Bauer fora da eleição? , análise da pesquisa ao Governo do Estado, reunião na casa de Merisio entre outros destaques

A pesquisa apresentada ontem pelo grupo Ric Record em parceria com a Associação dos Diários do Interior, mostra que o recall sustenta Esperidião Amin (Progressistas) e Paulo Bauer (PSDB), na liderança dos cenários em que aparecem ao Governo do Estado. Só não deu para entender o motivo de Amin ter figurado apenas numa única vez.

Também penso que a amostragem dos cenários pode ter mais nomes, além da inclusão de outros pré-candidatos a exemplo de João Paulo Kleinubing (DEM), e até de Napoleão Bernardes (PSDB). Inclusive, seria salutar para uma análise mais ampla do desempenho dos postulantes.

O levantamento também ficou de certo modo prejudicado, por ter coincidido com o declínio do governador Eduardo Pinho Moreira (MDB), algo que não era previsto. Mas chama a atenção que o emedebista aparece bem na espontânea, com 2,2%, perdendo apenas para Amin, que lidera com 4,5%. Num próximo cenário, o governador não poderá mais aparecer, muito embora, tenha nas internas emedebistas quem torça para que outros levantamentos o inclua, para servir de análise.

Em falar no único pré-candidato do MDB, ele lidera o cenário que pode estar se desenhando hoje, ao lado de Gelson Merisio (PSD) e Décio Lima (PT). Nesta simulação, Mariani tem 16,4%, Merisio (PSD) 14,5% e Décio Lima (PT) 14,1%, o que leva a crer, que Merisio e Lima aparecem com vantagem, já que a tendência seria a união desses dois nomes em um eventual segundo turno. Mas, como não tem tucanos e democratas, fica impossível saber através de seus desempenhos, que diferença poderiam fazer.

Já no único cenário em que aparece, mesmo tendo dado uma pequena baixada, Amin lidera, e levaria no segundo turno com o apoio tucano, enquanto que Bauer também levaria no primeiro cenário, o qual é liderado por ele, neste caso, contaria com os emedebistas no segundo turno.

Agora, o que chama a atenção é o desempenho de Décio Lima (PT). Como já escrevi em outras oportunidades, o petista entra firme no páreo e, os números o obrigam a participar do pleito. Será decisivo, ou para si próprio, ou caso não chegue no segundo turno, para quem desejar apoiar.

Por fim, Gelson Merisio (PSD). Aparece em quinto na espontânea, o que tira a pecha de desconhecido que tentaram impor a ele. Além disso, de três cenários, em dois atinge os dois dígitos, sendo que em um, está empatado tecnicamente com Mauro Mariani (MDB) e Décio Lima (PT). Essa era uma pesquisa chave, pois se tivesse permanecido na casa dos 5%, aumentaria o coro de quem se opõe ao seu projeto. Com musculatura, deve ser visto como um nome que realmente poderá figurar no cenário.

Rejeição

Ao mesmo tempo em que a rejeição sempre será maior a quem tem uma maior exposição, por outro lado, é algo difícil de se trabalhar. Geralmente o trabalho em uma eleição é feito na conquista do eleitorado, pois, quanto aos que rejeitam, o índice de reversão é muito baixo. Mas é preciso para uma análise mais precisa, observar o histórico de cada nome e o cenário atual. Então temos Décio Lima (PT) liderando os rejeitados. Porém, quem acompanha o cenário político, sabe muito bem que essa rejeição não é diretamente a ele, que tem o seu percentual, mas a maior fatia pertence ao Partido dos Trabalhadores, que está muito desgastado. Portanto, Lima tem a chance de conseguir junto a uma parcela do eleitorado, trabalhar essa dificuldade. Já Esperidião Amin (Progressistas) tem os históricos embates com o MDB, que tem um eleitorado significativo, o que contribui para o percentual de rejeição, enquanto que Paulo Bauer (PSDB) tem a negativa do eleitor de esquerda anti-tucano, sem contar o fato de que está sendo investigado, o que tem lhe causado transtornos junto as bases e a opinião pública. Se não fosse isso, poderia estar numa posição ainda melhor. Por sua vez, Gelson Merisio (PSD) aparece com baixa rejeição, 12,8%, o que é natural para quem é novo no pleito majoritário. Mas também é um indicativo de que ainda tem uma parcela significativa da população para conquistar.

Avaliação

O governo de Eduardo Pinho Moreira (MDB) também foi avaliado. Por ainda ser prematura, a análise precisa ser vista de uma forma clara e real. Um exemplo, é que não dá para compará-lo ao desempenho de Raimundo Colombo (PSD) nas pesquisas anteriores. Nem é possível mesmo, descolar os dois governos, pois, Pinho Moreira fez parte dos governos Colombo, enquanto que os números enfrentados hoje no caixa do Estado, são herança de quando o pessedista estava a frente do Centro Administrativo. Qualquer coisa fora disso, é obra de ficção.

Kleinubing contesta

Recebi uma nota enviada pela assessoria do pré-candidato ao Governo do Estado, João Paulo Kleinubing (DEM), a respeito da pesquisa do Grupo Ric Record / Lupi e Associados. Tive acesso ao documentos enviado em 22 de maio passado, pelo diretório Estadual do DEM à RIC, com um pedido de inclusão do nome de Kleinubing em toda e qualquer pesquisa realizada pelo grupo relacionada a eleição. Segue: “Nossa atitude foi balizada pelo fato de que desde o mês de março, nosso presidente estadual João Paulo Kleinübing (atualmente deputado federal, ex-prefeito de Blumenau por dois mandatos, ex-deputado estadual) vem colocando seu nome como pré-candidato ao Governo do Estado. Desde então, o DEM reafirma sua convicção no nome e no trabalho realizado por Kleinübing, o que vem ganhando inclusive apoio de outras siglas, como o Partido Verde, que declarou apoio público ao projeto conjunto. Outro fator extremamente relevante é o bom desempenho do nosso pré-candidato nas pesquisas internas e mesmo nas realizadas por outras entidades, que vieram a público. Mesmo não possuindo as grandes estruturas de outros postulantes, o DEM segue com um pré-candidato forte, reconhecido e experiente. O mesmo DEM que elegeu Vilson Kleinübing em 1990 e Raimundo Colombo em 2010. Desta forma, a não inclusão no nome de João Paulo Kleinübing na pesquisa do Grupo RIC/ Lupi Associados causa, não apenas ao DEM, mas certamente à toda sociedade catarinense, profunda estranheza. Por que não incluir um nome estadualizado, de trabalho reconhecido e com pré-candidatura anunciada de forma pública? A quem interessa excluir nomes, mesmo após uma solicitação formal de inclusão em pesquisas? Só nos resta lamentar o ocorrido e reafirmar nossa convicção de que, passadas as convenções partidárias Santa Catarina, terá sim opção de voto para governador. E essa opção se chama João Paulo Kleinübing” – Diretório estadual do Democratas

Bauer fora do pleito?

Uma reunião foi convocada de última hora pelo presidente estadual do PSDB, deputado Marcos Vieira, para este sábado as 09h30 da manhã. Segundo uma fonte, o próprio Vieira acompanhado de outras lideranças tucanas, dirá pela primeira vez e de forma direta, o que está sendo discutido nas bases do partido, e até mesmo em outras legendas. “Todo mundo está querendo trocar o Bauer, mas até agora ninguém disse isso para ele”, falou a fonte. O senador saberá que a pressão interna é muito grande, já que há o temor de que o fato de ser investigado no caso Hypermarcas, prejudique a campanha do partido. A reunião promete ser quente, pois, Bauer não aceitará declinar. Mas já tem sido falado nos bastidores do PSDB, que o prefeito de Blumenau Napoleão Bernardes poderá assumir a condição de pré-candidato a governador, ou até a deputada federal Geovânia de Sá. Uma terceira opção seria Marcos Vieira, e numa última hipótese, aí sim o partido poderia abrir mão da cabeça de chapa para João Paulo Kleinubing (DEM).

Firme

Em vídeo gravado para a militância tucana, o pré-candidato a governador, senador Paulo Bauer (PSDB), disse que o trabalho está indo bem. Relatou que tem rodado o estado e pediu para que as lideranças não acreditem nos jornais, nem no que é publicado nos blogs e difundido no WhatsApp. Pelo visto, Bauer está desconsiderando a imprensa que não cria fato, apenas os divulga. Por fim, ele garante que o PSDB não será vice de ninguém, e que a sua candidatura pertence a todos os tucanos. “É um projeto bem sucedido e que vai fazer a diferença”, afirmou.

Reunião fechada

Ontem o pré-candidato ao Governo do Estado Gelson Merisio (PSD), recebeu em sua casa o pré-candidato progressista Esperidião Amin, e o presidente estadual do Progressistas, deputado Silvio Dreveck, que foi quem pediu o encontro. Em uma conversa amena, discutiram o cenário eleitoral, as possibilidades de aliança e ficou aberto o espaço para uma aproximação com o PSDB e o Democratas. Quanto a aliança ficou tudo em aberto, tanto Merisio quanto Amin, entendem que a definição acontecerá após muita conversa. “Foi importante tanto para os nossos militantes que estavam preocupados e, certamente foi um bom sinal aos pessedistas que possam ter se preocupado com a ruptura”, me disse Amin. A reunião que durou cerca de uma hora, encerrou com um novo encontro marcado para a próxima semana, possivelmente na segunda-feira, quando Raimundo Colombo deverá ser chamado.

Constrangimento

Ontem eu flagrei um momento de constrangimento no Ninho Tucano. Em um restaurante de Chapecó, almoçava o presidente estadual do PSDB, deputado Marcos Vieira. Logo após, chegou o pré-candidato a deputado federal, o empresário Ericsson Luef, acompanhado de seu assessor, João Paulo Taumaturgo, que é o presidente do PSDB Jovem. Acontece que Luef é filiado ao MDB. Vieira se mostrou incomodado e a noite eu soube que Taumaturgo será destituído da presidência da JPSDB.

Jorginho quer

Segundo uma fonte, o deputado federal Jorginho Mello (PR) ainda não anunciou o acordo com o MDB, por estar forçando uma decisão na qual será o único nome ao Senado na chapa emedebista. A proposta não foi aceita pelo MDB, o que tem dificultado a conclusão das negociações.

Buligon com a BRF

Os reflexos da greve dos caminhoneiros que durou cerca de 10 dias, ainda estão impactando a economia. Muitas empresas chapecoenses ainda estão sentindo os reflexos daqueles dias. Uma delas é a BRF, que durante 10 dias teve uma quebra no fluxo de produção e ainda trabalha para restabelecer o sistema em sua plenitude. Por isso, o prefeito de Chapecó, Luciano Buligon (PSB) acompanhado da secretária de Governo e Gestão Fernanda Danielli, recebeu Fábio Dias e João Luiz da Silva, gerentes da empresa, que puderam explicar esse momento que a empresa está passando, e dizer que estão garantidos todos os investimentos. “Não haverá retrocesso na linha de produção, trata-se apenas de um intervalo no alojamento dos animais”, afirmaram.

Readequação

A BRF fará um período de readequação e os representantes da empresa garantiram os investimentos, afirmando que nenhum agricultor, mesmo com o aviário inativo, vai deixar de receber. “Vai receber como se estivesse em pleno trabalho”, garantiram. Eles comentaram ainda que a planta de Chapecó é a mais importante de perus da América Latina, junto com uma localizada em Minas Gerais. Eles manifestaram ainda o otimismo quanto a situação da comunidade europeia e, acreditam que eles irão rever seus bloqueios com relação ao produto brasileiro. “Foi um momento para nos tranquilizar, que não haverá nenhum prejuízo ao agricultor e produtor, nem tão pouco, ao trabalhador da empresa”, finalizou Buligon.

Confirmado

O Partido dos Trabalhadores já definiu que o deputado federal, Décio Lima, é o seu único pré-candidato a governador. O ex-desembargador Lédio Rosa deve disputar uma vaga ao Senado, e as demais serão definidas nos próximos dias. Ontem eu tomei um café com Rosa e Claudio Vignatti, que confirmou a sua pré-candidatura a deputado federal. O ex-desembargador explicou que pretende trabalhar para garantir o respeito ao Estado Democrático e de Direito. Ele quer ser senador para trabalhar de forma a garantir para a população um atendimento igualitário no judiciário, e buscar o resgate da classe política. Outro ponto considerado importante, é a reforma tributária.

Com musculatura

Um outsider que tem angariado apoios por todo o estado, é o empresário e ex-presidente da Hemmer, Ericsson Luef. Ontem tomamos um café e conversamos sobre o cenário estadual. Filiado ao MDB, ele é pré-candidato a deputado federal. Entende que o atual modelo está falido e defende o estado mínimo, destacando que é a iniciativa privada que precisa gerar emprego. Luef disse que deseja fazer o diferente, inclusive, não aceitando recursos do Fundo Eleitoral.

Candidato

O Partido Social Liberal (PSL) de Santa Catarina, do pré-candidato à Presidência da República Jair Bolsonaro, decidiu que lançará uma pré-candidatura própria ao Governo do Estado. O tema já vinha sendo discutido na sigla, porém, na última semana cumprindo agenda em Brasília, o presidente do PSL-SC e pré-candidato ao Senado, Lucas Esmeraldino, juntamente com alguns membros da Executiva Estadual, em reunião com Bolsonaro, decidiram colocar em votação a proposta que foi aprovada por unanimidade. A ideia do PSL de Santa Catarina é lançar o pré-candidato ao governo no mês de julho.

Erro

Uma coisa é um partido de grande porte, que tenha nomes conhecidos. Mesmo sendo um erro estratégico, mesmo assim até poderia se dar ao luxo de segurar o lançamento de seu nome. Mas quando se trata de um partido novo e pequeno, o ideal é lançar o pré-candidato o quanto antes, para dar visibilidade. De fato, um erro estratégico.

“Me ouça de segunda a sexta as 13h15 na Super Condá AM 610”

Deixe seu comentário:

Pin It on Pinterest