DA “TRAIRAGEM” AO “GESTO”

A eleição que começou identificada como a da traição pode se transformar na eleição do gesto. Refiro-me aos possíveis gestos que podem ser praticados no PSD e o PSDB, oferecendo nova alternativa às urnas catarinenses. Hoje e amanhã devem se consolidar acordos que deixem o jogo mais claro. O PP radicalizou e pode sofrer o isolamento mais grave. O PSD de Gelson Merísio que tinha apenas um adversário: o MDB, passou a ter dois, desde que foi preterido pelo PP. Resta-lhe a candidatura própria ou aliança com o PSDB. Para isso acontecer o peessedista estaria sugerindo a troca de Paulo Bauer por Napoleão Bernardes. A chapa teria então: Napoleão Bernardes a governador, Gelson Merísio a vice com Paulo Bauer e Raimundo Colombo para o Senado.

OS GESTOS
Gelson Merísio “caiu da mudança” quando foi enxotado por Esperidião Amin, mas não perdeu o rebolado. Ele conversa com o PSDB orientado por sua equipe de marketing. Ela sugere que Napoleão Bernardes significa o novo. Uma chapa do novo enfrentando os velhos MDB e PP é o que o eleitor busca. Já Paulo Bauer, além de expor o risco de uma delação premiada, trás consigo alguns “esqueletos”.

PDT FORA
Enquanto valia o acordo costurado nos gabinetes da Assembleia Legislativa, nenhum outro partido era tão fiel ao grupo de Gelson Merísio quanto o PDT. Depois que este começou a conversar com o PSDB de Geraldo Alkmin, o PDT de Ciro Gomes está procurando o MDB, que e Santa Catarina não é tão Henrique Meirelles assim.

AO SENADO
Ontem se especulava que o MDB poderia oferecer, além de uma vaga ao Senado para Jorginho Mello (PR), uma para o PSL de Lucas Esmeraldino (partido de Jair Bolsonaro) ou para Ana Paula da Silva, a Paulinha, do PDT. Neste caso há ingrediente de preocupação com a chapa proporcional (deputados). Seria bom para Rodrigo Minotto.

RECADOS
Enquanto Mauro Mariani estaria negociando as vagas ao Senado com Jorginho Mello (PR) ou mesmo outro partido, Paulo Afonso Vieira e Valdir Colatto estão mandando recados pela imprensa. Colatto chegou a distribuir nota oficial negando a possibilidade de abrir mão de vaga ao Senado e alegando que Mariani não teria autonomia para fazer isso. Paulo Afonso falou o mesmo através do microfone da rádio Eldorado.

OS AMINS DO MDB
Se no PP o deputado federal Esperidião Amin tem poder absoluto, de colocar e realocar sem que uma só voz se levante com capacidade para contrapor, no MDB pode-se dizer que existem vários “Amins”. São lideres com capacidade de enfrentar outros lideres. Eduardo Moreira, do alto da condição de governador que o diga. Agora, Mauro Mariani empoderado pelo partido sente resistência na hora de manusear as vagas ao Senado.

COM VEREADORES


Ontem à noite Mauro Mariani esteve em Criciúma para se reunir com o movimento de vereadores, crido inicialmente para apelar pela candidatura de Eduardo Moreira. O candidato mudou e o discurso precisa ser ajustado. A questão é que no MDB a fidelidade costuma absorver bem mudanças de candidatos.

DO FUNDO DO BAÚ
Ao remexer na memória da política descobrem-se fatos não entendidos na época. Diz-se entre caciques sem mais um fio de cabelo escuro, que em 1994, Paulo Afonso Vieira (PMDB) ganhou a eleição por uma destas decisões de última hora. Registra-se que Vilson Kleinubing (PFL) ao renunciar para disputar o Senado passou o cargo ao vice Antônio Carlos Konder Reis (PPR). Este teria perguntado a Esperidião Amin (PPB), se seria ou não candidato a governador. A resposta foi sim. Tivesse sido não, Konder teria renunciado para concorrer (diferente de hoje, a legislação exigia renúncia). Mas Amin concorreu à presidência da república e a esposa Ângela é que disputou com Paulo Afonso. Foi ai que o direitista Konder Reis teria trabalhado do palácio pedindo voto em Paulo Afonso, injuriado com Amin que teria faltado com a palavra.
_____________
SAINDO Deve ser anunciado entre hoje e amanhã a retirada da candidatura de Ângea Amin para deputada federal. Pelo visto a família sentiu que “tudo Amin” pode ser demais.

AJUDANDO Ontem a tarde havia líderes do PP sugerindo a Gelson Merísio para que faça coligação com o PSDB.

TÁ FORA Na capital as chamadas “viúvas” de Dário Berger, estariam indignadas desde que o ministro Luiz Fux, presidente do Tribunal Regional Eleitoral avisou que não será tolerada candidatura de condenado em segunda instância.

FANTOCHES Os partidos políticos estão ferindo de morte um dos mais bonitos mecanismos da democracia. As convenções partidárias, que são teoricamente a oportunidade da participação da militância no processo, estão sendo desrespeitada com o expediente da concessão do direito outorgado aos caciques do partido.

DESFRITAR Os partidos estão tendo que “desfritar os ovos”. Refiro-me ao desfazer por decreto o que teoricamente foi aprovado pelo voto dos convencionais.

ORLEANS Que o jornal Diário de Notícias tem o maior alcance e penetração regional os leitores sabem. Existem, entretanto, algumas revelações surpreendentes como a que o diretor do DN, Edson Dassoler tem ouvido de prefeitos, como a grande influência dos veículos nestas cidades. É também o caso de Orleans.

IDOSO As Câmaras de Vereadores já criaram projeto de toda ordem, nem todos com resultado esperado. Tem Câmara Mirim, Câmara da Mulher entre outras. Em Içara estão pretendendo criar a Câmara do Idoso, em que o idoso vive a experiência de ser vereador por oito sessões.
___________________________________________
FRASE DO DIA
“Não tenho nenhuma restrição à composição com Jorginho Melo, mas não há sentido o MDB abrir mão de uma vaga ao Senado. Se são duas vagas, que se apresentem dois nomes. Vou à convenção no sábado e não há hipótese de eu não disputar uma das vagas para o Senado .”
Paulo Afonso Vieira, pré-candidato ao Senado, descartando a possibilidade de concordar com apelo que Jorginho Melo estaria fazendo, postando-se como candidato único apoiado pelo MDB.

Deixe seu comentário:

Pin It on Pinterest