Júlio Garcia está de volta, a passagem de Lula pelo Oeste, Stédile ameaça Etchegoyen, a carta aberta de JR entre outros destaques

Lula com a bandeira do MST.
Foto: Ricardo Stuckert

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) encerrou ontem a sua caravana por Santa Catarina, que teve início no sábado em Florianópolis e Chapecó, e nesse domingo em Nova Erechim e São Miguel do Oeste. Na praça Coronel Bertaso em Chapecó, local que teve um dia tenso com troca de provocações e agressões entre simpatizantes e contrários ao petista, o ex-presidente discursou para um público que ficou muito aquém ao esperado pela organização do ato devido a chuva.

Lula iniciou a sua fala direcionando o discurso a quem estava contra a sua presença, a quem definiu como herdeiros políticos de Hitler e fascistas, deixando claro que darão porrada se não respeitarem o seu grupo. “Não queremos briga, mas não fugiremos dela”, disse. A exemplo da entrevista exclusiva que concedeu a colega Raquel Lang e a mim, na sexta-feira na Super Condá e reproduzida no site SCemPauta, o petista voltou a desafiar o judiciário a provar que o juiz Sérgio Moro, o procurador Deltan Dallagnol e integrantes do TRF4, que são mais honestos que ele.

Além disso, Lula criticou as reformas realizadas pelo governo de Michel Temer (MDB), e a pedido do MST teria se comprometido caso vença a eleição, a convocar um plebiscito para revogar todas as reformas realizadas até o momento. Ele também defendeu o crescimento da economia através do incentivo aos mais pobres, os tornando economicamente ativos. Destacou que ainda tem gente que passa fome, e que o combate a miséria deve ser intensificado, lembrando de passagens de sua presidência, quando num encontro com o então presidente dos Estados Unidos, George Bush, enquanto que o americano queria atacar o Iraque, Lula teria dito a ele que a sua guerra era terminar com a fome.

Porém, o que estraga o discurso é o tom maniqueísta, da divisão entre os pobres e os ricos. “Eles não se conformam com a madame sair para jantar com um perfume caro, e a empregada chegar no outro dia para trabalhar com o mesmo perfume que a madame usou no jantar, pago a prestação”, disse, reforçando a divisão entre as pessoas. Além disso, promete voltar a demarcar terras indígenas se for eleitor, as quais segundo ele, sem discussão pertencem aos índios.

O que Lula precisa entender, é que as pessoas protestam querendo a apuração dos casos atribuídos a ele de corrupção, e que sendo condenado, que pague como qualquer cidadão. As pessoas não estão preocupadas porque os mais pobres estão tendo acesso ao avião, a universidade, ou ao perfume mais caro. Se mais pessoas tiverem um melhor poder de consumo, a chamada elite pelo líder petista também ganhará, pois, as suas empresas lucrarão mais. Portanto, que fique claro que o brasileiro apenas está ávido de justiça, independentemente de quem e que partido for o acusado ou condenado em casos de corrupção. Ninguém, nem mesmo Lula está acima da lei.

Excesso

Se dirigindo aos manifestantes contrários a ele, o ex-presidente Lula (PT) passou do ponto ao dizer que deveriam beijar os seus pés e limpar o chão por onde passa pelo que fez pelo país. “Um bando de moleques que nunca trabalharam na vida. Certamente não passaram no Enem e estão frustrados porque as pessoas mais pobres passaram. Essas pessoas se tivessem um pouco de decência, estariam beijando o meu pé por tudo o que eu fiz por essa gente. Deveriam estar ajoelhados limpando a calçada onde eu passei, pois eles nunca tiveram um presidente que investiu tanto em Santa Catarina, em Chapecó, na agricultura e na médio e pequena empresa”, afirmou. Esse tipo de afirmação feita por Lula, demonstra uma visão errada que muitos políticos tem. O agente político está no poder justamente para promover ações em prol da população, é uma obrigação, caso contrário, não tem sentido ter um mandato. Ninguém pode negar que houveram avanços em seu governo, mas, isso não o faz credor de agradecimento. Ele não fez favor algum, apenas o que era a sua obrigação assim como qualquer político.

Lamentável

A violência não é resposta para nada. O nosso país segue um caminho perigoso, flertando com o rompimento democrático. O protesto é livre, qualquer um tem o direito de apoiar ou protestar contra o que for. Agora, quando parte para a violência, a razão acaba. Foi triste de saber que pessoas dos dois lados na noite de sábado em Chapecó, saíram feridas. Mesmo assim, vale destacar o importante trabalho realizado pelas polícias civil e militar, além do apoio da guarda municipal. Na foto, o quadro da união na realização da segurança: O tenente coronel da PM Ricardo da Silva, o delegado regional Wagner Meirelles, e o comandante da 4ª Região da PM, coronel Clóvis Colpani.

Stédile ameaça general

Um dos criadores do MST, o economista João Pedro Stédile, mostrou que as suas ameaças não tem limite. Em seu discurso em Chapecó ele mandou um recado ameaçador ao ministro-chefe do gabinete de segurança institucional da Presidência da República, general Sérgio Etchegoyen. “Vou mandar um recado aqui, ao general Sérgio Etchegoyen, que é gaúcho como eu. Não se atreva. O povo brasileiro não permitirá que prendam o Lula”, afirmou Stédile, destacando aos presentes que depende das pessoas para que a prisão não aconteça. Além disso, o líder dos sem terra falou para que ninguém caia no que chamou de “lero lero” de plano B, C ou D. “Nós só temos um plano. Lula candidato a presidente”, destacou.

Stédile volta a desafiar a segurança do país.

Décio Lima

O deputado federal Décio Lima (PT) pré-candidato ao Governo do Estado, falou em Chapecó dando um clima de campanha. Segundo ele, Lula vai ganhar o Brasil para os brasileiros, e ele, Décio, ganhará Santa Catarina para os catarinenses. “Em Santa Catarina vamos construir um projeto para impulsionar os corações dos catarinenses e das catarinenses”, disse Lima, que deixou um abraço para o ex-prefeito José Fritsch.

Lula apoia o nome de Décio Lima.

JR envia carta

Na sexta-feira (23), em visita ao deputado federal João Rodrigues (PSD), à sua esposa, Fabiana Rodrigues recebeu um pedido dele. Que ela fizesse a transcrição de uma carta, com a inclusão da cópia de documentos os quais, segundo Rodrigues, esclarecem o processo contra ele. “Preparamos com muito carinho para que você entenda a verdade desse processo”, disse Fabiana. Confira:

Para acessar o arquivo, clicar sobre o link:  a1929eb0b9f47b5340781c87aad67fdb

Garcia é pessedista

 Júlio Garcia um dos principais articuladores da política catarinense, está oficialmente de volta ao cenário. No sábado em Criciúma ele assinou ficha no PSD, e agora está apto a disputar a eleição a deputado estadual. Marcaram presença no evento, o governador licenciado Raimundo Colombo, deputados estaduais Ricardo Guidi que disputará uma vaga a deputado federal e Gabriel Ribeiro, o prefeito de Criciúma Clésio Salvaro (PSDB), os deputados federais João Paulo Kleinubing (DEM) e Ronaldo Benedet (MDB), além do secretário de Estado da Saúde Acelio Casagrande, e o secretário de Desenvolvimento Urbano de Chapecó, Valmor Scolari. Colombo fez o discurso mais contundente, destacando a importância dá volta de Garcia ao cenário. Outro a assinar ficha, foi o vice-prefeito de Criciúma, Ricardo Fabris.

Garcia foi saudado por Raimundo Colombo. 

Scolari apoia

O vereador licenciado e atual secretário de Desenvolvimento Urbano de Chapecó, Valmor Scolari, esteve no evento, segundo ele, representando o deputado federal João Rodrigues (PSD). Em seu discurso, ele disse que a faixa colocada no local do ato dizendo “João Rodrigues presente”, representa o atual momento, “Eu trago a palavra do João, com o apoio da família. O que resume a nossa vinda aqui é a palavra. Você é um político de palavra e, na política de hoje nós precisamos de palavra, e isso você tem de sobra”, afirmou Scolari, a respeito de Garcia. A ida do secretário até o Sul do estado também teve mais um motivo. Acontece que Valmor está praticamente acertado para apoiar o ex-conselheiro no Oeste.

Faixa foi colocada em apoio a Rodrigues.

Parabéns a JR

Durante o evento de filiação no PSD, o pré-candidato a deputado estadual Júlio Garcia, pediu a todos os presentes que cantassem “Parabéns” ao deputado federal João Rodrigues (PSD), que está preso em Brasília. “O Valmor (Scolari) já fez aqui referências. Eu tenho certeza que todos que conhecem a história dele, todos que conhecem o julgamento que ele sofreu, todos que conhecem o crime entre aspas que ele cometeu, que não foi nenhum, sabem do tanto quanto ele faz falta neste momento aqui para nós. Os mesmos ministros que o condenaram, que o colocaram atrás das grades, estão debatendo num nível questionável, a não prisão do ex-presidente da República (Lula)”, disse Garcia, antes da homenagem a Rodrigues.

Nem tudo agradou

Lideranças ligadas ao deputado federal João Rodrigues (PSD), não gostaram do anúncio feito pelo pré-candidato a deputado estadual Júlio Garcia, no ato de sua filiação ao PSD. O ex-conselheiro do Tribunal de Contas do Estado anunciou durante o evento, que apoiará o deputado Ricardo Guidi (PSD) na disputa de uma vaga à Câmara Federal. Acontece que essas pessoas próximas a Rodrigues ainda acreditam que ele poderá disputar a reeleição, ou lançar a sua esposa Fabiana Rodrigues.

Café com Merisio

O pré-candidato ao Governo do Estado Gelson Merisio (PSD), reuniu no sábado(24) para um café da manhã em sua residência os vereadores de Chapecó, juntamente com o prefeito Luciano Buligon (PSB), o presidente do PSD local José Caramori e a secretária de governo e Gestão Fernanda Danielli. Ele falou a respeito do cenário político e das condições de sua pré-candidatura. Todos os presentes garantiram apoio a Merisio, que destacou a importância dos presentes para o processo eleitoral. Os vereadores que estiveram no encontro foram: João Marques Rosa (PSB), Márcio Sander (PR) que atualmente é secretário de Desenvolvimento Econômico, Ivaldo Pizzinatto, o Gringo (PSD), Claimar de Conto (Progressistas), Aderbal Pedroso (PSD), Adão Teodoro (PR), Valdemir Stobe, o Tigrão (PTB), Luiz Carraro (PSD), Orides Motoboy (PSD), Carlinhos Nogueira (PSD), Delvino Dall Rosa (PSB) e Arestide Fidelis (PSB).

Tucanos

No sábado (24) foi realizado o primeiro Encontro Regional do PSDB na chácara Recanto dos Pássaros em Pirabeiraba em Joinville. O encontro consolidou os nomes dos pré-candidatos da sigla para as eleições 2018. O vereador Odir Nunes foi confirmado como pré-candidato a deputado Estadual ao lado do deputado Marco Tebaldi, e do senador Paulo Bauer ao Governo do Estado. “Nosso partido está cada dia mais fortalecido com novas filiações, estamos otimistas e focados”, explicou Nunes. Estiveram presentes os presidentes e representantes do PSDB das cidades que compõem a região norte de Santa Catarina.

Hemm no PSB

Com anos de serviço prestado à segurança pública do estado de Santa Catarina, o ex-comandante geral da Polícia Militar, coronel Paulo Henrique Hemm, assinou ficha no PSB. No ato de filiação a ficha foi abonada pelo prefeito de Chapecó Luciano Buligon (PSB) e por Murilo Flores que disputará uma vaga a deputado federal. Hemm é pré-candidato a deputado estadual.

Hemm é pré-candidato a deputado.

Clima de Páscoa

O município de Campo Êre entrou no clima de Páscoa. Foi inaugurado no final de semana um espaço destinado a data. De acordo com o prefeito Nego Lima (sem partido), o objetivo é proporcionar um espaço para a população.

“Me ouça de segunda a sexta as 13h15 na Super Condá AM 610”

“Também me leia no jornal Sul Brasil”

Deixe seu comentário:

Pin It on Pinterest