo Pinho Moreira (MDB).

O assunto é delicado, pois a descentralização foi criada pelo líder dos emedebistas, o falecido senador Luiz Henrique da Silveira. Para os saudosistas, seria uma afronta à memória do ex-governador, mas, para quem pensa nos números e, sobretudo, em dar satisfação à sociedade que deseja ter um Estado cada vez mais enxuto e com menos gastos, a medida, mesmo que alguns defendam que terá um pequeno impacto na folha, pode ser representativa.

Ontem o secretário de Estado da Fazenda, Paulo Eli, me disse que o assunto não está na pauta, mas sabe que as contas estão apertando. Confirmou a projeção que fez em entrevista à Rádio CBN em Florianópolis, que se não houver um crescimento econômico, que todos os Estados, incluindo Santa Catarina, terão a partir do próximo ano grande dificuldade de manter a folha dos servidores em dia. Além disso, conforme eu já havia adiantado na coluna, mais cortes serão feitos, já que a receita sofreu uma queda brusca devido a greve dos caminhoneiros, chegando a uma redução de R$ 130 milhões no mês passado, R$ 200 milhões neste mês, superando as expectativas que previam um montante menor, além dos R$ 100 milhões previstos para julho.

Renegociação com fornecedores, revisão de contratos de aluguéis estão no radar do governo. Porém, mesmo com Eli não confirmando, haverá corte de pessoal e, voltando às ADRs, é possível sim que elas sejam fechadas, principalmente por terem perdido totalmente o sentido de existir.

Rodrigues

Os deputados federais integrantes do Conselho de Ética e Decoro Parlamentar, estão aguardando uma resposta do presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM), que ficou de agendar uma audiência no Supremo Tribunal Federal. Em decisão inédita, os parlamentares vão cobrar que seja pautado o julgamento dos embargos apresentados pela defesa de João Rodrigues (PSD) e, mais, que a Corte entenda que não houve crime, ou aceite a tese da prescrição. Rodrigues aguarda essa decisão para se anunciar como pré-candidato à reeleição a deputado federal.

Amin

Após o evento de sua pré-candidatura ao Governo do Estado, realizado em Criciúma, o deputado federal Esperidião Amin (Progressistas) seguiu com a agenda de parlamentar. Quanto a novas conversas com o também pré-candidato Gelson Merisio (PSD), Silvio Dreveck (Progressistas) e Raimundo Colombo (PSD), ele confirmou que devem acontecer nesta semana. Porém, hoje Amin embarca para Brasília. Ontem ele esteve em uma reunião na Agência Nacional de Transporte Terrestre, e foi a Fiesc que está sendo presidida interinamente por Waldemar Schmitt, que é de Pinhalzinho. Lá estava previsto um debate sobre a situação da BR-282 e demais rodovias do Oeste que estão em uma situação caótica.

Rodovias

A reunião de ontem na Fiesc quase foi cancelada, devido a chuva que fechou o aeroporto de Chapecó. O deputado federal Esperidião Amin (Progressistas), deputado estadual Maurício Eskudlark (PR), o presidente interino Waldemar Schmitt, também o vice-prefeito de Chapecó Elio Cella (PR) e o ex-deputado Odacir Zonta (PSB) entre outras autoridades. O principal assunto era o corte de verba da BR- 282, o qual, segundo Amin, foi por causa do programa de óleo diesel concedido pelo governo aos caminhoneiros. O deputado disse que a medida atende a toda cadeia de Diesel, podendo beneficiar desde caminhonetes particulares, lanchas e até iates. “A maneira de se evitar cortes na BR-282, é restringindo o valor do subsidio, apenas para o transporte de cargas, aos caminhoneiros, transporte coletivo e ambulâncias. Não para o lazer. É o subsidio que vai retirar dinheiro”, afirmou.

Reunião foi transmitida via videoconferência para o Oeste.

Gargalos

As lideranças presentes a reunião da Fiesc, reforçaram os gargalos das BRs 282 e 163. No caso da BR-282, recentemente o governo federal cortou R$ 40 milhões dos R$ 50 milhões previstos para investir no trecho que vai de Chapecó a São Miguel do Oeste. O superintendente do DNIT-SC, Ronaldo Carioni Barbosa, afirmou que a falta de recursos por parte do governo federal impede a retomada de obras. Segundo ele, a expectativa é de liberação de pelo menos R$ 25 milhões neste ano para retomar este trecho da 282.

BR-163

Em relação à BR-163, a FIESC apresentou estudo semana passada em que mostrou que as obras de ampliação de capacidade e restauração da rodovia na região estão abandonadas. A rodovia é importante para o transporte de milho que de vem do Centro-Oeste. O levantamento avaliou a situação dos 62,1 quilômetros do segmento entre o entroncamento da BR-282 em São Miguel do Oeste e o entroncamento da BR-280 na divisa com o Paraná, além do acesso ao ponto de fronteira alfandegado, em Dionísio Cerqueira. Conforme o superintendente do DNIT-SC, o novo edital para a retomada das obras está pronto e também aguarda liberação de recursos de emendas parlamentares.

Alerta

Vincenzo Mastrogiacomo, presidente do Fórum de Competitividade do Oeste, lembrou que a região é grande produtora e exportadora de carne. “O oeste pede socorro. Só as emendas parlamentares são muito pouco. Estamos falando de produtividade e competitividade. Estamos sendo deixados para trás”, alertou.

Encontro em Joinville

Ontem a noite em Joinville no evento da Associação Empresarial de Joinville (Acij), que empossou o advogado João Martinelli para a sua presidência, o governador Eduardo Pinho Moreira (MDB) e o senador Paulo Bauer (PSDB) foram convidados à mesa de honra. Como ficaram lado a lado, aproveitaram para ter pequenas conversas, que motivaram risadas entre os dois e até um aperto no braço dado por Pinho Moreira em Bauer. Eles também ouviram no discurso de Martinelli, o pedido para todos os pré-candidatos ao Governo do Estado, para que tenham no primeiro escalão mais nomes de Joinville.

Nem entrou…

O vice-prefeito de Brusque, Ari Vequi (MDB), anunciado na semana passada como o novo secretário de Estado da Articulação, não assumiu e, é dito em Florianópolis que nem assumirá o cargo. Indicado por Mariani, caberia a Vequi a articulação com os demais partidos. Vale lembrar que o cargo havia sido extinto pelo governador Eduardo Pinho Moreira (MDB), fato lembrado por esta coluna na semana passada. Se o reativasse, Pinho Moreira poderia ser alvo de críticas, já que estaria dando um passo atrás na política de redução de cargos.

Resolveu ficar

Por telefone o vice-prefeito de Brusque, Ari Vequi (MDB), me disse que no dia em que foi anunciada a escolha de seu nome para assumir a Secretaria de Estado da Articulação, que ele falou em reunião para o governador Eduardo Pinho Moreira (MDB) e ao pré-candidato ao Governo do Estado, deputado Mauro Mariani (MDB), que precisava consultar as suas bases. A resposta em Brusque é de que ele deveria continuar como vice-prefeito, já que o atual mandatário, Jonas Paegle (PSB) está em seu primeiro mandato. Vequi seguirá atuando na captação de convênios para o município e, deseja construir uma candidatura a prefeito para a próxima eleição. Ari Vequi foi chefe de gabinete e adjunto da Casa Civil nos governos de Luiz Henrique da Silveira.

PSB quer espaço

Em documento assinado pela executiva e pela bancada estadual do PSB, lideranças reafirmam o compromisso assumido pelo partido em 2017 com o PSD e, de apoiar as pré-candidaturas do deputado estadual Gelson Merísio a governador, e do ex-governador Raimundo Colombo a uma das vagas ao Senado. Os pessebistas também destacam que o acordo prevê um nome do partido na majoritária. A nota encerra dizendo que mantido esse encaminhamento, em nome de um projeto que o partido reconhece como adequado, modernizador e renovador para Santa Catarina, o PSB declina da sua condição de lançar candidato a governador, ficando, no entanto, essa possibilidade em aberto caso as tratativas não confirmem o acordo.

Nota do PSB

Solidariedade

Em falar em acordo, a nota que me foi enviada pelo Solidariedade vai no mesmo sentido do PSB, inclusive, usando em alguns pontos as mesmas palavras. Reitera o apoio aos pré-candidatos Gelson Merisio e Raimundo Colombo, ambos do PSD, destacando que abre mão de lançar o seu candidato.

Nota do Solidariedade

Pressão

Após a foto em que aparece ao lado do deputado estadual João Amin (Progressistas), Júlio Garcia poderá ter os seus indicados fora do governo de Eduardo Pinho Moreira (MDB). A pressão é grande da base emedebista para que os cargos indicados por Garcia, e demais cargos ocupados por pessedistas sejam imediatamente desocupados. “O pessoal está questionando o motivo do Eduardo manter essa participação do Júlio no governo. Por qual motivo o escuta tanto?”, revelou uma fonte a respeito dos questionamentos feitos no MDB.

Marcilei de vice?

O Partido dos Trabalhadores se prepara para ir de chapa pura. Ainda não é oficial, mas o nome da vereadora de Chapecó, Marcilei Vignatti, aparece com força nos bastidores como a possível vice do pré-candidato a governador, deputado Décio Lima. Marcilei seria o nome do Oeste na chapa majoritária do PT. Ontem eu falei rapidamente com Lima, mas voltaremos a conversar hoje, já que estava no velório do assessor de sua esposa, a deputada estadual Ana Paula Lima (PT), que teve uma morte súbita.

Pavan vai disputar

Em reunião ontem de manhã, a direção do PSDB de Balneário Camboriú reafirmou que continua mantida a pré-candidatura à reeleição do deputado estadual Leonel Pavan, que se encontra em tratamento de saúde se recuperando de um AVC hemorrágico, ocorrido no mês passado. As lideranças tucanas lembraram que como detentor de mandato parlamentar, Pavan é pré-candidato nato do partido, conforme a atual legislação eleitoral e partidária. O presidente do PSDB local, vereador Aldemar “Bola” Pereira, reafirmou também que já há consenso interno de que o partido local, em qualquer circunstância, terá sua candidatura própria nas eleições estaduais deste ano.

100 dias

Desde que aceitou o convite do governador Eduardo Pinho Moreira (MDB), para assumir a Secretaria de Estado da Assistência Social, Romanna Remor sabia que teria grandes desafios pela frente. Alguns deles já vinham sendo protelados há anos e seguiam sem solução, exigindo atenção imediata da nova secretária. Assim que assumiu, no dia 15 de março, Romanna definiu três grandes prioridades emergenciais: manter o investimento do governo na compra de veículos para fortalecer a rede de proteção social dos municípios; regularização do convênio com o Ministério do Trabalho para a manutenção dos SINES que estavam na iminência de fechar por falta de pagamento de aluguel e funcionários; mudança de prédio da sede da secretaria, já que as atuais instalações estão em condições precárias e oferecem insegurança aos funcionários.

 

Esmeraldino no Oeste

Com o objetivo de fortalecer o PSL em Santa Catarina e, acompanhar a realidade dos municípios, o presidente estadual do partido e pré-candidato ao Senado, Lucas Esmeraldino, acompanhado de sua comitiva, retorna ao Oeste Catarinense, amanhã. Na quinta-feira (28), o líder do presidenciável Jair Bolsonaro participa de reuniões com empresários, autoridades políticas e simpatizantes da sigla. E, a partir das 19h, empossará as provisórias do Extremo Oeste Catarinense, microrregiões da Amoesc, Amerios e Amnoroeste. E no sábado (30), a agenda segue para a microrregião da Amauc, para mais um ato político e encontro com lideranças políticas e empresariais. O partido já conta com 80 executivas municipais.

“Me ouça de segunda a sexta as 13h15 na Super Condá AM 610”

 

Deixe seu comentário:

Pin It on Pinterest