Começa a super semana da política em SC, a resposta de Amin, PSDB e PSD devem afinar a relação entre outros destaques

Começa hoje a “super semana” para a política catarinense. Serão dias intensos de muitos vôos para encontros e telefonemas. O que chama a atenção, é a movimentação gerada após a decisão de Esperidião Amin (Progressistas), de disputar ao Governo do Estado.

Conforme eu já divulguei, tudo mudou. Os tucanos que definiriam uma chapa pura na convenção de ontem, deixaram a ata em aberto para a vaga de vice e uma ao Senado. A expectativa segundo algumas fontes do partido, é de uma aproximação com o PSD em conversa que terá início nesta semana. “Sim, eles respeitaram o nosso espaço e nós também tínhamos que dar esse tempo a eles, já que não poderíamos aparecer como oportunistas após a decisão do Amin”, disse um importante líder do PSDB.

O fato é que os tucanos se interessam em conversar com o PSD e a reciproca é verdadeira, mas, se recusam em falar de que forma será esse diálogo. Na manhã de hoje, o presidente estadual do partido, Marcos Vieira, fechará a ata e vai preparar a documentação que será enviada ao Tribunal Regional Eleitoral.

Outro ato que chamou a atenção, é que algumas lideranças emedebistas demonstraram uma espécie de solidariedade aos pessedistas. Houveram sondagens ainda não oficiais, sobre a possibilidade de uma conversa para uma reaproximação.

O fato, é que a aliança formada por Merisio com 12 partidos, os 144 candidatos a deputado estadual e mais de 60 a federal, o que renderá um bom tempo de rádio e TV, além da estrutura contratada a exemplo do marqueteiro e agência, tem atraído a atenção de quem já definiu os seus candidatos, mas esperam adquirir uma maior musculatura para a eleição mais atípica da história catarinense.

Por outro lado,Esperidião Amin na condição de candidato a governador, tomará a frente na busca de mais nomes para compor a chapa proporcional de seu partido. Amin sabe que tem pouquíssimos candidatos e que precisar dar mais musculatura à sua chapa. Vale lembrar que o Progressistas terá uma chapa pura na proporcional, enquanto que o DEM e o PV estarão juntos. Amin também tentará retomar as conversas com o PSD, porém, nos bastidores é dito que Gelson Merisio (PSD) não teria mais interesse em conversar.

Os tucanos voaram

Tucanos mostraram união.

O PSDB deu uma grande demonstração de força ontem em Joinville. A organização da convenção e o número de participantes, mostrou que os tucanos não recuarão um passo se quer, de sua decisão de disputar ao Governo do Estado. O senador Paulo Bauer disse que a sua candidatura é inegociável, e que o partido demonstrará a sua força. Outro nome que entra forte no cenário é o ex-prefeito de Blumenau, Napoleão Bernardes, que será o único candidato da chapa a senador, porém, essa situação pode mudar caso tucanos e pessedistas fechem uma aliança. Dessa forma, Raimundo Colombo (PSD) terá a outra vaga. Pela primeira vez o PSDB catarinense se apresenta com o tamanho equivalente a força nacional do partido. Em falar nisso, o presidenciável Geraldo Alckmin, gravou um vídeo estimulando os tucanos a trabalharem em prol de Bauer e Napoleão, para não deixar mais dúvidas de que o tucanato catarinense tem o seu total apoio.

O maestro

Vieira é o grande maestro do PSDB

O deputado estadual Marcos Vieira, é o grande divisor de águas na história do PSDB catarinense. Em seu discurso, ele lembrou que desde que se filiou ao partido, sempre sonhou em ser o presidente. Vieira falou das vezes que perdeu as convenções tucanas, mas, que sempre se colocou a disposição para ajudar. Além disso, como um maestro, chegou até mesmo a chamar a escola de samba Unidos da Coloninha que participou do evento e animou aos presentes. Vieira trabalhou pessoalmente para a consolidação do evento coordenando as demais lideranças, tanto, que, somente após 22 dias voltou a se encontrar com os netos Francisco e Frederico. Ao se aproximar do avô, disse Francisco: “Vô, me dá um dindim?”, questionou arrancando risadas dos presentes. Além de coordenar, Vieira participou até mesmo da organização do espaço carregando cadeiras. Outro ponto que chamou a atenção, foi o crédito dado por ele ao senador Dalírio Beber, a quem chamou de um grande tucano.

Pavan

O deputado estadual Leonel Pavan (PSDB) demonstrou que está recuperado do AVC hemorrágico. Em conversa comigo e alguns colegas ontem em Joinville, ele relatou os momentos que antecederam a sua internação, de quando começou a passar mal, da solidariedade das pessoas e até mesmo de quando acordou já reconhecendo a todos. Um dos momentos mais difíceis relatado pelo parlamentar, foi quando ainda estava em coma induzido, mas, conseguia ouvir tudo o que falavam em sua volta, inclusive, sobre prognósticos.

Amin se manifesta

O candidato ao Governo do Estado, deputado Esperidião Amin (Progressistas), entrou em contato para se manifestar a respeito do abre da minha coluna de sexta-feira. Segue a manifestação enviada por Amin: “Prezado jornalista Marcelo Lula. A propósito da nota “PSD defende frente contra AMIN”, desejo informar: a) fico muito honrado por tal lema, anunciado por “fidedigna fonte anônima”, merecedora da recepção por parte de respeitável jornalista; b) como você sabe, em árabe, AMIN quer dizer o Justo, o Homem de Confiança. Uma união sob tal slogan merece corajoso confronto; c) não encerramos diálogo com o PSD nem com Gelson Merísio. Queremos viabilidade eleitoral para lutar por chegar ao segundo turno. Nesse afã, o deputado Merísio convidou João Paulo e Angela para seu/sua vice, no dia 26/7. Angela seria sua vice e Esperidião candidato ao Senado!, d) o PP representa projeto de mudança! Este projeto está acima de pessoas! – Grande abraço, Esperidião Amin.

 Única manifestação

 Liguei para o candidato ao Governo do Estado, Esperidião Amin (Progressistas). Ele se mostrou extremamente contrariado com o abre da minha coluna de sexta-feira, pedindo que eu revelasse a fonte para que ele pudesse responder. Amin considerou uma incitação ao ódio contra ele o que publiquei. Ao explicar que fonte não se revela, o candidato disse que pelo menos por hora, não responderá a qualquer questionamento.

Fonte

A fonte é que dá base para o trabalho do jornalista e, faz parte da atuação da imprensa. Ao buscar uma informação, há conversa com lideranças que participam das decisões, seja direta ou indiretamente. Quando alguém se manifesta mas pede sigilo, não é possível quebrar a relação de confiança que norteia o nosso trabalho, para não prejudicar a pessoa. É claro que sempre é avaliada uma série de questões, como o peso da fonte, o seu interesse em divulgar determinada informação entre outras questões. Quando eu divulgo, é após uma criteriosa análise, pois, o meu único interesse é de informar, nada mais do que isso e, nunca por uma questão pessoal. Francamente, seguirei com a minha postura de respeito e preservação das fontes, que somente relatam a realidade vivida nos bastidores e, que se não fosse o nosso trabalho, não chegaria até ao público que precisa saber como são construídas as decisões que farão a diferença em suas vidas. Quem não concordar com uma determinada informação é só entrar em contato e fazer o contraponto. O espaço sempre estará aberto.

Raimundo participou

Amin e Colombo estiveram reunidos.
Foto: João Paulo Messer

Na quinta-feira de manhã cedo, Esperidião Amin (Progressistas) recebeu em seu escritório em Florianópolis, o ex-governador Raimundo Colombo (PSD) e João Paulo Kleinubing (DEM). A portas fechadas eles conversaram e ao final, Amin afirmou que iria à Assembleia Legislativa ao encontro de Gelson Merisio (PSD), para anunciar que manteria a sua candidatura ao Governo do Estado. A decisão conforme divulgada, impediu o prosseguimento das conversas com o pessedista. Segundo uma fonte, Colombo prometeu a Amin que conseguiria manter os pessedistas ao lado do Progressistas, garantindo apoio à candidatura. Ou seja, para conquistar o seu objetivo de não ter em Amin, um de seus adversários ao Senado, Colombo mais uma vez prometeu o que não conseguirá entregar.

Contra Amin 1

As primeiras manifestações como não poderia ser diferente, foi dos próprios pessedistas. Conforme uma importante e poderosa liderança do partido, o sentimento é de traição, que encerrou uma relação que parecia sólida. “Lutaria pela eleição de Amin ao Senado, mas farei tudo pra que não seja governador. Esse é o sentimento”, afirmou, enquanto que um prefeito pessedista criticou o fato de que em nove eleições, em sete Amin disputou, sendo que outras duas a sua esposa, Ângela Amin, é quem esteve a frente do palanque.

Contra Amin 2

Já de parte do MDB, não faltou críticas à nova tentativa de Esperidião Amin (Progressistas) governar o Estado, caso do candidato ao Governo, deputado Mauro Mariani, o chamando de “prato requentado”. “É o relançamento do Monza 82, que já não funciona hoje. Nosso Estado precisa de novas fórmulas para enfrentar velhos problemas”. A manifestação foi acompanhada por um eterno rival da família Amin, o senador Dário Berger, que também disparou contra o progressista ao dizer que Mariani tem o perfil ideal para o momento em que vive o Estado. “O MDB é especialista em vencer essa família. E o Mauro irá vencer também, pois, é o nome mais preparado. É moderno, arrojado e tem coragem para enfrentar os novos desafios da gestão pública”, frisou ele.

Família Amin

Ao mesmo tempo em que o entendimento é que Esperidião Amin (Progressistas), tem o direito de disputar a eleição ao Governo do Estado, por ser um político que passou incólume de toda a crise em Brasília, além de ter voltado à universidade para se atualizar. Por outro, as críticas ganharam força durante o final de semana , pois, segundo integrantes do partido a decisão teve um “tom pessoal”, que pode ter isolado o Progressistas. Durante a convenção, uma das principais lideranças, o prefeito de Tubarão Joares Ponticelli, se calou, evitando fazer qualquer manifestação, já que sempre esteve ao lado do projeto que contava com a aliança com o PSD. Já entre os candidatos a deputado, a reclamação foi ao que chamaram de benefício que Amin deu à sua esposa, Ângela Amin, e ao seu filho, João Amin, os colocando na disputa a proporcional. “O Boeira (Jorge) já desistiu e não se surpreendam se houver um levante contra essa situação. O João e a Ângela (Amin) serão beneficiados diretamente. O Esperidião construiu essa chapa sem consultar o partido”, reclamou uma liderança. Liguei para Esperidião Amin que se negou a falar sobre o assunto.

Comin

Comin defende a parceria com o PSD.

Ao mesmo tempo que destacou o fato de Esperidião Amin (Progressistas) ser ficha limpa. O deputado Valmir Comin (Progressistas), lembrou que antes de assumir ao cargo de Secretário de Estado da Assistência Social, que recebeu várias ligações de Amin, que tentou convencê-lo a aceitar o convite, situação que abriria uma vaga para Altair Silva na Assembleia Legislativa. Comin que também era um defensor de uma aliança com o PSD, disse que naquele momento, todos sabiam que a decisão afastaria os pessedistas do MDB, seu maior adversário. “Esperidião e Merisio, vocês não tem o direito de partir desunidos. Sete milhões de brasileiros estão clamando por ética e seriedade”, afirmou.

Frente de esquerda

Lima será o candidato petista

Pré-candidato ao Governo do Estado, o deputado federal Décio Lima (PT) começará nesta semana a cumprir uma extensa agenda. Ele vai buscar um maior contato com o PCdoB, Partido da República e com o PDT. O argumento será que uma possível aproximação do PSD com o PSDB ou MDB, poderia colocar esses partidos ao lado de adversários da esquerda na esfera nacional. O PSOL também interessa. Décio encerrará as negociações na quinta-feira.

Nomes

Décio Lima será homologado como candidato a governador. Caso o PT vá de chapa pura, conforme adiantei, Ideli Salvatti e Lédio Rosa serão candidatos ao Senado. Já para vice, mais nomes apareceram no cenário, muito embora, o ex-prefeito de Joinville Carlito Merss, é o primeiro da lista. Agora dois nomes do Oeste aparecem, a exemplo da vereadora de Chapecó Marcilei Vignatti, e de Alcimar de Oliveira, o Kiko, ex-prefeito de São Domingos que está morando em Chapecó. Além deles, Ricardo Baratieri, o presidente petista em Florianópolis, Cadu; e Décio Góes também são cotados.

Dificultou

Pleito de Jorginho Mello dificilmente será atendido.

A situação entre MDB e Jorginho Mello (PR) dificultou. O republicano quer ser o único candidato ao Senado apoiado pelos emedebistas, porém, não será atendido. O ex-governador Paulo Afonso e o deputado federal Valdir Colatto (MDB) colocarão os seus nomes na convenção para disputar ao Senado. Além disso, o partido também está colocando à disposição para abrir uma vaga para Mello, e a outra para outro partido. Jorginho Mello chegou a conversar com outros partidos, inclusive com o PSDB e, com Gelson Merisio (PSD).

Força de Aldo

Durante o evento com prefeitos, o presidente da Assembleia Legislativa, Aldo Schneider (MDB), confirmou que irá disputar a reeleição a deputado. Em tratamento de saúde, ressaltou que está atendendo a um chamado da região. “Travei uma luta forte, mas o câncer está controlado e me sinto preparado para o desafio. Mas não posso ser candidato de mim mesmo. Agradeço minha equipe e os amigos da região. Cheguei até aqui por causa de vocês”, destacou ele. Presente no evento, o pré-candidato ao governo, Mauro Mariani (MDB) elogiou a garra de Aldo. “Ele é um guerreiro e vai continuar prestando um serviço importante para Santa Catarina”

Deixe seu comentário:

Pin It on Pinterest