Décio promete acabar com os R$ 6 bi de desoneração, JR volta a Brasília e anuncia apoio a Bolsonaro entre outros destaques

O candidato ao Governo do Estado, Décio Lima (PT), foi o último sabatinado pela Super Condá AM 610 e Unochapecó. Ele destacou a importância do Estado ser forte, tanto na Educação, Saúde e Segurança, ao mesmo tempo em que deve ser parceiro das cadeias produtivas e do pequeno produtor rural.

Lima também criticou o que chamou de agressividade do processo econômico e, defendeu a importância de um Estado mais próximo da educação, sobretudo das universidades comunitárias para oportunizar o acesso aos mais carentes.

Outro ponto tocado pelo petista, é a renúncia fiscal que tem impactado diretamente nas contas do governo. Segundo ele, serão R$ 6 bilhões no próximo ano, que de acordo com Lima, serão destinados a poucas empresas protagonizando o que chamou de desprezo pelo povo.

Quanto a administração, o candidato defende o acesso a informação através de um aplicativo, onde todos os processos desde entrada de dinheiro, investimentos e licitações sejam acessíveis à população.

Décio Lima também criticou o fisiologismo partidário, os quais, segundo ele, substituíram o interesse do povo. Para isso, promete se eleito, extinguir as regionais, mantendo a descentralização através das entidades.

Ao final, disse não temer a dívida do Estado, destacando que é preciso mudar o governo para esse enfrentamento. “Não olhem para mim como um candidato a governador de um partido. Olhem para mim como a possibilidade de interromper um ciclo histórico, onde se substitui o interesse do povo por interesses menores”, afirmou.

Unochapecó

Através do reitor Cláudio Jacoski e do pró-reitor, Márcio Rodrigues, a universidade cumpriu o seu papel de levar à sociedade em parceria com a Super Condá AM 610, a oportunidade de ouvirem os candidatos ao Governo do Estado. Esse é o papel do ambiente acadêmico, que é motivar os debates que interessam a sociedade, envolvendo inclusive os acadêmicos. Essa é uma preocupação de tempos, tanto de Jacoski, quanto de Rodrigues. Parabéns a Unochapecó por ter abraçado o projeto.

JR com Bolsonaro

Ontem à noite o deputado federal João Rodrigues (PSD), fez uma live no Facebook ao lado da esposa, Fabiana Rodrigues. Ele falou da perda de seu sogro, Ireno Matte, que faleceu na madrugada de sábado (08), e sobre a sua volta a Brasília na manhã desta segunda-feira (10), onde ficará a disposição da justiça. Vale lembrar que o ministro do Supremo Tribunal Federal, Luiz Roberto Barroso, anulou a decisão do STJ que tirou Rodrigues do regime semiaberto e, lhe deu o direito de disputar a eleição. Além de pedir aos seus partidários que sigam trabalhando por ele, Rodrigues também pediu aos seus apoiadores, que também apoiem ao presidenciável Jair Bolsonaro (PSL).

Mulheres

Garantir a participação das mulheres em 50% das funções executivas do Governo do Estado. Este foi o compromisso firmado pelo candidato a governador, Gelson Merísio (PSD), em Forquilhinha, numa agenda no Sul do Estado em evento promovido pelo deputado estadual e candidato à reeleição Rodrigo Minotto (PDT), na tarde de sábado (8). Merisio afirmou que, caso seja eleito, sua administração vai promover a participação das mulheres num nível nunca antes registrado em Santa Catarina. “No meu governo, 50% das funções executivas serão exercidas por mulheres. Como forma de respeito, de prestígio e de resgates desta contribuição tão grande que pode ser dada pelas mulheres catarinenses e brasileiras”, destacou o candidato.

Apoio de Cella

A declaração de apoio do vice-prefeito de Chapecó Elio Cella (PR), candidato a deputado estadual, a Mauro Mariani, candidato ao Governo do Estado pelo MDB, fortaleceu a relação de apoio dos emedebistas a candidatura de Jorginho Mello ao Senado Federal. Esse foi o segundo gesto que Jorginho demonstrou aos emedebistas, já que logo no começo da campanha eleitoral, o presidente do PR expulsou o prefeito de Tangará, do seu partido, que declarou apoio a Gelson Merísio (PSD).

Separação

A decisão do vice-prefeito, Elio Cella (PR), deve ter consequências políticas em Chapecó. Ninguém fala abertamente, mas há lideranças que afirmam, que haverá um inevitável afastamento de Cella da administração do prefeito Luciano Buligon (PSB). Além disso, uma fonte garante que o republicano não será apoiado pelo atual grupo, caso deseje se candidatar a prefeito no próximo pleito.

Fome de eleição

O deputado estadual Carlos Chiodini (MDB), está rodando Santa Catarina em busca de votos para alcançar a Câmara Federal. No sábado (09) caminhou ao lado da majoritária pelo litoral catarinense. Deu uma paradinha na Festa Nacional do Pirão, em Barra Velha, para saborear o famoso prato típico, Pirão com linguiça, ao lado do senador Dário Berger (MDB). Chiodini foi um dos destaques do Governo Colombo, à frente da Secretaria de Estado do Desenvolvimento Econômico Sustentável e, é o atual líder do partido na Assembleia Legislativa.

Acompanhada

Depois de acompanhar as celebrações da independência do Brasil na Serra, a candidata à reeleição para deputada federal, Carmen Zanotto (PPS), desceu em direção ao Norte do estado no sábado (08). Carmen esteve com lideranças do PPS e locais em Joinville, onde participou da 353ª edição da festa em honra a Nossa Senhora da Graça, padroeira de São Francisco do Sul, junto a Cyntia Camargo Mariani, esposa de Mauro Mariani (MDB).

Adiou

O Prefeito de Chapecó, Luciano Buligon (PSB), decidiu adiar as férias em função do surgimento de prioridades administrativas a serem resolvidas no período. Uma nova data para a transmissão do cargo ao presidente do Legislativo, Itamar Agnoletto (PSDB) será definida. Buligon quer se afastar para se dedicar integralmente à campanha de Gelson Merisio (PSD).

Tucanos divididos

Em Chapecó o ninho tucano está dividido. Enquanto que o presidente da Câmara de Vereadores, Itamar Agnoletto, o secretário de Esportes Ivan Carlos Agnoletto, o presidente Osmar Buss entre alguns nomes anunciaram apoio a Gelson Merisio (PSD), os demais integrantes do partido estão ao lado de Mauro Mariani (MDB).

Hugo segue

Hugo Biehl (Progressistas) ao contrário do que andou sendo divulgado, mantém a sua candidatura a deputado federal. Apoiado pelas cooperativas, Biehl tem em suas visitas destacado as ações que realizou no período em que foi secretário de Estado da Agricultura, no então governo de Esperidião Amin (Progressistas).

Flores

O ex-secretário de Estado do Planejamento, Murilo Flores, está circulando por todas as regiões do estado. Candidato a deputado federal pelo PSB, Flores tem falado do Pronaf, programa direcionado à agricultura familiar o qual ajudou criar. Além disso, ele tem apresentado ideias sobre a importância das parcerias público privadas, e defendido uma reforma previdenciária que não pese no bolso de quem ganha menos.

Alckmin em SC

O discurso do presidenciável, Geraldo Alckmin (PSDB) em Criciúma, segue o mesmo. Prometeu que realizará as reformas necessárias, a exemplo da Tributária, Previdenciária e Política. Além disso, se mostrou focado na recuperação da economia, pois, segundo ele, é necessário fazer o país crescer até mesmo para custear os serviços à população. Alckmin esteve acompanhado do governador Eduardo Pinho Moreira (MDB), do prefeito Clésio Salvaro e do candidato ao Senado, Napoleão Bernardes (PSDB).

Bolsonaro

Demorei para escrever sobre o atentado contra Jair Bolsonaro (PSL), pois, era um momento de tensão em um país que convulsiona. O mais triste de tudo, é que o brasileiro parece não aprender com as suas próprias tragédias. Agora estão sendo feitas postagens para provar que Bolsonaro provocou o seu próprio infortúnio. O que está faltando é bom senso. Não interessa se tudo isso começou com o “nós contra eles” de Lula e Dilma Rousseff do PT, ou com o “metralhar a petralhada” de Bolsonaro do PSL. A questão em pauta é que chega, passamos dos limites. Se todos chegarem a essa conclusão, será um bom recomeço.

Descuidado

Entrevistei longamente o deputado federal, Jair Bolsonaro (PSL), na primeira vez em que esteve em Chapecó. Participaram da entrevista os também deputados João Rodrigues (PSD), Major Olímpio (PSL) e Eduardo Bolsonaro (PSL), que na época estavam em outro partido. Algum tempo após, eu fui a Brasília para as coberturas que costumo fazer. Esperei ele conceder uma entrevista e, ao encerrar, me apresentei novamente e ele se lembrou da passagem por Chapecó. Quando pedi o seu número para marcar uma entrevista, ele me disse: “Eu não sei mexer nesse telefone, não. Pega aí e coloca o seu número”, disse me entregando o aparelho. Naquele momento, Bolsonaro já estava envolvido em inúmeras polêmicas. Mesmo assim, não se mostrou temeroso a entregar nas mãos de um estranho o seu telefone.

Insanidade?

Os advogados que defendem Adélio Bispo de Oliveira, que tentou matar o presidenciável Jair Bolsonaro (PSL), vão alegar insanidade mental de seu cliente. É no mínimo estranho que um escritório de advocacia tenha se colocado a disposição de Oliveira. Quem pagará a conta? Também chama a atenção o fato de que ele estava há dez dias numa pensão em Juiz de Fora, que tenha vindo ao estado para atirar na mesma escola frequentada pelos filhos do presidenciável, além de sustentar quatro telefones celulares.

ATENÇÃO!! As atividades eleitorais dos candidatos à majoritária, são divulgadas conforme são repassadas as informações pelas coligações.

Deixe seu comentário:

Pin It on Pinterest